Dicas para você escolher um peixe para o seu filho (nós estamos curtindo muito!)

Por 2 Comentários


Seu filho já te pediu um bichinho de estimação? Aqui, por um bom tempo, Catarina fez esse pedido – que, aliás, é muito comum entre os pequenos. Mas como fazer, se viajamos com um frequência relativamente alta? Um cachorro, um gato não caberiam na dinâmica da nossa família no momento (não poderíamos leva-los a muito lugares, e não queríamos terceirizar a tarefa do cuidado a avós ou outras pessoas), e a solução foi recorrer a um peixinho beta, o nosso Johnny!

Claro que um peixe não traz o mesmo grau de interação de um mamífero, mas ele pode ser o animal ideal para algumas famílias, que estão na mesma situação (ou que têm pouco espaço em casa). Por aqui a experiência tem sido muito bacana: descobri que nosso peixe é capaz de seguir dedos deslizantes no vidro no aquário, que seu jeito de comer é muito bonitinho, e que ele é até temperamental: certa madrugada, quando acendi a luz e ele dormia encostado no fundo, junto às pedrinhas, irritou-se com minha presença e foi dormir dentro de seu castelinho. Um claro aviso de: “me deixa dormir! Agora não quero papo!”.

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

Alguns desses animais exigem mais cuidados (como água com aquecedor, filtros de oxigênio, aquários grandes, etc), mas outros podem ser criados de maneira simples na água doce. Conheça algumas dessas espécies (cujo tempo de vida pode variar entre dois e dez anos!) e, a seguir, uma dica importante para a hora da compra:

 

Beta

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

Essa foi a espécie que escolhemos para a Catarina, por ser um dos mais fáceis de se criar. O peixinho beta chama a atenção pelas cores e pelas barbatanas longas e brilhantes – ele é, de fato, um peixe bem bonito! Além dos cuidados básicos de alimentação e troca de água, uma característica muito importante é que dois betas machos não podem ser colocados no mesmo aquário – do contrário eles brigam, pois são muito territorialistas (e o combate só termina quando um morre!). Fêmeas juntas também tendem a brigar, por isso o ideal é criar uma só, ou então em número ímpar (para que uma não queira mostrar domínio sobre as outras).

 

Goldfish

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

O Goldfish (ou peixinho dourado) também é fácil de ser criado, mas a água do aquário precisa ser trocada com maior frequência, porque é um animal mais “bagunceiro”. Outro cuidado é que, se você quiser que ele divida o aquário com outros peixes, o ideal é que sejam da mesma espécie, pois são animais de ritmo mais lento (inclusive para se alimentar; e, morando com peixinhos mais ligeiros, o goldfish pode ficar sem comer e acabar desnutrido).

 

Tetra

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

Se a ideia for criar vários peixes juntos, os tetras podem ser uma boa alternativa. O corpo prata e as nadadeiras vermelhas são as principais características desses animais (embora as cores possam variar de acordo com a região). Muito ativos, esses peixes pequenos nadam rapidamente e são bastante resistentes, podendo chegar a viver 10 anos.

 

Neon chinês

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

Assim como o tetra, o neon chinês (também chamado de white cloud mountain) é mais um peixe pequeno que se dá bem vivendo em grupos (geralmente são vendidos em conjunto, e ficam melhor assim). A principal característica da espécie é suportar baixas temperaturas (até 15°C eles ficam bem!) e vivem relativamente bastante, até cinco anos.

 

Preste atenção na compra

Quando for a uma loja adquirir um peixe, tenha o cuidado de analisar como está a condição do aquário em que os animais estão, se os peixinhos não estão com as barbatanas machucadas, se estão ativos (e não escondidos, ou muito na superfície, se movimentando pouco), sem inchaços nos olhos, etc. Alguns desses sinais podem indicar doenças, que diminuiriam a vida do seu bichinho (e nada mais triste do que perde-lo depois de pouco tempo, não é mesmo?).

No momento da compra, também não deixe de tirar todas as suas dúvidas com o aquarista sobre como cuidar do pet (com certos cuidados, algumas espécies podem viver até 10 anos dentro do aquário). Pergunte a quantidade de comida a ser dada, como você deve proceder se precisar se ausentar por um fim de semana, com que frequência o aquário deve ser lavado, se há a necessidade de um aquecedor para manter a temperatura da água constante. E lembre-se: apesar de serem animais pequenos e de pouca interação (diferente de um cachorro, por exemplo), os peixes exigem responsabilidade da família para que vivam bem. Esse é um grande aprendizado para as crianças!




Arquivado em: Diversão Tags:

Comentários (2)

Trackback URL

  1. Ana Christensen disse:

    São necessários alguns cuidados especiais porque o peixe Betta tem o hábito de pular fora do aquário (chamam isso de suicídio)e, se acontecer quando não houver alguém observando ele pode morrer.
    Outro item é que ele gosta de comer carne em pequenos pedacinhos ou até insetos.

    • Nívea Salgado disse:

      Essas questão do pulo eu conhecia, Ana, tanto que meu aquário tem tampa, e morro de medo de que ele pule nas trocas de água do aquário. Mas sobre a carne e os insetos eu não sabia! Obrigada por compartilhar!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail