Você sabia que estudos mostram que, entre 15% e 25% das mulheres apresentam o útero retrovertido?

O útero é um órgão oco, com o formato aproximado de uma pera invertida. Localizado no interior da pelve (bacia), sua extremidade superior chama-se fundo.

útero retrovertido

útero retrovertido – Foto: Freepik

A porção inferior, mais estreita, em contato direto com a parte de cima da cavidade vaginal, recebe o nome de colo, cérvix ou cérvice. Entre uma e outra está o corpo do útero, o segmento mais dilatado de todo o sistema reprodutor feminino.

Publicidade

Constituído por espessa camada de musculatura lisa (miométrio), na maioria das mulheres, o fundo do útero se projeta para frente do abdômen flexionado sobre a bexiga urinária.

O que é útero retrovertido

útero

útero retrovertido – Foto: Freepik

Estudos mostram que, entre 15% e 25% das mulheres apresentam o útero retrovertido. Ou seja, o órgão está fletido para trás, com o fundo em forma de cúpula virado na direção da coluna vertebral e do reto.

O útero retrovertido não se trata de uma anomalia de forma, mas de posicionamento. Normalmente, o útero se posta na posição anteversa (inclinado para frente), mas algumas mulheres têm útero retroverso (inclinado para trás).

As malformações uterinas ocorrem quando da fusão dos ductos mullerianos, por volta da sexta semana do desenvolvimento embrionário.

  • Não deixe de conferir sobre o cisto de Naboth: quais as causas e consequências?

O que causa o útero retrovertido?

útero retrovertido

útero retrovertido – Foto: Freepik

Publicidade

Algumas mulheres podem ser portadoras de útero retrovertido (reverso, retroflexo, virado são outros nomes dessa condição) desde o nascimento.

Noutras, a retroversão pode ser adquirida nas seguintes circunstâncias: durante o parto (posição em geral transitória), pela flacidez dos ligamentos que fixam o útero à pelve ou a outros órgãos, pela presença de miomas ou de cicatrizes provocadas por focos da endometriose ou por infecções pélvicas.

O útero retrovertido pode ser móvel ou fixo. A diferença é que o útero invertido móvel pode mudar de posição por conta de algum fator como, por exemplo, durante o parto.

Enquanto a retroversão uterina fixa, como o próprio nome indicada, permanece no mesmo local indefinidamente.

O útero retrovertido, impede que a mulher engravide?

útero retrovertido

útero retrovertido – Foto: Freepik

Ao contrário do que muitos pensavam no passado, a retroversoflexão do útero não é responsável pela infertilidade feminina.

Publicidade

O útero invertido só dificulta a gravidez quando desencadeia quadros conhecidos por prejudicar a concepção natural, tais como:

Endometriose

Esta doença se caracteriza por um crescimento do revestimento interno do útero, que acontece fora do seu local original (na cavidade uterina), se espalhando para fora do órgão, podendo atingir o intestino, bexiga, trompas e ovários, causando dor e infertilidade.

Nas portadoras dessa doença, a chance de engravidar diminui de 36% para 12%.

Doença inflamatória pélvica (DIP)

Geralmente, ocorre quando bactérias sexualmente transmissíveis se propagam da vagina para o útero, as tubas uterinas ou os ovários.

Fibrose cística

A fibrose cística é uma doença conhecida para causar infecções frequentes do pulmão e problemas de respiração crônicos. Contudo, afeta órgãos e tecidos por todo o corpo, incluindo o sistema urogenital, e está mais ligada a infertilidade do homem do que da mulher.

mulher com dor

mulher com dor – Foto: Freepik

A retroversão do útero não impede que a mulher engravide e que a criança nasça por parto normal.

Também vale a pena destacar que a gravidez de uma mulher com útero reverso pode trazer mais desconforto à gestante do que naquelas com o útero normal.

Além de lidar com todas as mudanças que ocorrem naturalmente durante a gestação, a paciente poderá sentir dores durante a micção ou ao evacuar.

  • Não deixe de ler sobre mioma uterino: causas, sintomas e tratamento

Retroversão uterina x Endometriose

imagem de útero

imagem de útero – Foto: Freepik

A endometriose afeta cerca de 10% da população feminina brasileira, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), sendo mais frequente entre mulheres de 25 a 35 anos de idade.

A doença é causada por uma infecção ou lesão decorrente do acúmulo, em outras partes do corpo, das células que recobrem a parte interna do útero (o endométrio) e que são eliminadas com a menstruação.

Como as chamadas células endometriais são regularmente expelidas junto com o fluxo menstrual, seguem se acumulando fora da cavidade uterina, principalmente nas regiões da bexiga, ovários, tubas uterinas e intestino.

O útero retroverso está mais associado aos casos de endometriose, uma doença inflamatória crônica do tecido endometrial fora da cavidade uterina.

saúde da mulher

saúde da mulher – Foto: Freepik

Uma das hipóteses para explicar a endometriose é que parte do sangue menstrual que contém células do endométrio reflui através das trompas e se deposita em outros órgãos da cavidade abdominal e nos ovários.

É importante ressaltar que, além de poder desencadear o útero invertido, a endometriose também pode surgir por conta da reversão uterina.

Útero retrovertido não é doença. Pode indicar, apenas, uma posição anatômica natural que o órgão pode ocupar no corpo;

Condições como bexiga cheia e envelhecimento, entre outras, podem promover o deslocamento do útero sem causar nenhum problema para a saúde da mulher.

Não existe um protocolo único para o tratamento da retroversão uterina. As medidas terapêuticas variam conforme as peculiaridades de cada caso.

A retroversão uterina pode ser diagnosticada?

médica

médica – Foto: Freepik

A alteração no posicionamento do útero pode ser assintomática. Quando há sintomas, os mais comuns são:

  • Dor durante o ato sexual (dispareunia);
  • Dor durante a micção (disúria);
  • Cólicas menstruais fortes (dismenorreia);
  • Dor durante a evacuação (proctalgia);
  • Dor nas costas e na coluna lombar.

Uma vez levantada a hipótese de útero retroflexo, a ultrassonografia transvaginal é um exame útil que deve ser recomendado para confirmar o diagnóstico.

É necessário algum tratamento para útero retrovertido?

Ir ao ginecologista regularmente é um dos cuidados essenciais para a saúde de mulheres de praticamente todas as idades, pois ajuda a detectar doenças e evitar problemas futuros.

ultrassom

ultrassom – Foto: Freepik

Não havendo sintomas, o útero retrovertido não precisa de tratamento. Quando eles se manifestam, muitas vezes o problema é resolvido com a indicação de hormônios para regular o ciclo menstrual.

O importante, porém, é sempre identificar e tratar uma possível causa subjacente do transtorno, seja a endometriose ou os miomas, por exemplo.

A indicação de cirurgia para reposicionar o útero sobre a bexiga urinária na anteroversoflexão pode ser absolutamente desnecessária a não ser em casos específicos de acordo com a avaliação do médico ginecologista.

Um deles é a retroversão do útero ocorrer no início da gravidez provocando o aprisionamento ou encarceramento do útero na pequena pelve.