Um dos sintomas mais famosos da gravidez é o enjoo matinal. Mas, para algumas mulheres, ele não acontece como esperado. Cerca de 2% das gestantes sofrem com a síndrome da hiperêmese gravídica, o excesso de vômito de uma forma violenta que impossibilita muitas vezes a retomada da rotina e uma alimentação equilibrada. 

Além dessas privações, a condição pode ser responsável por problemas psicológicos e físicos durante a gestação. Entenda a seguir. 

 

A diferença do enjôo padrão e da hiperêmese gravídica 

Cerca de 70% das gestantes terão os famosos enjoos, normalmente de maneira espontânea até a 20ª semana de gravidez. O nome clínico para as náuseas e os vômitos dentro do esperado é êmese gravídica e a causa costuma ser a mudança hormonal. 

Publicidade

Já no caso da hiperêmese, os vômitos impedem até mesmo que pequenas refeições sejam feitas, e costuma levar a quadros de desidratação, pressão baixa, fraqueza, tontura, emagrecimento e taquicardia. 

O diagnóstico é clínico, então é importante estar atenta aos enjoos, sua periodicidade e suas consequências, além de manter as consultas com o médico de sua confiança. 

As consequências da síndrome 

A hiperêmese não está ligada diretamente à morte materna, mas pode, sim, causar diversos problemas na mãe e no bebê até o puerpério. O corpo é afetado pela desnutrição e a desidratação que podem afetar a idade gestacional do bebê ou até resultar em um parto prematuro. 

Já a mãe, pode ter mais tendência a desenvolver sentimentos de culpa, ideação suicida, e perda de identidade por causa da fadiga causada pelo excesso de enjoo, vômitos e privação de vida social, interação, alimentação e qualidade de vida. Segundo o Portal de Medicina PebMed, cerca de 20% das mulheres que sofreram com a hiperêmese gravídica durante a gestação podem desenvolver estresse pós-traumático no puerpério. 

A causa da hiperêmese e o tratamento 

Mulher grávida segurando uma maçã e uma fatia de pizza. Foto: Freepik

O porquê da síndrome ainda é uma incógnita. Grande parte dos médicos acreditam ter um fator genético envolvido na condição. Por isso, também não há recomendações específicas para prevenir o excesso de enjoos. A reação muda de gestação para gestação e depende muito da resposta do corpo às alterações hormonais

Publicidade

Entre o tratamento, inclui uma dieta com menos alimentos gordurosos, hidratação intravenosa, uso de medicamentos prescritos por um médico autorizado e apoio psicológico. 

Se você faz parte dos 2%, não desanime! Algumas celebridades como Tatá Werneck, Fernanda Lima e Gabi Brandt compartilharam suas experiências na internet com bastante bom-humor!