Seja parto normal ou cesárea, o nascimento do bebê pode revelar diversas surpresas. Na primeira opção, por exemplo, você já deve ter ouvido que a mulher pode fazer cocô durante o trabalho de parto. E pode mesmo! Já na segunda, a gente até sabe, mas é só na hora mesmo que paramos para pensar realmente que, enquanto estamos ali imóveis, tem um montão de gente mexendo na nossa barriga. Claro, um procedimento necessário, mas que para algumas pode soar esquisito quando chega a hora.

A boa notícia é que, apesar dos pesares, tudo isso que pode acontecer é por uma causa muito maior: fazer uma criança chegar ao mundo. Então o melhor é estar bem informada sobre as possibilidades e não se preocupar – você está fazendo o seu melhor para o filhote nascer são e salvo. Vamos então ver o que pode ocorrer no trabalho de parto (e que nem todo mundo imagina)?

trabalho de parto

Imagem: 123RF

Cocô durante o trabalho de parto!

Sim! O que acontece: os músculos que são utilizados durante o trabalho de parto para empurrar o bebê são os mesmos requeridos na hora de evacuar (tanto que, no parto normal, é na região traseira onde se concentra a dor). Então pode ocorrer de a mulher fazer cocô, sim – e fica tranquila, porque é bastante comum. Há mulheres que relatam que tem horas durante o trabalho de parto que mais forte que a dor das contrações é a tentativa de evitar que o cocô saia, por vergonha. Mas os profissionais de saúde recomendam que, se a vontade aparecer, não se intimidar e evacuar mesmo (acredite: eles estão acostumados com isso!).

Publicidade

E caso a mulher receba uma anestesia epidural, ou seja, aquela que adormece a parte inferior do corpo, há chances de evacuações incontroláveis. Mas e se o bebê nasce e entra em contato com as fezes, isso não é ruim? Os estudos indicam que não e, inclusive, alguns sugerem que a exposição a essas bactérias intestinais boas no nascimento oferece benefícios à saúde a longo prazo.

Náuseas e vômitos

Os enjoos são comuns para muitas mulheres durante a gestação, mas nem todo mundo sabe que, durante o trabalho de parto, é possível sentir náuseas e até mesmo vomitar. O quadro é comum especialmente se a mulher recebe anestesia epidural, o que pode levar à queda de pressão e, consequentemente, a vômitos em alguns casos.

No pós-parto, em cesáreas, a mulher também pode sentir enjoos e tonturas. Mais uma vez, a recomendação é não se intimidar e deixar o corpo responder naturalmente – para algumas mulheres, isso faz parte do processo. E tudo bem.

Trabalho de parto rápido demais

Com os relatos de parto pipocando cada vez mais na internet é comum ouvirmos sobre trabalhos de parto demorados, de até 20 horas. Mas sabia que eles também podem ser rápidos? Às vezes o bebê, por parto normal, pode chegar até mesmo em menos de três horas do início das contrações. É o chamado parto precipitado.

Embora possa parecer um sonho ver o filhote nascer rapidamente, isso pode fazer com que a chegada ao hospital não ocorra a tempo – em alguns casos, a mulher pode até dar à luz sem a presença da equipe médica. Muitas vezes, em situações assim, tudo corre bem, mas também pode haver riscos, como infecções no bebê por nascer em um ambiente não esterilizado.

A vagina pode rasgar

Entre a vagina e o ânus fica localizado o períneo, e essa região pode se romper durante o trabalho de parto. Muitas mulheres sofrem algum grau de rasgamento vaginal, que se cicatriza no pós-parto (mas pode render desconfortos). Ainda vale destacar que o canal vaginal não é alargado pelo parto normal, até porque a musculatura da vagina é elástica. Contudo, em todos os casos (e seja parto normal ou cesárea), é muito importante respeitar pelo menos o período de quarentena para retomar a atividade sexual, pelo risco de infecção.

Publicidade

Ficar com uma sonda de xixi

Calma, é só durante a cirurgia, caso a criança nasça por meio de uma cesárea. O procedimento é feito porque é necessário que a bexiga esteja totalmente vazia no parto, para evitar o risco de lesões nela. A sonda pode ser colocada na sala de cirurgia ou mesmo antes, o que pode arder um pouco no canal da urina. Contudo, há médicos que não optam pela sonda, só pedem para a mulher urinar antes da cirurgia. Nesse caso, o problema é que, no pós-operatório, a mulher pode sentir vontade de fazer xixi e não conseguir eliminá-lo (o que pode doer!).

“Não acaba quando termina”

Isso é pra falar que, no parto normal, depois que o bebê nasce, ainda é preciso expelir a placenta. Muitas mulheres relatam que isso é praticamente um segundo parto. Porque o que acontece: o bebê sai, mas a placenta, que é o órgão que o une o feto ao útero para que ele receba comida e oxigênio durante a gestação, precisa sair também! Ela é naturalmente expulsa do corpo pelas contrações e, em caso de cesárea, é retirada logo após a criança.

Veja também: 7 coisas que ninguém te contou sobre uma cesariana

Por fim, vale destacar que cada parto é uma experiência particular – e pode ser que você não tenha sentido ou não sinta nada disso no nascimento do seu filho. Essas são ocorrências comuns, mas, evidentemente, não é uma regra. Mas e você? Passou por algo durante o parto que foi uma surpresa? Conta nos comentários e vamos dividir experiências!

Veja também: Como perder a barriga depois do parto

Publicidade