As diferenças nem sempre são bem vistas ou bem aceitas, infelizmente. Apesar dos avanços enquanto sociedade, no sentido de incluir pessoas anteriormente isoladas em círculos sociais mais amplos, é verdade que ainda é difícil trabalhar a diferença com as crianças. Isso porque os adultos nem sempre sabem como lidar com o assunto.

Para ajudar nessa tarefa, veja aqui uma lista com os melhores livros infantis para trabalhar as diferenças com as crianças. Boa leitura!

Menina  Bonita do Laço de Fita

Autoria: Ana Maria Machado

Editora: Ática

Diferenças - Capa do livro

Crédito: EDITORA ÁTICA

É impossível iniciar uma lista de livros sobre as diferenças sem ser por este clássico. Menina Bonita do Laço de Fita é um clássico no Brasil sem nenhum favor. Isso porque a obra conquistou seu espaço com muito merecimento.

Publicidade

Considerado uma das melhores opções para trabalhar as diferenças e o racismo com as crianças, o livro conta a história de um coelhinho branquinho, branquinho, branquinho que… Está apaixonado por uma menina negra.

Além de estar apaixonado, ele também deseja de todo coração ter a pele escura: igual à menininha.

Para tanto, ele entra em várias aventuras, por exemplo:

  • Se joga em uma lata de tinta preta
  • Come jabuticabas até passar mal
  • Toma muito mais café do que devia

Entretanto, nada disso surte efeito: ele continua branquinho. Mas ele não desiste, e é quando o coelhinho conhece a mãe da menina que ele se vê mais perto da menina tão admirada por ele e do seu objetivo.

Com sensibilidade e bom-humor, a história não fala somente das diferenças. O livro também apresenta assuntos importantes relativos ao universo infantil, como a autoestima na infância, a amizade e a fraternidade entre pessoas de etnias diferentes.

Ceci tem Pipi?

Autoria: Thierry Lenain

Editora: Companhia das Letras

Diferenças - Capa do Livro

Crédito: EDITORA COMPANHIA DAS LETRAS

Publicidade

Mais atual do que nunca, Ceci tem pipi? pode ser considerado um livro que trabalha de forma lúdica a desconstrução dos papéis de gênero entre as crianças. Ou seja, é uma forma divertida de combater o machismo desde a sua raiz: na infância.

O conto acompanha Max, um menino que vivia de uma forma simples. Para ele, as pessoas eram separadas em dois grupos: aqueles Com-pipi e aqueles Sem-pipi. Max sabia, por exemplo, que os meninos tinham pipi e, por isso, eles eram mais fortes. Afinal, como ter força sem ter um pipi?

Naturalmente, nosso pequeno protagonista ficava muito contente de poder fazer parte do grupo dos mais fortes. Entretanto, essa máxima do garoto parece cair por água abaixo quando conhece Ceci: uma nova colega da escola.

Ceci é uma menina, logo, Max pensa que ela vai brincar de boneca ou vai desenhar florzinhas e corações. Todavia, a menina o surpreende. Isso porque Max percebe que a nova colega desenha animais enormes (como mamutes, por exemplo), joga bola e anda de bicicleta. Além disso, Max descobre que a bicicleta dela é… De menino!

Intrigado com isso, Max decide investigar a coleguinha. Afinal, será que ela é diferente porque tem um pipi?

A obra mostra de forma divertida as diferenças e as semelhanças entre os gêneros. Além disso, a história também trabalha as aflições de quando vemos nossas verdades sendo desconstruídas.

Publicidade

Ninguém É Igual a Ninguém

Autoria: Regina Coeli Renno e Regina Otero

Editora: Editora do Brasil

Capa do Livro

Créditos: EDITORA DO BRASIL

A obra se divide em duas partes e trabalha com a identidade e as diferenças pessoais.

Na primeira parte, o leitor é apresentado a Danilo. O menino conta sobre as pessoas que moram na sua rua. Ele narra as características físicas e as reações que cada um dos vizinhos têm ao ser atingido na sua fragilidade. Algumas das características destacadas por Danilo são, por exemplo:

Aqui, seu filho vai descobrir que ninguém é igual a ninguém. Ele também vai ver que cada pessoa tem as suas próprias fraquezas e as suas próprias formas de se defender, quando se sente atacado.

Entretanto, na segunda parte da obra Danilo dá espaço para Tim entrar em cena.

Tim conversa diretamente com o leitor, não contando mais histórias de outras pessoas – como Danilo fez. Aqui, a criança é incentivada a pensar sobre si mesma, sobre sua identidade e sobre seus próprios sentimentos.

Com essa estrutura, o livro possibilita que seu filho amplie suas habilidades de relação intrapessoal e interpessoal de forma paralela. Esta é uma obra obrigatória para as mamães que querem ajudar seus pequeninos a respeitarem as diferenças desde cedo.

As Aventuras de Uma Criança Downadinha

Autoria: Alessandra Almeida Maltarollo

Editora: Grupo Editorial Zit

Capa do Livro

Crédito: Grupo Editorial Zit

Aline é uma menina que sonhava ser bailarina. Mas ela não era uma bailarina igual às outras. Isso porque Aline era especial, ela era a única bailarina do mundo com Síndrome de Down.

Nesta bela narrativa, a pequenina nos conta das suas dificuldades para realizar o sonho, por exemplo, a adaptação nada fácil na escola. Entretanto, não é só de dores que o caminho foi trilhado. Aline também nos mostra o importante papel dos pais e dos amigos, que a ajudaram com seu apoio e amor incondicionais.

No fim do livro, há também diversas informações preciosas sobre a Síndrome – apresentadas por Sonia Casarin, doutora em psicologia clínica e diretora do S.O.S Down.

O que achou desta lista? Deixe o seu comentário e compartilhe sua opinião conosco!