Outro dia eu estava conversando com uma amiga que está amamentando, quando surgiu a conversa sobre bombinha de tirar leite. Eu já comentei aqui no blog com vocês sobre a minha experiência com a amamentação, em que minha filha Catarina mamou no peito até os nove meses, sendo que apenas no primeiro não recebeu complemento.

Na época, eu fiz tudo o que estava ao meu alcance para que ela mamasse exclusivamente leite materno, mas não consegui esse feito. E foi justamente nesse ponto da conversa que minha amiga contou que a bombinha de tirar leite fez toda a diferença para o sucesso de seu processo de amamentação (a ponto de ter me deixado com a pulga atrás da orelha: será que se eu tivesse usado teria outra história para contar hoje? Nunca saberei, mas achei interessantíssimo compartilhar algumas informações, pois acho que sempre é possível aprender com as vivências de outras mães!).

Eu tinha a ideia de que bomba para tirar leite servia principalmente para o período em que a mãe voltaria a trabalhar, para que pudesse tirar o leite materno e assim permitir que o filhote continuasse se alimentando dele. Mas descobri que existem outros tantos usos, que fazem da bomba um item importante.

bombinha de tirar leite

Imagem: 123RF

Publicidade

Quando usar uma bombinha de tirar leite

– Para tirar o excesso de leite quando a produção da mãe é grande, pois dessa forma facilita a pega correta do bico da mama pelo bebê (e, justamente por isso, torna a amamentação menos dolorida, pois uma pega incorreta pode doer bastante).

– Para estimular a produção na mãe que tem pouco leite (porque, quanto mais ela tirar, maior quantidade de leite será produzida).

– Para os momentos em que a mãe precisa se ausentar (não necessariamente para voltar ao trabalho; pode ser apenas uma saída mais longa), e outra pessoa alimentará o bebê.

– No caso de bebês prematuros, que não conseguem mamar no peito desde os primeiros dias. Com a bombinha de tirar leite você garante que ele tomará leite materno e que o leite não seque, por falta de estímulo de sucção.

– Quando o mamilo estiver muito machucado e precisar de um tempo para cicatrização (assim o bebê continua com o leite da mamãe, que está se recuperando).

– Para quem tem excesso de leite e deseja doar leite materno (um ato de amor importantíssimo, pois você não imagina quantas crianças precisam do leite!). Aliás, já falei sobre a doação nesse post (tem todos os detalhes – recomendo a leitura!). Embora os bancos de leite prefiram a ordenha manual, você pode conversar e perguntar se pode realizar a retirada do leite com a bomba, seguindo as recomendações deles.

Publicidade

– Na volta ao trabalho, como eu já comentei anteriormente.

 

Mas, enfim, qual bomba de tirar leite escolher? 

As bombas podem ser manuais e elétricas, e existem mães que gostam dos dois grupos. Mas a verdade é que a grande maioria prefere a elétrica, sobretudo porque é mais fácil e rápido para tirar o leite. Resumindo o que as mães falam por aí:

Bombas manuais: são muito mais baratas, mas a quantidade de leite retirado depende muito da habilidade da mãe. Algumas mulheres dizem que tiravam pouca quantidade de leite com seu uso, e depois que mudaram para as elétricas passaram a extrair muito mais. Há mães que não se adaptam, porque relatam que a extração dói muito (mas há também aquelas que não sentem dor, então não funciona da mesma forma para todas as mulheres).

Bombas elétricas: são mais caras, mas em geral tornam a extração do leite mais rápida, eficiente e indolor. São as mais recomendáveis, se você tiver dinheiro mais investir no item (se o custo for muito alto para você, veja ao fim do post onde você pode alugar uma, ou considere a ideia de comprar uma usada). A desvantagem é que precisa de uma tomada ou troca de pilhas frequente. Pode ser simples (tira o leite de uma mama e depois da outra) ou dupla (tira o leite de ambas as mamas ao mesmo tempo – e por isso é a mais rápida de se usar).

 

Publicidade

Quando comprar a bomba para tirar leite?

Há mulheres que compram a bomba para tirar leite durante a gravidez; outras, deixam para adquiri-la em caso de necessidade. Eu analisaria o seguinte para decidir sobre a compra ainda na gestação:

– Se você tem uma irmã ou amiga com uma boa bomba (de preferência elétrica) para emprestar, eu não compraria o item. Enfim, é o tipo de produto que você usa e tende a ficar novo, se bem cuidado.

– Se você não conhece alguém que poderia emprestar e não pretende comprá-la no exterior (onde são muito mais baratas), eu deixaria para comprar em caso de necessidade. O aluguel nesse caso pode ser uma ótima medida.

– Se você não terá a bomba emprestada e vai ao exterior, eu sugiro que compre a bomba. No exterior o preço do produto é muito mais em conta (e, se você não precisar dela durante a amamentação de seu filho, poderá vendê-la aqui no Brasil e facilmente recuperar seu investimento).

 

As marcas de bomba

Em uma pesquisa na internet, descobri que uma das marcas mais usadas é a Medela, super tradicional no mercado. Alguns modelos que ela disponibiliza são: a Harmony (que é manual e sai por volta de R$200,00 no Brasil e US$30,00 nos EUA); a Swing (que é elétrica e uma das mais recomendadas pelas mães por sua praticidade de uso e preço intermediário – cerca de R$900,00 em sites que vendem aqui no Brasil e US$140,00 nos EUA) e a Freestyle (que é dupla – extrai das duas mamas ao mesmo tempo – e mais cara, cerca de R$2.300,00 no Brasil e US$330,00 nos EUA).

bombinha de tirar leite medela

Bomba elétrica Medela Switch – uma das preferidas das mães

Bomba elétrica Medela Freestyle

Outras bombas manuais: Chicco (R$100,00), Lansinoh (R$200,00), Philips Avent manual Pétala (R$200,00).

bomba de tirar leite Chicco

Bomba manual Chicco

Outras bombas elétricas: Evenflo SimplyGo (não achei o produto novo à venda no Brasil, mas no EUA custa US$45,00) e Philips Avent Elétrica (R$700,00).

Bomba elétrica Philips Avent

Observação: preços pesquisados em maio de 2019.

 

Onde alugar as bombas de tirar leite?

Lugares bem recomendados para o aluguel das bombas são o Cantinho da Mamãe (que aluga em São Paulo e no Rio de Janeiro), o Leite Fácil (alugam para todo o Brasil) e o Amamenta (que aluga em Porto Alegre). Se você conhecer de perto mais algum e puder recomendá-lo, mande a informação para o blog, para que possamos acrescentá-la.