Bebê prematuro: por que é importante que ele seja acompanhado por uma equipe de profissionais

Por 1 Comentário


Quando não se tem um bebê prematuro, é complexo imaginar o atendimento que ele precisa receber nos primeiros meses. Como o corpinho ainda não está completamente pronto, o pequeno pode demonstrar problemas nos olhinhos, no sistema auditivo, nos pulmões, entre muitos outros. E é preciso um número grande de profissionais para atendê-lo – uma equipe com formações que se completam para enxergar esse bebezinho da maneira mais ampla possível.

Decidi falar sobre esse assunto porque vejo que faltam informações para as mães de prematuros, que se sentem perdidas sobre o atendimento do filhote no pós-parto. Todo mundo sabe, por exemplo, que o bebê será atendido por um neonatologista (que se especializa nessa primeira etapa da vida, logo após o nascimento), mas nem todos os pais têm conhecimento, por exemplo, que o pequeno precisará passar por um neurologista pediátrico, um pneumologista, um oftalmologista (não são raras as necessidades de cirurgia ocular em prematuros), um fonoaudiólogo (que poderá avaliar dificuldades na deglutição – que está associada à amamentação e à alimentação -, possíveis perdas auditivas – que serão avaliadas e tratadas por um otorrinolaringologista, e problemas posteriores na fala).

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

Uma afirmação que é constante entre as mães de prematuros é que a enfermagem é uma espécie de grupo especial de anjos da guarda, que marcam as vidas dessas famílias. O laço entre os pais e os enfermeiros acaba sendo muito, muito grande, pois são eles os responsáveis pela rotina do bebê dentro do hospital, seguindo as prescrições médicas. E são eles também que acabam orientando a família quanto à amamentação, o uso de aparelhos, e os cuidados que serão necessários após a alta. Enfim, enfermeiros representam uma rede de suporte importantíssima para os pais que passam pela experiência da prematuridade.

Falando em apoio, é preciso destacar o trabalho dos psicólogos que acompanharão a família (se você tiver um bebê prematuro, não hesite em fazer um acompanhamento, pois muitas mães acabam se culpando pelo nascimento precoce do filho e o surgimento de sequelas. E não apenas os pais são atendidos, como também a criança, que pode precisar de ajuda para resolver algumas questões comportamentais durante seu desenvolvimento). E também de fisioterapeutas (importantíssimos! A fisioterapia é fundamental em alguns casos para o desenvolvimento da força muscular e da coordenação motora de um prematuro – o que se reflete em atos aparentemente simples, como pegar objetos, sentar, engatinhar, andar!), terapeutas ocupacionais (que podem ajudar na resolução de problemas de sociabilização), nutricionistas (que acompanharão o ganho de peso e a alimentação do pequeno) e assistentes sociais.

Mais uma informação que não é muito divulgada é que os bebês prematuros precisam de um acompanhamento constante, depois da saída do hospital (quem não passou pela experiência acha que quando ele tem alta, passa a ter o mesmo atendimento de saúde de um bebê nascido  termo, não é verdade? Mas as coisas não funcionam assim!). São necessários encontros mensais com a equipe multiprofissional durante seis meses, para que todo o desenvolvimento do pequenino seja avaliado – e se houver alguma alteração, o ideal é que ela seja detectada o mais precocemente possível, para que o tratamento seja iniciado e a chance de sequelas, diminuída. Depois essas visitas vão diminuindo em frequência, até que a vida toma um ritmo normal.

Espero que as informações desse post sejam um ponto de partida para as mamães que estão começando a enfrentar a prematuridade. Para saber mais, uma dica: acessem o site prematuro.com.br, que conta com um conteúdo de qualidade sobre o assunto (clique aqui para acessar). Se você tiver uma amiga ou conhecida passando por uma situação como essa, não deixe de compartilhar com ela!

selo




Arquivado em: PrematuroSaúde Tags:

Comentários (1)

Trackback URL

  1. Rachel Pinheiro disse:

    Como fisioterapeuta, acho importante falar da parte respiratória dos prematuros, que a depender da idade gestacional ao nascimento, pode estar bastante comprometida e merece todos os cuidados.

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail