As regras de convivência para crianças são de suma importância para um ambiente mais harmonioso. Uma boa convivência reflete no meio familiar, entre amigos e até mesmo no mercado de trabalho.

mãe e filha se abraçando

mãe e filha se abraçando – Foto: Freepik

Por isso, além de conhecer bem essas regras, deve-se saber ensiná-las para as próximas gerações. Essas formas farão com que as crianças se desenvolvam com a ideia de respeito ao próximo. Caso tais regras não existissem, cada um se comportaria de acordo com seus desejos, sem ordem.

Publicidade

Em uma sociedade onde muitos deixaram de exercer essas normas de boa convivência, uma criança familiarizada a elas será um diferencial. Os pequenos que praticam as regras, serão adultos mais seguros e felizes.

Regras de convivência em casa

pai e filho

pai e filho – Foto: Freepik

As regras de convivência, são basicamente normas que auxiliam o indivíduo a conviver com todos de forma harmoniosa e respeitosa. Apesar de todas serem de grande importância, algumas devem ser ensinadas às crianças desde cedo. Essas principais regras de convivência são:

  • Compartilhar;
  • Tratar o próximo da mesma forma que deseja ser tratado;
  • Cumprimentar;
  • Esperar com paciência;
  • Não gritar;
  • Não bater ou brigar com os outros;
  • Ser educado;
  • Respeitar o pensamento das outras pessoas;
  • Pedir desculpas;
  • Dizer por favor e obrigado.
família

família – Foto: Freepik

Além das principais regras de convivência, outras regras devem ser levadas em consideração durante o desenvolvimento da criança:

  • Não mentir;
  • Respeito ao próximo;
  • Cuidar do ambiente que vive;
  • Respeitar os mais velhos;
  • Não exigir coisas desnecessárias;
  • Ouvir com atenção;
  • Aceitar ser corrigido;
  • Entender suas responsabilidades.

Veja também: Ronco do bebê e a relação com problemas de comportamento

Publicidade

Regras de convivência na escola

crianças na escola

crianças na escola – Foto: Freepik

A escola é o espaço onde o ápice da interação social da criança acontece. Fora do ambiente familiar, ela tem contato com outras pessoas e suas histórias.

As diferenças estão ali, lado a lado com seu grau de entendimento sobre o mundo. Então, como ensiná-las a manter o mínimo de ordem para o bem das próprias relações?
Algumas regras básicas auxiliam na compreensão genérica da criança acerca do ambiente escolar, tais como:

  • Chegar à escola no horário;
  • Ser comportado;
  • Prestar atenção às explicações do professor;
  • Obedecer aos professores;
  • Não jogar lixo no chão;
  • Ter postura correta ao sentar;
  • Não conversar sem necessidade;
  • Fazer a tarefa de casa;
  • Caprichar nas atividades de sala;
  • Respeitar os colegas.

Essas regras, geralmente fixadas em murais ou portas de sala, vão criando na criança os nortes fundamentais para entender que deve existir uma organização para o bem comum. Aos poucos, as normas passam a se tornar atitudes naturais.

Descubra também: Como estimular o bom comportamento na criança?

O que fazer para a criança aprender as regras de convivência?

crianças na escola

crianças na escola – Foto: Freepik

Publicidade

Para ensinar as regras de convivência para os filhos, os pais devem ser exemplo. A partir do momento em que os pais cumprimentam uma pessoa ou agradecem, os filhos farão o mesmo.
Além disso, algumas outras práticas podem auxiliar na hora de ensinar as regras de convivência:

Parabenize e corrija

Quando a criança tiver um bom comportamento, parabenize. Isso a incentivará a continuar com esses hábitos. Mas, caso a criança faça o contrário, não hesite em corrigir.

Comece o mais cedo possível

Quanto mais cedo ensinar a criança, mais ela se adaptará às regras. Logo, a prática será mais fácil.

Explique a importância das regras de convivência

Sempre que houver oportunidade, explique para a criança que é muito importante seguir as regras de convivência. Além disso, explique os benefícios.

