Eu me lembro que, durante a amamentação de Catarina, tinha diversas dúvidas sobre o que podia ou não comer. Será que comer feijão causa cólicas? E amendoim? E café, será que deixaria a pequena mais alerta? Nós ouvimos tantas coisas, relatos de outras mães dizendo que isso pode, aquilo não, que é difícil saber o que seguir.

Por isso resolvi falar sobre o assunto nesse post, separando 7 dicas de alimentação saudável para quem está amamentando. E se você tiver algum relato pessoal, algo que comeu e que deu cólica no bebê, ou que bebeu e achou positivo para a amamentação, conte nos comentários! O bacana é reunir o conhecimento de muitas mães aqui!

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

1) Hidrate-se: principalmente durante o período em que você estiver amamentando seu filho, tome muita água! Além de hidratar o corpo, este hábito também ajuda na produção de leite. Então, tenha sempre por perto uma garrafinha de água mineral (eu já deixava na mesinha de apoio, ao lado da cadeira de amamentação, e a enchia novamente a cada mamada)!

Publicidade

2) Fique longe do café e do álcool: eles não são indicados para as lactantes, pois essas substâncias podem passar através da corrente sanguínea para o leite, chegando até o bebê. O ideal é ficar longe da cafeína e das bebidas alcoólicas durante a amamentação, assim como da nicotina. Alguns obstetras liberam uma xícara pequena de café por dia (há quem diga que isso faz o bebê ficar mais alerta, então eu decidi não arriscar – afinal, Catarina já dormia tão mal!), e outros ainda permitem uma taça de bebida muito esporadicamente (nesse caso, o ideal é que você ordenhe a mamada seguinte, para eliminar o que restou de álcool em seu sangue, para aí sim dar o peito ao filhote). Mas como as recomendações variam de profissional para profissional, o ideal é discutir o assunto diretamente com aquele que faz seu acompanhamento. Ah, e aquela velha história de que cerveja preta aumenta o leite, você conhece? Pois cientificamente não há nada comprovado – minha opinião própria (de quem só observou as amigas, porque eu mesma não tomei) é que a produção do leite pode até aumentar, mas simplesmente porque a mãe ficou mais tranquila!

3) Atenção aos alimentos que podem causar cólicas: essa é uma questão que gera controvérsia entre os médicos. Alguns acreditam que não há relação entre a cólica do bebê e o consumo de determinados alimentos; já outros dizem que isso tem fundamento, sim (eu me lembro que na própria maternidade me orientaram a não comer chocolate, por exemplo). Mas além de seguir as orientações do obstetra, toda mãe deve sempre ficar de olho na dieta, para ver seus efeitos na prática. Percebeu que quando você come algo específico, seu filho fica com cólicas? Então, retire temporariamente essa comida do seu cardápio e faça o teste novamente em algumas semanas (o pequeno teve cólica novamente? Então esqueça essa comidinha enquanto estiver amamentando!). De qualquer forma, alimentos como feijão, brócolis, repolho, chocolate, comidas picantes podem causar cólicas no pequeno. Perceba se isso aconteça com o seu bebê quando você os consome!

4) Tenha uma alimentação equilibrada: alimentar-se corretamente é importante, para garantir os nutrientes necessários para a mãe e o bebê e também para ajudar na produção de leite. Consuma carboidratos, proteínas, legumes e verduras, frutas. Evite doces e alimentos muito gordurosos (mas estão liberados aqueles com gordura “boa”, como o salmão e o abacate – aliás, nesse post aqui, eu contei que essa pode ser uma boa maneira de aumentar a quantidade de leite).

5) Jamais faça dieta nesse período: não é indicado fazer dieta enquanto você estiver amamentando. Lembre-se de que você precisa estar saudável para produzir mais leite. Aposte em uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes – a recomendação é que as lactantes consumam cerca de 2500 calorias por dia. E não se preocupe: naturalmente a amamentação já é uma boa forma de perder peso, pois o gasto calórico do corpo da mãe é imenso!

6) Evite alimentos industrializados: eles são cheios de corantes e produtos químicos maléficos, por isso, consuma alimentos caseiros, frescos e naturais. Essa regra também vale para as frutas, legumes e verduras: sempre que puder, prefira os orgânicos. Os outros, comuns, possuem alto índice de agrotóxico e podem ser prejudiciais para a mãe e o bebê (o morango é um dos campeões em agrotóxicos, sabia?).

7) Se achar necessário, procure um nutricionista: se você é vegetariana, tem alguma carência nutricional ou está com dificuldade de se alimentar de forma equilibrada, não hesite em procurar um profissional especializado. Ele a ajudará com suas dúvidas e nas montagens de cardápios.

Publicidade