Durante a gestação é muito comum que as mulheres desenvolvam alguns problemas de saúde devido às alterações em seu organismo e um deles é a anisocitose. Essa questão está relacionada à uma alteração no tamanho das hemácias, provocando anemia.

Devido ao problema a mulher pode apresentar diversos sinais desagradáveis. Por isso a detecção precoce da condição é primordial tanto para a gestante quanto para o feto.

Sendo assim deve-se ressaltar a importância de se realizar um pré-natal cuidadoso, com o acompanhamento de um bom profissional de saúde que peça e analise cuidadosamente todos os exames.

Dessa forma conhecer a anisocitose é o primeiro passo para que a condição seja corretamente diagnosticada.

Publicidade

Então continue lendo esse artigo para saber mais sobre a anisocitose e saber como reconhecer os seus sinais precocemente.

Como a anisocitose se manifesta na gestação?

Primeiramente vale ressaltar que a anisocitose é a condição em que o tamanho das hemácias é alterado e assim em uma única amostra são encontradas células de tamanhos diversos.

Geralmente isso é provocado pela anemia que pode ser facilmente detectada por meio de um exame de sangue.

Essas mudanças no tamanho das hemácias são devidas à falhas que ocorrem durante a formação desses glóbulos sanguíneos.

linha nigra

Foto: Freepik

Isso é muito comum de ocorrer em diversos tipos de anemia como a anemia falciforme, ferropriva, perniciosa e também no tipo de anemia provocado pelos baixos níveis de ácido fólico no organismo.

Publicidade

Vale ressaltar inclusive que isso pode ocorrer devido ao consumo de substâncias tóxicas ao organismo como é o caso do álcool e das drogas em geral.

A partir dessa informação você já pode notar a importância fundamental do consumo de ácido fólico durante a gestação, sobretudo nos primeiros meses.

Portanto, se você quer engravidar ou já está grávida, é ideal que procure o seu médico para que ele te indique um polivitamínico ideal que forneça todos os nutrientes e vitaminas de que você necessita nessa fase.

Assim além de evitar a anisocitose você mantém o seu corpo saudável e favorece o bom desenvolvimento de seu bebê.

Quais são os principais sinais da anisocitose?

39 semanas de gravidez

Foto: Freepik

Primeiramente é preciso dizer que a anisocitose não é uma doença específica, mas sim um fator que indica que existe algo errado com o seu organismo.

Publicidade

Sendo assim, a própria anisocitose é um dos sinais que surge quando há o desenvolvimento de diversas condições ou doenças.

Portanto saber identificar os sinais de que você pode estar com anisocitose é fundamental para que diversas condições associadas sejam diagnosticadas precocemente.

Dessa forma um tratamento adequado pode ser iniciado antes mesmo que a gestante ou o bebê tenham qualquer tipo de consequência resultante desse problema.

Veja a seguir os principais sinais de que você pode ter o tamanho de suas hemácias alterado:

É muito comum que a anisocitose seja um dos sinais que indica a presença da anemia e por isso a maioria dos sinais dela são justamente aqueles que ocorrem quando a anemia se desenvolve.

barriga de mulher grávida no sexto mês de gestação

Crédito: Freepik

A anemia é diagnosticada quando existe uma quantidade de hemácias circulantes abaixo do nível desejado.

Como essas célula são responsáveis pelo transporte de oxigênio, o transporte desse gás vital para todas as células do organismo é prejudicado.

Como consequência disso as funções corporais são prejudicadas e então diversos sinais como fadiga, dores e tontura surgem.

O que provoca a anisocitose?

Para que seja realizado o tratamento adequado para a anisocitose, é preciso que a causa principal do desenvolvimento da condição seja identificada.

E é claro que a análise dos exames, interpretação e então diagnóstico devem ser feitos por um médico especializado.

quinto mês de gravidez - mulher grávida acariciando a barriga

Crédito: Freepik

Mas de maneira geral pode-se dizer que existem algumas causas mais comuns para o surgimento da anisocitose, que são:

  • Anemia;
  • Deficiência de minerais e vitaminas;
  • Presença de tumores (câncer).

Em alguns casos a anisocitose pode acarretar em problemas cardíacos pois não haverá células suficientes que façam o transporte da hemoglobina.

Assim o coração deverá bater mais rapidamente para suprir as necessidades de oxigênio do organismo, e podem inclusive se desenvolver insuficiências cardíacas em casos mais graves.

A melhor maneira de estimular a correta produção de hemácias é se alimentando corretamente de modo a obter níveis ideais de ferro, vitamina A e vitamina B12.

Existem três tipos de anisocitose

líquido amniótico

Foto: Freepik

Como já foi dito anteriormente a anisocitose é um fator que indica alguma anormalidade no organismo. Mas vale ressaltar que ela não ocorre sempre na mesma intensidade.

Existem três tipos de anisocitose. Conheça mais detalhes sobre cada um a seguir:

Discreta

Nesses casos em que a condição não é tão grave, o nível de alterações é de até 25%, ou seja, no máximo 25 em cada 100 células possuem alteração em seu tamanho.

Moderada

A condição é considerada moderada quando entre 25 e 50% das células possuem alteração em seu conteúdo e tamanho.

Acentuada

Quando a maior parte das células apresenta anormalidades. E ainda a condição é tida como muito grave quando é acompanhada de uma série de sinais desagradáveis e as hemácias normais são substituídas por células anormais.

Anisocitose Plaquetária

grávida de gêmeos

Foto: Freepik

Durante a gestação frequentemente um tipo específico de anisocitose pode ser identificado: a plaquetária, também conhecida como trombocitopenia.

Outro nome dado à essa condição é plaquetopenia, que ocorre quando há uma redução significativa do número de plaquetas no sangue.

Essas células são responsáveis sobretudo pela coagulação sanguínea e por isso com esse tipo de deficiência o processo pode ser prejudicado.

Sobretudo considerando o parto é crucial que a anisocitose desse tipo seja identificada e adequadamente tratada antes do nascimento do bebê para que não haja problemas relacionados ao sangramento excessivo.

Mais uma vez deve ser ressaltada a importância do acompanhamento médico durante o pré-natal visando garantir o bem estar da mãe e do bebê.

Conclusão

A anisocitose é um sinal muito comum que pode aparecer de forma secundária, relacionada à outras condições como anemia, câncer e falta de nutrientes.

Na gestação essa condição é frequente e, apesar de a maioria dos casos não ser grave, é preciso identificar e tratar precocemente antes que traga problemas à gestante e ao feto.