Ômega 3 na gravidez e amamentação: saiba por que ele é tão importante!

Por 2 Comentários


Já comentei diversas vezes aqui no blog sobre a importância dos nutrientes para o desenvolvimento de nossos filhos. E os estudos mais recentes só confirmam aquilo de que já desconfiávamos há tempos: que a nutrição adequada começa ainda na vida intrauterina. Pense em seu primeiro ultrassom e naquele ser tão pequenininho se formando dentro de sua barriga. Não é mágico perceber que tudo o que você ingere será usado como matéria-prima para que ele cresça até o parto (e depois disso também, durante a fase de amamentação)?

Publieditorial_MilDicasdeMãe

Um dos nutrientes mais importantes para a formação do bebê é certamente o ácido graxo ômega 3. Isso porque ele atua no desenvolvimento do cérebro e da retina do feto, e ainda auxilia na diminuição do número de partos prematuros de origem espontânea. Além disso, o ômega 3 já se mostrou importante para a prevenção de alergias infantis.

O grande problema é que o nosso corpo não é capaz de produzir o ômega 3; por isso precisamos obtê-lo com a alimentação. Ele está presente em alimentos como nozes, sementes de linhaça, azeite de oliva e peixes (como o salmão). Mas pesquisas mostram que as mulheres, sobretudo as brasileiras, não ingerem a quantidade mínima necessária desse nutriente, e por isso torna-se importante sua suplementação durante a gestação e amamentação (principalmente de uma determinada fração do ômega 3, chamada de DHA, ou ácido decosahexanóico). Na Europa, por exemplo, a Comissão Europeia recomenda que a ingestão de ômega 3 DHA seja de, no mínimo, 200 mg ao dia para gestantes e lactantes (mulheres que estão amamentando). Assim, todos os benefícios que o nutriente traz para a formação do bebê estariam garantidos.

Quando a gestante não ingere a quantidade de ômega 3 DHA necessária apenas com sua alimentação, ela pode consegui-lo através de cápsulas, que fazem essa suplementação (sempre com a recomendação de seu médico, por isso eu recomendo que você converse com ele sobre o assunto). No Brasil existe o Proepa Gesta, que é considerado um alimento funcional do Laboratório Aché – são cápsulas gelatinosas com 500 mg de ômega 3 concentrado, sendo 250 mg de DHA, que o médico recomenda de 1 a 2 vezes por dia. A vantagem é que a cápsula do Proepa Gesta é pequenininha e fácil de engolir (nessa fase em que sentimos enjoo, uma característica muito importante!). Para ingerir a mesma quantidade com outras cápsulas de óleos de peixe, a gestante teria que engolir um número maior de cápsulas, com o dobro do tamanho (se você já está enjoando só em imaginar, já viu a dificuldade, não é?).

Agora que você já conhece os benefícios do ômega 3 para seu bebê, converse com seu obstetra para que ele avalie sua necessidade de suplementação durante a gravidez e amamentação. Afinal, tudo o que você quer é que seu bebê se desenvolva forte e saudável, não é mesmo?

selo




Arquivado em: PreparativosPublieditorial Tags:

Comentários (2)

Trackback URL

Sites que possuem links para este Post

  1. O desenvolvimento cognitivo do bebê e a ingestão de ômega 3 na gravidez : Mil dicas de mãe | 23 de junho de 2014
  1. CRISTIANE disse:

    Mas eu posso, na gravidez utilizar outro omega 3 que não seja o proepa?
    Porque fui comprar e não tinha e o farmacêutico me ofereceu e disse que era a mesma coisa, mas genérico.

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail