Ronco em crianças: Os cientistas associam o ronco em crianças a problemas comportamentais, hiperatividade, agressividade, causados ​​por alterações específicas no cérebro.

A revista Nature Communications publicou dados obtidos por cientistas da UMSOM (Escola de Medicina da Universidade de Maryland), que indicam que o ronco que ocorre regularmente em crianças pode ser um sintoma de mudanças estruturais desfavoráveis ​​no cérebro.

Ronco em crianças

bebê dormindo de chupeta. Foto: freepik

De acordo com os pesquisadores, esta conexão fornece uma melhor compreensão do porquê:

Publicidade

“As crianças que roncam durante o sono costumam ter problemas de comportamento, desatenção, aumento da impulsividade, hiperatividade, agressão e dificuldades de aprendizagem na escola.”

Os cientistas estudaram mais de 10.000 imagens de ressonância magnética obtidas por crianças de 9 a 10 anos. Descobriu-se que crianças que roncam três ou mais vezes por semana exibem uma massa cinzenta mais fina nos lobos frontais do cérebro, áreas responsáveis ​​pela cognição e controle.

Ronco em crianças

bebê dormindo. Foto: freepik

De acordo com os cientistas, mudanças semelhantes no cérebro também são características de crianças com TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade), que se caracteriza por deficiências cognitivas e comportamentais características.

Os especialistas destacam que se a criança ronca e possivelmente sofre de apneia do sono (distúrbios respiratórios durante o sono, acompanhados de ronco), ela deve ser levada ao médico.

O tratamento da apneia, neste caso, pode ser uma terapia ou prevenção de alterações adversas no cérebro. Como os pesquisadores afirmaram:

“Se você tem um bebê que ronca mais de duas vezes por semana, deve levá-lo ao médico.”

Razões do ronco em crianças

Ronco em crianças

bebê dormindo – Foto: Freepik

Publicidade

O fator etiológico mais comum para o ronco durante o sono, que chega a 95% em pacientes em idade pré-escolar e escolar primária, são as adenoides que é acompanhado por uma violação da respiração nasal e se manifesta pelo sono com a boca aberta, que provoca sons característicos.

As causas menos comuns de ronco na prática pediátrica incluem:

  • Rinite alérgica: O distúrbio é mais comum em crianças com tendência à alergias. Os sintomas de nariz escorrendo são combinados com forte inchaço da mucosa nasal e bloqueio das vias nasais, de modo que a criança abre a boca e ronca durante o sono. A rinite pode atuar como componente da “marcha alérgica”, caso em que está associada à dermatite.
  • Anomalias na estrutura do sistema respiratório: Curvatura do septo nasal, faringe anatomicamente estreita, micro e retrognatia são causas típicas de roncos que ocorrem até um ano e são resistentes ao tratamento.
  • Obesidade: O excesso de peso aumenta a quantidade de fibras em todas as áreas do corpo, incluindo o pescoço. Como resultado, a faringe não consegue se expandir normalmente, o que dificulta a passagem do ar para as próximas seções do trato respiratório. A condição patológica é mais pronunciada em um sonho e é considerada uma causa que provoca ronco.
  • Doenças neurológicas. A violação da inervação do trato respiratório superior leva à contração insuficiente e descoordenada de sua camada muscular. A respiração é difícil e acompanhada por sons altos durante o sono. A principal causa neurológica da doença são síndrome de Eaton-Lambert.
  • Doenças endócrinas. As possíveis causas do ronco em crianças são o bócio da tireoide e o aumento do tamanho da glândula timo. Na criança ocorre compressão mecânica da faringe, que aumenta na posição supina, principalmente ao dormir em posição desconfortável.

A criança ronca durante o sono: prevenção e tratamento

criança dormindo

criança dormindo – Foto: Freepik

Para prevenir o ronco, é necessário monitorar a higiene do sono da criança. O bebê deve adormecer em uma sala bem ventilada com ar frio e não muito seco.

O fato é que altas temperaturas e ar seco também levam à ventilação inadequada das vias aéreas e podem causar ronco e apneia do sono. A temperatura ideal no quarto é de 18 a 20 ° C e a umidade de 40 a 60%.

