Talvez você já tenha ouvido pessoas dizendo que estão educando filhos emocionalmente inteligentes, mas, se sente “de fora” dessa realidade, por não saber exatamente como agir nesse sentido. Mas não se preocupe! Você não é a única com esses questionamentos internos.

Além disso, ainda bem que eles existem, afinal, são eles que lhe ajudarão a aprender mais sobre o assunto.

E para lhe auxiliar nessa aprendizagem, fizemos este breve guia com dicas, sugestões e apontamentos importantes sobre a educação emocional das crianças. Vamos lá?

Para ler mais tarde: Como ensinar Educação Financeira para o seu filho

Publicidade
Educando filhos emocionalmente inteligentes

Representação de família em pedrinhas pintadas com rostinhos. Foto: Freepik

Educando filhos emocionalmente inteligentes – 09 dicas e sugestões

Se você quer afirmar que está educando filhos emocionalmente inteligentes, então considere algumas dicas que poderão lhe servir de suporte nesse processo. Entretanto, lembre-se de que as nossas dicas são sugestões, e não regras, e caberá a você avaliar as situações de forma singular, ok?

Com isso em mente, vamos às dicas:

1- Educando filhos emocionalmente inteligentes: Comece sendo um exemplo para o seu filho

O seu filho enxerga você como um super-herói, uma pessoa invencível. Grande parte das atitudes dos pais são vistas como “regra” e, por isso, o exemplo é tão importante.

Assim sendo, comece sendo uma pessoa que demonstra as emoções de forma equilibrada. Seja cordial, gentil e mostre respeito pelas pessoas que convivem com vocês. Todos esses comportamentos refletirão na aprendizagem do seu filho.

Afinal, não adianta querer que o seu filho saiba lidar com a frustração e com a raiva, se você ficar revoltado e agressivo quando algo não der muito certo, não acha?

Publicidade

2- Educando filhos emocionalmente inteligentes: Dê atenção ao que o seu filho tem a dizer

Outro ponto muito frisado quando pensamos em pessoas que estão educando filhos emocionalmente inteligentes é com relação à ouvir o que eles têm a dizer.

Às vezes, a rotina corrida e o cansaço do trabalho podem fazer com que você não dê a devida atenção ao que o seu filho está dizendo. Porém, esse é um equívoco que pode abalar emocionalmente uma criança.

Educando filhos emocionalmente inteligentes

Educando filhos emocionalmente inteligentes. Foto: Freepik

Isso porque essa ação de ignorar o pequeno pode provocar falta de autoconfiança e baixa autoestima, devido a sensação de que o que é dito, é pouco importante.

Sendo assim, procure sempre dar atenção ao que o seu filho tem a dizer, mesmo que sejam coisas “pequenas”. Afinal, o diálogo dele é de acordo com a idade, portanto, precisamos respeitar isso, não acha?

Leia também: Criança de 4 anos: desenvolvimento e educação

Publicidade

3- Educando filhos emocionalmente inteligentes: Incentive as conversas sobre as emoções

Conversar sobre as emoções também podem ajudar o pequeno a aprender mais sobre elas. E você não precisa falar sobre emoções apenas quando ele está triste, bravo ou irritado. Mas sim, pode também trabalhar as emoções positivas, para que ele também saiba reconhecê-las.

Aqui, as brincadeiras e as atividades lúdicas podem ajudar na hora de a criança externalizar o que está sentindo. Por exemplo, brincando de boneca.

4- Ajude o seu filho a se expressar por caminhos diferentes

Seguindo o gancho do que foi dito acima, uma forma de educar filhos emocionalmente inteligentes é através das artes, dança, música e esporte. Essas atividades poderão ser um bom escape para as mais diversas emoções.

Incentive seu filho nesse sentido, mas lembre-se de que o incentivo não deve ser “obrigação”. Afinal, forçar o filho a fazer algum esporte ou a filha a fazer aula de dança apenas gerará uma carga emocional negativa, e não um aprendizado.

