Afinal, quando a cesárea é realmente indicada?

Por 0 Comentários


Logo no começo do pré-natal, é muito importante que a futura mamãe se informe sobre os tipos de parto, para escolher por qual meio pretende dar à luz. Contudo, nem sempre parir de uma determinada forma é uma opção. Isso acontece em alguns casos específicos em que a cesárea acaba sendo indicada (às vezes emergencialmente), por algum fator que poderia impedir que a criança viesse ao mundo com saúde pela via natural, ou que a saúde da mãe fosse afetada durante o trabalho de parto.

Quer saber quais casos são esses? Então não deixe de conferir esse post, onde eu listo algumas das situações em que o parto por meio de cirurgia é altamente recomendado. Vale a pena se informar!

Imagem: 123RF

Minha história

Antes de contar quais são as indicações clássicas para a cesariana acontecer, quero compartilhar com vocês a minha história. Quando Catarina nasceu, eu estava pronta para o parto normal – resolvemos esperar o trabalho de parto se iniciar, mesmo correndo o risco de que ela nascesse no Natal.

Tudo ia muito bem, bebê encaixado, até que entrei em trabalho de parto com o rompimento da bolsa, durante a madrugada. Com bastante calma, seguimos para o hospital, e as contrações rítmicas começaram, mas sem a evolução da dilatação. Eu sabia que isso podia acontecer, porque havia ocorrido também com minha avó materna e minha mãe. Aliás, na época de minha avó as cesarianas não aconteciam, e ela teve dois partos naturais que levaram mais de 48 horas para acontecer, com fórceps. Já minha mãe não teve dilatação nas três filhas, o que resultou em três cesarianas.

Depois de seis horas de indução eu continuava com apenas 2cm de dilatação – foi quando meu obstetra sugeriu a cesárea e eu aceitei. Talvez conseguisse ter um parto normal se esperasse mais horas, até dias? Talvez. Mas não me arrependo da decisão, embora saiba que muitos não consideram esse motivo uma indicação de cesariana. Confiei na recomendação do meu médico, e acredito que ouvi-lo é sempre uma excelente alternativa.

O que faz a cesárea ser indicada?

A maior causa que leva à indicação da cesariana é a interferência na oxigenação do bebê.  Isso ocorre, por exemplo, quando a mulher tem a placenta prévia (ou seja, quando a placenta fica localizada na parte inferior do útero), ou ainda quando a mulher apresenta risco de rompimento do útero.

Este último caso pode acontecer quando a gestante já passou por uma cirurgia nessa região, como uma cesárea anterior. O que acontece é que a cicatriz da cirurgia forma um tecido fibroso que não estica – é como se ele puxasse uma região do útero, que começa a contrair. Forma-se então o chamado Anel de Bandel (é como se o útero ficasse dividido ao meio – o que é uma indicação de que vai romper). Vale salientar que esse caso é raro, mas acontece e indica uma cesárea urgente.

Se a mãe estiver ou for portadora de doenças como herpes genital ou AIDS, também pode ser indicada a cirurgia cesariana, mas é a equipe médica quem dará o parecer final.

Quer saber mais?

O Ministério da Saúde estabeleceu (e atualiza recentemente) diretrizes sobre quando a cesariana deve ser realmente indicada pelos médicos. O documento completo pode ser conferido aqui, e está dividido em casos em que o parto por meio de cirurgia é baixo, moderado ou altamente recomendado. Vale a pena se informar!

Mantenha a atenção no pré-natal

Para saber se a sua gravidez se encaixa em alguma particularidade que possa impedir o parto normal, o ideal, sempre, é conversar com o seu obstetra. E também se informar bastante, porque é dessa forma que você conseguirá explicar de forma mais clara sua vontade, e reconhecer as limitações do meio de nascimento que escolheu. Esse cuidado é essencial porque cada caso é diferente, e às vezes o que pode ter sido determinante para a sua amiga ter dado à luz por meio de cirurgia pode não ser para você.




Arquivado em: MaternidadeSaúde Tags:

Deixe seu comentário