Também vale a pena acompanhar a postura de sono da criança. É melhor dormir de lado para que a língua não bloqueie as vias respiratórias e os tecidos moles não interfiram com o fluxo de ar. Dormir de costas contribui mais para o ronco.

Publicidade
Bebê dormindo

Bebê dormindo – Foto: Freepik

Para rastrear problemas potenciais a tempo, tente manter um diário do sono de uma criança. Observe e registre como ele dorme, começando cerca de uma hora depois que ele adormece. Isso tornará mais fácil entender quantas noites por semana seu bebê ronca e com que frequência ele ronca durante a noite.

Todas as suas ações destinadas a combater o ronco em uma criança devem ser coordenadas com o médico.

Que especialista devo consultar para obter ajuda se meu filho roncar?

Bebê dormindo de chupeta azul. Foto: Freepik

Se seu filho ronca pelo menos três vezes por semana durante um mês e não é acompanhado de infecção nasofaríngea, você precisa descobrir a causa. O tratamento adicional depende do tipo de ronco.

Não prolongue o curso dos sintomas, não deixe tudo “ao acaso”, procure um otorrinolaringologista especializado.

Com o auxílio de exames, o médico examinará e determinará as táticas de medidas terapêuticas que visem reduzir o ronco da criança.

Como ocorre o ronco

ronco do bebê

ronco do bebê – Foto: Freepik

Normalmente, as pessoas roncam durante o sono profundo (durante esse período, os músculos da língua e do palato mole relaxam tanto que começam a bloquear as vias aéreas).

Devido às peculiaridades da anatomia durante a expiração, isso realmente não importa, porém, durante a inspiração, as partes moles do palato e da laringe entram no fluxo de ar inspirado e vibram. Quanto mais estreito o lúmen, mais intensamente o ar passa pela laringe, o que significa que mais alto a pessoa ronca.

bebê roncando

bebê roncando – Foto: Freepik

Resumindo, o ronco é um fenômeno bastante inofensivo e comum que às vezes ocorre em quase todas as pessoas. E embora não seja uma doença em si, mas um sintoma de problemas com a passagem do ar pela laringe, não deve ser ignorado. Às vezes, o ronco pode ser um sinal de um problema de saúde mais sério.

  • Confira também: Sono do bebê – Por que o aleitamento ajuda o bebê a dormir melhor?

Ronco em crianças – Os efeitos do ronco podem piorar a qualidade de vida

Se uma criança ronca com frequência e por muito tempo, com o tempo, ela pode desenvolver uma complicação chamada apneia do sono.

Esta é uma interrupção da respiração de curto prazo, de até 10 segundos (isso pode ser determinado por longas pausas repentinas no ronco).

criança dormindo

criança dormindo – Foto: Freepik

Como resultado da apneia do sono, o corpo começa a sofrer de hipóxia – uma condição em que órgãos e tecidos não recebem oxigênio adequado.

Os sinais de hipóxia são claramente visíveis:

  • cansaço e fraqueza;
  • dores de cabeça matinais;
  • pouco apetite;
  • dificuldade de concentração;
  • relutância em se mover ativamente;
  • mudanças de humor frequentes.

Ronco em crianças – Como saber se é apneia do sono?

criança dormindo

criança dormindo – Foto: Freepik

O ronco pode ser um sinal de síndrome de resistência das vias aéreas superiores e apneia (essas condições se desenvolvem em 3% das crianças com menos de 9 anos de idade).

Isso significa que a criança ronca de 3 a 4 noites por semana e soa alto o suficiente para ser ouvida no quarto ao lado.

Em algumas crianças, a apneia do sono leva a um despertar único e, mesmo assim, não todas as noites.

Os casos graves estão associados a despertares repetidos por falta de oxigênio, o que atrapalha o desenvolvimento do cérebro e provoca problemas de comportamento.

Três sinais indicam apneia em uma criança:

  • sono agitado;
  • respiração difícil;
  • ronco alto e regular.

Os distúrbios do sono associados ao ronco levam à sonolência ao longo do dia, problemas de saúde de longo prazo e comprometimento do desenvolvimento físico e mental.

O sono das crianças é importante para a maturação normal do corpo e o crescimento dos órgãos, portanto, o ronco não pode ser ignorado.