Educando filhos emocionalmente inteligentes

Família feliz beijando a filha. Foto: Freepik

5- NUNCA mande o seu filho “engolir o choro” ou “parar de drama”

Sabe aqueles momentos em que você se sente irritado com o choro e as “lamentações” do seu filho? Pois bem, esse é um dos momentos que muitos pais cometem erros quando estão educando filhos emocionalmente inteligentes!

Afinal, é bem fácil perder a paciência e mandar a criança engolir o choro… Só que essa ação pode prejudicar – e muito – o desenvolvimento emocional dela.

Portanto, evite falar esse tipo de coisa para a criança e faça-a sempre entender que você compreende que ela está brava e triste, mas que mesmo assim o comportamento dela foi inadequado (e não a emoção). Ou seja, se o seu filho está chorando porque você chamou a atenção dele depois de uma briga com um colega, diga que entende a frustração, mas que o comportamento de brigar é inadequado.

6- Estimule a empatia do seu filho

Estimular a empatia também é uma forma de saber se você está educando filhos emocionalmente inteligentes. Através da empatia nós podemos ter um conhecimento maior sobre as emoções alheias e as nossas próprias e, por isso, essa ação pode ser muito eficiente.

Existem diversas maneiras de trabalhar a empatia com as crianças, como por exemplo:

  • Através de filmes e desenhos educativos que retratem a empatia;
  • Histórias infantis sobre o tema;
  • Com a adoção de um pet;
  • Conversando sobre as emoções das outras pessoas;
  • Etc.

Veja mais: Educação socioemocional – Dicas para trabalhar em casa

7- Transmita experiências quando as emoções do seu filho aflorarem

Sabe aqueles momentos em que a criança se sente frustrada, triste ou com alguma outra emoção muito aflorada? Então… Esse é um bom momento para transmitir conhecimentos valiosos!

Educando filhos emocionalmente inteligentes. Foto: Freepik

Você pode contar uma história sobre algo que fez com que você se sentisse de forma semelhante, e o que você fez para lidar com isso. Lembre-se de que é preciso ser sincero e não fique inventando soluções mágicas, ok? Às vezes, dizer que “chorar ajuda” é mais interessante do que dizer que “o papai Noel disse para a criança não ficar triste”.

8- Ajude a criança a pôr os sentimentos em palavras

Quando seu filho estiver externalizando um sentimento de uma forma, digamos, “truncada”, ajude-o a colocá-lo em palavras. Por exemplo, se ele está muito irritado, chorando alto e gritando por isso, tente acalmá-lo questionando-o sobre o que está sendo sentido.

À medida que ele põe em palavras o que sente, poderá se aliviar das tensões internas e compreenderá melhor o que acontece em sua volta.

Leia também: Educação socioemocional nas escolas – O que é e como funciona?

Psicóloga analisando desenho da menina. Foto: Freepik

9- Educando filhos emocionalmente inteligentes: Ajude o seu filho a entender o “poder” que ele tem sobre o que sente

Mostre ao seu filho que ele é mais forte do que imagina! Mas não tente convencê-lo de que as emoções são pequenas, ok? Elas precisam ser vistas em sua verdadeira grandiosidade. Entretanto, você pode deixar claro que seu filho também pode controlar o que sente – pelo menos em partes.

Isso dará mais autoconfiança e o ajudará a lidar melhor com as sensações que as emoções intensas provocam.

Menina feliz com expressão de surpresa. Foto: Freepik

Em casos específicos, a psicoterapia infantil pode ajudar

Se você perceber que o seu filho tem tido muita dificuldade para expressar as emoções, você poderá cogitar a psicoterapia infantil como um bom suporte. É através dela que o seu filho poderá expressar livremente o que sente e, com o auxílio profissional, poderá compreender melhor as suas próprias emoções. Pense sobre isso!

Leia agora: Pais que participam da educação dos filhos criam adultos mais bem-sucedidos e felizes