O bullying e o racismo são dois temas que merecem atenção especial dos pais. Com a chegada do mês de novembro, é comum que esses assuntos tomem maiores proporções dentro e fora da escola. Isso costuma ocorrer porque é o mês de comemoração da Consciência Negra.

Bullying, racismo e consciencia negra

Crédito: Freepik

Depois de muito estudo sobre o tema, foi definido que o bullying se trata de práticas violentas que tenham caráter repetitivo e intencional contra uma ou mais pessoas. O desenvolvimento de práticas de bullying costuma ter como efeitos traumas físicos, psicológicos e/ou emocionais sobre as vítimas.

É comum que o bullying seja confundido com o preconceito, mas existem diferenças entre os dois termos. O preconceito não necessariamente terá como apresentação uma série de comportamentos “descancarados” e violentos, como ocorre com o bullying. É comum, por exemplo, que crianças e adolescentes negras sofram racismo na escola através de atitudes veladas de colegas e professores. Essa forma mais “escondida” de demonstrar o preconceito dificulta até mesmo a resolução do problema. É difícil solucionar aquilo que não é percebido, não é mesmo?

Publicidade

Pode parecer muito difícil para alguns pais falarem sobre esses assuntos com seus filhos, mas é muito importante criar em casa um ambiente seguro onde as crianças sintam que podem compartilhar suas experiências e seus medos. Um ambiente seguro é fundamental porque a experiência de sofrer bullying e/ou racismo na infância gera problemas que podem levar a vida toda para serem solucionados, quando os são.

Veja neste artigo os possíveis efeitos do bullying e do racismo sobre o desenvolvimento do seu filho.

Bullying no desenvolvimento infantil

Bullying e racismo

Crédito: Freepik

Até pouco tempo atrás, o bullying não era percebido como algo prejudicial, sendo considerado um aglomerado de atitudes normais entre amigos e mesmo entre irmãos. Entretanto, hoje sabemos que essa prática não somente é prejudicial, mas também tem efeitos duradouros sobre a vida das vítimas. Estudos demonstram, inclusive, que o bullying entre amigos pode ser mais prejudicial do que as outras modalidades dessa prática.

Inicialmente, é importante destacar que o bullying é um fenômeno que não possui apenas dois atores: agressor e vítima. Esse fenômeno conta com uma série de pessoas para além deles, como os observadores que – ainda que não concordem – fazem silêncio e assistem passivamente o ocorrido. Essa reflexão inicial é importante para demonstrar que o bullying é um problema complexo e que exige atenção e cuidado ao ser tratado.

Vítimas de bullying frequentemente apresentam confusão mental. Isso costuma ocorrer porque a violência sofrida afeta toda sua constituição psicológica, e não apenas o seu corpo. Inclusive, é muito comum crianças que são vítimas de bullying e que nunca apanharam de seus algozes.

Publicidade

Além da confusão mental, também é normal encontrarmos crianças nesta situação que desenvolveram pânico. De modo geral, o pânico é apresentado em situações nas quais a vítima se sente ameaçada, mesmo anos após as experiências de bullying terem terminado. Essas crianças costumam crescer sentindo que precisam lidar sozinhas com seus problemas e costumam acreditar que não coseguirão dar conta de suas próprias vidas.

Outros sentimentos que também são muito comuns entre crianças que foram vítimas de bullying são a culpa, a paralisação e a decepção. Entretanto, estes sentimentos costumam acompanhar ao longo da vida apenas aqueles que passaram um tempo mais prolongado na situação traumática.

Racismo no desenvolvimento infantil

Bullying e racismo

Crédito: Freepik

Assim como o bullying, o racismo também é um problema que atinge crianças em todo o país. Sendo considerado um dos países com maior taxa de misturas étnicas do mundo, o Brasil ainda conta com números alarmantes de violências racistas, principalmente contra populações mais carentes e contra mulheres. Entretanto, não são somente os adultos que sofrem com este problema.

Você sabia que o racismo é um problema que pode afetar a saúde dos bebês antes mesmo deles nascerem?

Estudos demonstram que atitudes racistas por parte de médicos durante a gestação podem afetar o desenvolvimento uterino de bebês de famílias negras. Por exemplo: é comum que mulheres negras sejam expostas de forma mais prolongada a hormônios de estresse do que mulheres brancas. Esse “pequeno detalhe” pode contribuir para o nascimento de bebê com peso abaixo do esperado e, consequentemente, para o aumento da taxa de mortalidade infantil.

Publicidade

Pesquisas desenvolvidas pela Associação Americana de Pediatria (Estados Unidos) e pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Brasil) apontam para uma realidade alarmante: mulheres negras recebem atendimento pré-natal muito inferior ao atendimento de mulheres não-negras, mesmo quando realizados pelo mesmo profissional médico. Esse cenário implica diretamente na saúde materna, na sua experiência de parto e na sua condição de produzir leite materno.

Os problemas começam quando as mulheres negras não podem/conseguem questionar o médico com suas dúvidas e quando não recebem orientação suficiente e clara sobre a sua situação. Sem um atendimento adequado e sem condições de tirar suas dúvidas, é normal que as mulheres negras não produzam a quantidade recomendada de leite materno. Com isso, bebês negros deixam de ter acesso a uma série de vantagens obtidas apenas por meio desse alimento.

E o racismo na idade escolar?

Bullying e racismo

Crédito: Freepik

Após a primeira infância, a exposição a situações de racismo também pode afetar a saúde mental das crianças. Por exemplo, crianças que sofrem racismo têm mais chances de desenvolver doenças psicológicas, como ansiedade e depressão. Outra consequência que também é normal entre crianças e adolescentes que sofrem racismo é o desenvolvimento de comportamentos agressivos.

Além disso, crianças e adolescentes que sofrem racismo também podem desenvolver uma série de outros problemas, tais como:

  • Estresse e Estresse Pós-Traumático
  • Hipervigilância, principalmente em situações nas quais se sentem ameaçadas

Você já conhecia os efeitos prejudiciais do bullying e do racismo sobre o desenvolvimento das crianças? Seus filhos já passaram por uma dessas situações? Então conte pra gente sua experiência nos comentários.