Você e seu bebê receberam alta da maternidade e finalmente chegaram em casa. Que alegria! Depois de muitos meses imaginando como seria, finalmente você começa a vivenciar a maternidade.

Não se passam muitas horas até que você descubra a verdade como ela é: bebês choram, e muito! Choram porque estão com fome, porque não arrotaram direito, porque estão com frio ou com calor, porque estão exaustos e querem dormir… Enfim, bebês choram muitas vezes enquanto estão acordados. E aí vem a dúvida: será que posso dar uma chupeta para acalmá-lo?
Profissionalmente (para aqueles que não sabem, sou dentista formada pela USP e especialista em ortodontia, então me sinto confortável em emitir uma opinião científica sobre o assunto), sempre fui a favor da chupeta. É claro que sendo usada como deve ser: limitando-se aos momentos em que o bebê precisa realmente ser acalmado (e não dia e noite na boca do pequeno) e sendo retirada até no máximo os 3 anos. Até essa idade possíveis alterações da arcada dentária que ocorreram pelo uso da chupeta são reversíveis, apenas com a remoção do acessório. Outro ponto importante, já conhecido pela maioria das mães (mas não custa repetir), é escolher uma chupeta ortodôntica, bem menos nociva aos dentes (e, portanto, também à fala, pois uma arcada dentária distorcida também levará a problemas fonoaudiológicos) do que a convencional redondinha. E ainda tem mais: mil vezes o bebê chupar a chupeta, que é um acessório retirado pelos pais, do que o dedo (esse sim, um hábito bem difícil de ser removido).
Como mãe minha opinião sobre a chupeta é ainda mais favorável. Catarina praticamente não chupou chupeta, e não foi por falta de tentativa da minha parte. Comprei várias marcas, modelos, tamanhos, e nada! Ela arrancava com raiva a chupeta da boca e jogava longe. Queria mesmo o peito ou a mamadeira. Conclusão: eu tinha um bebê que nos primeiros meses chorava muito, muito mesmo, bem mais do que a média dos bebês cujo crescimento eu acompanhei. Olha, é quase enlouquecedor, porque acalmar o bebê sem chupeta é tarefa sobre-humana! 
Como conclusão, fica aqui um resumo dos prós e contras do uso da chupeta, porque só você mesma poderá decidir o que é melhor para o seu filho:
Prós:
– Supre a necessidade de sucção que o bebê, principalmente até os dois anos, apresenta. E convenhamos que é cada vez mais difícil colocar o peito à disposição do bebê 24 horas por dia, durante dois anos (no caso da Catarina, ela mamava enlouquecidamente, e regurgitava bastante depois. Aí chorava de novo).
– Acalma o bebê, propicia conforto em momentos de cólica.
– Facilita que o bebê pegue no sono (lembre-se de que um bebê que não dorme é um bebê estressado; e era exatamente isso o que acontecia com a Catarina).
– Se bem usada, é menos nociva do que a sucção prolongada do dedo (lembrando que nos primeiros meses  todos os bebês sugam um pouco o dedo, sem que isso seja um problema. O ruim é quando isso se torna um hábito recorrente que se estende por anos).
Contras:
– Seu uso além da idade limite e por longos períodos durante o dia e à noite levam a alterações de mordida.
– Alguns pediatras acreditam que desestimula a aleitamento materno, pois o bebê poderia largar o peito ao experimentar outro bico. Pessoalmente não conheço nenhuma mãe com que tenha conversado que tenha relatado isso. Mas não custa ficar atenta e remover a chupeta, se você desconfiar que isso possa estar acontecendo.
– Poderia estar relacionada à maior ocorrência de otites. Pergunte ao seu pediatra se ele acredita nisso ou não, pois ainda é uma questão bastante discutida na pediatria.
E você, deu chupeta ao seu bebê? Coloque um comentário contando sua experiência! Com certeza ajuda bastante as novas mamães a tomarem sua decisão!
Quer ler outros posts sobre chupeta? Clique aqui!