Não hesite no tempo

Sempre que puder, demonstre os bons modos à criança.

Programe jogos

De uma forma divertida, ensine a criança sobre os bons modos. O jogo deve ser de acordo com a idade do pequeno.

Não importa a idade que seu filho tiver. Sempre será importante ressaltar a importância dos bons modos. Isso o favorecerá a viver de forma mais respeitosa e tolerante com a sociedade.

Veja também: Mau comportamento escolar? Veja como falar com seu filho

Crianças difíceis: conhecendo e intervindo com regras de convivência

Regras de convivência para crianças

Menina chateada – Foto: Freepik

Regras de convivência para crianças: Inúmeros estudos têm demonstrado a dificuldade de pais e professores lidarem com filhos ou alunos considerados indisciplinados, que não se sujeitam às regras estipuladas pelos pais e educadores, conversam fora de hora e procuram chamar a atenção para si com atitudes agressivas, provocativas, hostis, impulsivas e desrespeitosas.

São as chamados “crianças difíceis”. Tais crianças apresentam dificuldades tanto nas interações sociais e nos conflitos interpessoais, quanto com relação à disciplina e aos limites.

Crianças assim costumam abusar de seu poder na tentativa de fazer com que o outro modifique seu comportamento de forma a atender aos seus desejos ou fazer o que consideram justo.

Isso faz com que as interações sociais, principalmente entre os pares, se tornem deficitárias, dificultando ainda mais o desenvolvimento da autor regulação.

Ao lidar com essas crianças, muitos pais e professores se sentem inseguros, frustrados e cansados, pois, não raro, apesar de suas intervenções, elas apresentam poucas mudanças de comportamento e os episódios impulsivos permanecem frequentes.

Regras de convivência para crianças  – Como lidar com crianças difíceis?

Regras de convivência para crianças

Professora e alunos – Foto: Freepik

Regras de convivência para crianças: O aluno “difícil” precisa que as pessoas lidem com ele com amor, mas também com firmeza.

É importante que ele reconheça uma ou mais pessoas com autoridade para trabalhar com ele, que sirvam de referência e lhes apresentem os princípios que deve seguir, pois tais princípios são inegociáveis e colaboram na manutenção da saúde, ao respeitar e valorizar a vida.

Nosso discurso deve deixar claro que não concordamos com atitudes de desrespeito nem iremos permiti-las. É importante que todos, inclusive a criança “difícil” respeitem os princípios ligados à moral.

A criança “difícil” precisa que o adulto demonstre confiança nela, ajudando-a assim a interromper uma situação de exclusão que ela talvez tenha vivenciado pelo fato de apresentar estratégias físicas e impulsivas ao sentir-se desapontada ou injustiçada.

Com isso, essa criança acaba tendo dificuldade de se relacionar com seus pares, necessitando da mediação de um adulto na promoção de brincadeiras e atividades visando inseri-la nos grupos para que ela consiga construir um vínculo afetivo com seus pares.

Regras de convivência para crianças  – Dicas

Regras de convivência para crianças

Menina com livro – Foto: Freepik

Diante disso, algumas dicas para lida com crianças em situação de conflito são:

  1. Cuide da segurança física das crianças; não permita que os conflitos se resolvam por meio de agressões físicas.
  2. Use métodos não verbais para acalmar as crianças, como colocar o braço em volta da criança ou pousar a mão sobre a mão dela.
  3. Reconheça e aceite os sentimentos da criança e sua percepção dos conflitos.
  4. Ajude a criança a verbalizar sentimentos e desejos e a aprender a ouvir o que a outra tem a dizer. Procure esclarecer e verbalizar objetivamente o problema, sem tomar partido, mas ajudando a criança a reconhecer os sentimentos e o ponto de vista dos outros.
  5. Dê oportunidade para as crianças apresentarem sugestões para resolver algum problema, evitando indicar a resolução. Se as crianças não apresentarem nenhuma ideia, podemos sugerir (não impor) algumas soluções para elas considerarem.