Por que acho bacana minha filha comemorar o Halloween (mesmo estando no Brasil)

Por 1 Comentário


Outro dia uma conhecida me parou para perguntar se eu achava uma boa ideia comemorar o Halloween. Afinal estamos no Brasil, e essa festa não faz parte da nossa cultura. “Já parou para pensar que você não festeja saci, cuca, mas acabou adotando uma data que vem dos EUA como sua?”. Se você tem a mesma dúvida, no post de hoje eu explico por que eu acho muito bacana entrar no clima, e por que fico feliz que a Cacá se divirta em meio a monstros e abóboras.

Lembro-me bem que na minha infância não havia esse tipo de comemoração em minha casa  – aliás, me dei conta disso quando Catarina perguntou sobre minhas memórias de Halloween. Nunca passei pela experiência de me fantasiar de bruxa, e minha única lembrança dessa festa não é minha – eu me recordo que minhas irmãs foram passar alguns dias em Orlando, quando éramos pequenas, e acharam o máximo passar de casa em casa pedindo docinhos. Como eu tinha ficado no Brasil, não passei nem perto dos doces e travessuras.

Imagem: arquivo pessoal. A reprodução não está autorizada.

O Halloween acabou entrando na minha vida recentemente, depois que Cacá nasceu. Com o acesso a internet, sites estrangeiros, e a tal da globalização, as distâncias ficaram pequenas, e as festas do outro lado do mundo passaram a acontecer aqui também.

Cá entre nós, para mim o Halloween tem cara do Carnaval da nossa infância: cheio de fantasias e crianças brincando animadas. É como se pairasse no ar uma animação fora do comum, acompanhada pela alegria de ganhar chocolates, balas, e as gostosuras que toda criança gosta. É açúcar puro? É sim, um monte de porcarias. Mas para mim o grande problema está em se comer isso no dia a dia (um dia por ano não deixa ninguém diabético ou obeso, mas admito que haja mães que pensem de forma diferente. Claro que só liberei para Cacá comer quando ela não era mais bebê, e já tinha uma alimentação com mais “flexibilidade”, digamos assim).

Sinceramente, gosto muito mais hoje do Halloween do que do nosso Carnaval. Vejo muito mais graça em ser mostro, vampiro, bruxinha, múmia do que em cantar aquelas músicas da época dos nossos pais (juro que não aguento mais ouvir “Cabeleira do Zezé”), nem assistir a mulherada quase sem roupa sambando na Sapucaí.

Gosto, sim, que a Cacá se divirta como monstrinha. Porque além da diversão, vejo que esse universo relacionado ao terror acaba sendo desmistificado com a criançada. Assim, alguns medos que eles tinham acabam indo embora, porque ao se vestir como vampiro, ao ver o amiguinho vestido do mesmo jeito, a figura acaba ficando engraçada, e perde aquela aura de terror que a rondava.

Enfim, eu gosto mesmo da brincadeira. E mesmo que ela não seja genuinamente brasileira, que tenha sido herdada dos norte-americanos, eu me divirto nessa data. Adoro abrir a porta com máscara e surpreender as crianças com um visual bem monstruoso (os olhinhos ficam arregalados, mas em segundos eu viro a “tia” mais legal do prédio, sabia?).

E você, curte ou não o Halloween aí na sua casa? Me conta nos comentários!

 


 



Arquivado em: Festas Tags:

Comentários (1)

Trackback URL

  1. Josi disse:

    Tudo bem que eu adoraria que tivéssemos uma comemoração dos personagens de nosso folclore, mas não vejo mal algum (na verdade curto muito!) em comemorar o Halloween por aqui, e, como você, comecei a me dar conta de como essa comemoração é bem vinda, após o nascimento de minha primeira filha, que hoje está com 7 anos. Acho o maior barato, por aqui onde moro, as crianças da vizinhança se juntam, e todas saem fantasiadas, batendo em “algumas” casas a procura das guloseimas. É um momento de descontração, de socialização e de amizade muito gostoso, varias mães saem juntas, e costumamos já deixar avisado em algumas casas que bateremos por lá, as crianças amam estarem juntas e saírem fantasiadas. Adorei o post, e me identifiquei muito! Viva as festinhas entre amigos! Viva a amizade! Viva os momentos de união!

Deixe seu comentário