4 erros que você não pode cometer no quarto do bebê

Por 1 Comentário


Sem dúvida, uma das fases que os pais mais curtem durante a espera do filhote é a de organizar o quarto do bebê. São muitas as inspirações para montar um cantinho perfeito, e a vontade de muitas mães é utiliza-las todas de uma vez (cada coisa linda, não é verdade?)! Mas é fundamental pensar no que fazer para manter a organização e a funcionalidade do ambiente, bem como evitar os maiores erros que pais de primeira viagem costumam cometer ao planeja-lo.

Por isso o post de hoje veio para mostrar exatamente isso: 4 erros que você não pode cometer no quarto do bebê. Você verá como é necessário prestar atenção aos detalhes, porque eles podem fazer toda a diferença ao usar o dia a dia do espaço com um recém-nascido. 

Imagem: 123RF

Não faça tudo sozinho: arquitetos e lojas especializadas em quartos de bebê são boas referências para procurar uma consultoria sobre a decoração do quarto. Mesmo que você não esteja pensando em fazer um projeto profissional para o quarto da criança, vale a pena conversar com pessoas da área, ou pelo menos pesquisar com antecedência a disposição mais adequada dos móveis. Cuidado também com prateleiras sobre o trocador (pois em poucos meses seu bebê poderá bater a cabeça ao ficar sentado), berço distante da porta de acesso ao quarto (o ideal é que você veja o bebê assim que entre no cômodo), mesinhas de apoio sem estabilidade (que podem virar e cair quando seu filho começar a engatinhar), objetos que possam quebrar na altura de um bebê que fica em pé.

Evite acúmulos: seu bebê provavelmente ganhará uma série de presentes antes de nascer, entre eles vários brinquedos. É importante que você pense com antecedência em destinar um cantinho do quarto só para esses objetos, pois, se ficarem espalhados, podem atrapalhar (e muito!). Lembre-se de que você circulará o dia todo pelo quarto com uma criança no colo (muitas vezes morta de cansaço!), portanto o ambiente precisa ter uma boa área de circulação, sem interferências. Armários e prateleiras suspensas podem ser boas saídas para guardar esses objetos ou, se você preferir um quarto montessoriano, prefira deixa-los em um baú (local baixo ao qual seu filho terá acesso sozinho – um dos princípios da linha montessoriana). Outro detalhe: se o brinquedo for de uma fase que demorará para chegar (por exemplo, acima de 1 ano), não adianta deixa-lo à mão. Suba-os para a parte superior do armário, ou mesmo guarde em outro cômodo da casa, até que seu filho possa brincar com eles. O mesmo vale para as roupinhas maiores que lotam sem necessidade a cômoda e áreas de mais fácil acesso do guarda-roupa (veja aqui).

Não misture muitas cores: alguns pais curtem pintar as paredes do quarto do bebê. Essa é uma ideia realmente muito bacana, mas é importante não se empolgar! Lembre que brinquedos infantis, que vão constituir boa parte da decoração, geralmente são bem coloridos, por isso a mistura desses tons aos do ambiente pode fazer com que os pais enjoem rapidamente do quarto. Uma outra alternativa, se você realmente quiser cor nas paredes, é optar por objetos de decoração e móveis neutros, pois dessa forma certamente haverá harmonia. Você passará horas com seu filho no quartinho dele, então um toque “clean” sempre faz sentido.

Veja também: A influência da cor no quarto do seu filho

Vá com calma nos tons vibrantes: ao invés dos tradicionais tons pastéis, alguns pais preferem cores vibrantes para decorar o quarto do bebê. Assim como o restante da casa, esse cantinho é um reflexo da personalidade da família – assim é natural que as preferências dos pais fiquem em primeiro lugar na escolha da decoração. Contudo, é importante também lembrar-se de quem vai habitar esse quarto: uma criança pequena, que ainda está se desenvolvendo e descobrindo o mundo. Como cores vibrantes são muito estimulantes para os bebês, por isso é interessante não decorar todo o quarto com esses tons. A combinação de cores neutras e alguns detalhes em tons vibrantes (como na roupa de cama do berço, ou almofadas) pode ser uma saída mais equilibrada. 

Cuidados como esses evitam que você tenha novos gastos depois de pouco tempo, trocando móveis e outros elementos da decoração. E quando um bebê nasce, toda economia é bem-vinda, concorda?


 



Arquivado em: Coisas de casaDecoração Tags:

Comentários (1)

Trackback URL

  1. Hellen disse:

    Perfeito este artigo! Infelizmente muitas pessoas acabam pagando caro justamente por acreditarem que o planejamento na verdade é sinônimo de economia!Nada mais sábio que entregar a função de planejar a quem se dedicou tanto tempo e estudo para isso não é mesmo, como um arquiteto! Se não pode contratar um, vale pesquisar, se informar a respeito, isso já agregará muito valor ao ambiente!

Deixe seu comentário