Há pouco tempo, eu comentei aqui no blog sobre a melhor forma de escovar os dentes dos pequenos, lembra? E aconteceu que muitas leitoras entraram em contato, pedindo dicas para convencer os filhotes a encarar a escovação. Elas diziam: “puxa, super legal, agora eu entendo qual é a técnica que devo usar; mas o mais complicado aqui em casa é que meu filho detesta a escova”. Pois é, pode acontecer e é relativamente comum. Por isso, como prometido, hoje eu conto alguns truques que podem ajudar. Tente e depois me conta o resultado, ok?

1) Comece desde pequeno. 

Como já falei algumas vezes aqui no blog, a higiene da boca deve começar antes mesmo dos dentinhos nascerem (primeiro com uma fralda de pano embebida em água, depois com uma dedeira, passando finalmente para a escovinha). Assim o bebê vai se acostumando que aquilo faz parte da sua higiene diária. Lógico que ele pode gostar ou não (assim como há bebês que não gostam de trocar a fralda), mas começa a entender o processo.

Publicidade

 

2) Envolva seu filho na higiene da boca.

Conforme o tempo passa, o filhote pode ser lentamente envolvido na escovação. Deixe-o pegar na escova e colocá-la na boca (fique ao lado e se necessário ajude, para que ele não a leve até a garganta. Existem também escovas com limitadores, que impedem que o bebê a coloque até o fundo da boca). Ele irá mordê-la, é assim mesmo. Escove seus dentes perto dele, e deixe que ele tenta imitá-la. Ele vai achar a maior graça, e ao final você faz uma escovação mais caprichada.

Por volta dos dois anos, seu filho poderá contrariá-la em tudo o que você quiser que ele faça (aqui em casa aconteceu), inclusive em escovar os dentes. Nessa hora, leve-o para escolher a escova, o creme dental, o fio dental… Sentindo que tomou a decisão da compra, pode ser que ele se anime a escovar os dentinhos.

 

3) Respeite os gostos do seu filho

Publicidade

Aqui em casa, por exemplo, Catarina detestava usar creme dental. Nos primeiros meses, ele não é necessário (você pode até usar, desde que seja uma marca sem flúor), por isso eu só escovava seus dentinhos com a escova. Conheço outros bebês que também não gostam de pasta de dente (e se estão na fase em que ela é desnecessária, para que insistir?), assim como outros que só escovam se houver creme dental na escova. Procure descobrir como seu filho se sente melhor, pois será meio caminho andado para que ele aceite a escovação.

 

4) Transforme o momento da escovação em brincadeira

Criança adora brincar, e faz de tudo para não ser interrompida na brincadeira. É, ou não é? Imagine que ele está correndo pela casa, fingindo que é um super-herói em sua última missão. Aí você fala: “filho, vem escovar os dentes agora”. Sabe o que vai acontecer? Primeiro, ele simplesmente ignora seu chamado. Depois que você insistir pela décima vez, ele foge pela casa (e pegar um super-herói não é tarefa das mais fáceis, então boa sorte!). Finalmente, quando você conseguir alcançá-lo, começará a choradeira. Isso tudo porque ele não queria parar de brincar!

Agora imagine que você entra na brincadeira: “Homem Aranha, preciso da sua ajuda! Tem um monstro lá no banheiro, e a única forma de salvarmos a Terra é chegarmos à chave mágica (no caso, a escova de dentes) que abrirá o portal, para que ele volte para o seu mundo”. Concorda que a chance do filhote colaborar aumenta em 1000%?

Quando Catarina era mais nova e não queria escovar os dentes, eu inventava que seu personagem favorito estava no meio dos seus dentes, brincando de esconde-esconde. Ou começava a contar uma história muito maluca (e enquanto ela prestava atenção no que eu estava falando, eu escovava seus dentes). Se você adotar essa tática, fale rápido, não dê tempo para que o cérebro do filhote se distraia!

Publicidade

 

5) Explique o que acontece quando ele não escova os dentes

Sim, as crianças entendem, e como! Se você disser que os dentes vão doer, que os bichinhos que moram na boca vão estragá-los e que os dentes vão ficar feios, juro que os filhotes compreendem. Eu já contava essa história para Catarina antes de seu primeiro aniversário, e hoje ela sabe muito bem reproduzi-la. Vale também pedir a ajuda do odontopediatra (na época em que eu clinicava, muitos pais relatavam que os filhos tinham mudado seu comportamento depois das conversas que tínhamos no consultório). Às vezes essa ajuda externa é importante, pois eles reconhecem a autoridade do dentista (é impressionante!).

 

6) Escovar os dentes não é opcional

Aqui em casa, Catarina sabe: tem que escovar os dentes e fim de papo. Não tem o “hoje eu não quero”, ou o “estou cansada, deixa para amanhã”. Se abrir mão da escovação virar um hábito, será mais difícil retomar a higiene diária. Aí vocês me perguntam: “mas nunca, nunquinha, sua filha pulou um horário de escovação?”. Caras leitoras, vocês sabem que eu sou sincera: sim, já houve vezes em que isso aconteceu. Mas elas foram raríssimas, e não porque a filhotinha se negou (aconteceu, por exemplo, dela dormir antes da hora). O que não pode é deixar a fuga da escova virar rotina.

 

Agora me conta, você tem uma dica infalível para fazer o filhote escovar os dentes? Compartilhe com a gente, deixe seu comentário!