Agonia, verdade e dor. Prepare o lencinho para assistir Pieces of Woman! A produção original do Netflix, dirigida por Kornél Mundruczó conta a história de um jovem casal, ansioso pela chegada da primeira filha. 

A atriz principal, Martha, interpretada por Vanessa Kirby, decide por ter um parto normal, humanizado, em casa e com ajuda de uma doula. Entretanto, na noite que entra em trabalho de parto, a doula escolhida precisa terminar outro parto e manda uma substituta para atender Martha. São 20 minutos acompanhando as dores e o nervosismo de Martha, os enjoos, as contrações, as massagens. Porém, algo não está certo! E a tensão na cena começa a ficar maior. 

Sem querer dar spoilers, durante o parto, a bebê não aguenta e passa por um sofrimento fetal. O casal perde o bebê no parto. O filme, que está apenas no começo, passa a apresentar as dores da perda, o luto de um bebê tão esperado, mas ao mesmo tempo não conhecido. As diferentes reações da avó, da tia, do marido e da mãe. 

A forma com que a Martha vivencia o luto e seu companheiro Sean, interpretado por Shia LaBeouf, é imensamente diferente. Enquanto ela prefere voltar ao trabalho e precisa lidar com os olhares constrangidos de quem a vê de maneira diferente, ele tem uma recaída ao alcoolismo e é demitido. A reação de ambos fazem muitos paralelos com casais que já passaram por situações parecidas. 

Publicidade

Além disso, o longa-metragem aborda também os riscos jurídicos que envolvem esse tipo de procedimento. A responsabilidade legal da doula e a sede por justiça por uma vida interrompida tão cedo. 

Pieces of woman – Curiosidades sobre o filme 

pieces of woman

Cena de Pieces of a Woman. Foto: Netflix

O roteiro não é totalmente fictício. Ele é baseado em uma experiência pessoal da roteirista, Kata Weber e do diretor Kornél Mundruczó, que são casados. Em entrevista à Claudia, a roteirista disse que transformar esse trauma em algo público foi terapêutico: “Foi um processo emocional e escuro, eu não queria compartilhar antes de terminar. Mas se tornou uma terapia. E eu me senti como se fosse a primeira vez que uma mulher falasse sobre isso, porque tantas outras vieram me procurar para contar suas histórias. Gente que eu nem imaginava dividindo o que aconteceu com elas, experiências únicas e solitárias”. 

Para Vanessa, que dá a vida à Martha no filme, o medo era de não conseguir entregar o que é um trabalho de parto, por nunca ter vivido um pessoalmente. A saída que a atriz encontrou foi estudar diversos documentários e encontrar um obstetra que desse a autorização a ela para assistir um nascimento pessoalmente. Em entrevista a atriz comentou: “O que eu a vi fazer é uma coisa muito feminina, ela se entregou ao seu corpo, é algo animalesco mesmo. O corpo tem sabedoria e inteligência para saber o que fazer sem comandos conscientes da mente. Foi o maior ato de coragem que eu já testemunhei.” 

O filme sem dúvidas é pesado e até difícil de ver de uma vez só. Mas apresenta a vida e o nascimento de maneiras reais. Um parto real, uma maternidade dolorida, uma mãe intrometida e um marido (quase) ausente. Vale o play!