“Meu filho não quer dormir”. Como resolver o problema?

Por 0 Comentários


“Meu filho não quer dormir. Simplesmente não quer!”. Eu confesso que disse muitas vezes essa frase. Ou variações dela, como “Catarina não gosta de dormir, prefere ficar acordada”. Mas sinceramente eu sabia que não era esse o problema. Claro que ela queria. Só que a hora do sono era uma batalha tão grande, que dava a impressão contrária.

Eu demorei MUITO tempo para perceber o que estava levando a esse padrão tão complicado em minha casa. Levei mais de um ano, sabia? Por isso os primeiros meses com Cacá foram caóticos: ela não descansava, eu vivia como uma múmia.

E para ajudar as mães e pais que passam pela mesma situação eu pedi que a nossa especialista em sono infantil, Michele Melão, fizesse um post especial sobre o assunto. Confira a seguir tudo o que pode ser resolvido na rotina do seu filho para acabar com a guerra na hora de ir para a cama. Vale demais a leitura!

Para conhecer o curso online da Michele Melão sobre sono infantil, o “Como Ensinar seu bebê a dormir desde o primeiro dia de vida”, clique aqui.

Por Michele Melão

Seu filho passa bem durante o dia, faz boas sonecas e até dorme bem durante a noite, mas a hora de dormir é uma batalha sem fim. A hora de adormecer é a mais difícil do dia. Isso soa familiar para você? Se você costuma dizer “meu filho não quer dormir”, esse post é para você.

Meu filho não quer dormir
Imagem: 123RF

Hoje quero falar com as famílias que apresentam esta dificuldade e espero que estas informações ajudem a transformar seu fim do dia em um momento agradável com seu bebê.

Primeiramente é importante ter reais expectativas. Se seu filho luta demais para entrar no sono, algo está errado. Você já avaliou o horário da última soneca? E a quantidade de sono diurno? Seu filho acorda em horários aproximados todos os dias, para que você consiga calcular com segurança a hora de dormir?

Quando o problema do “meu filho não quer dormir” pode ser explicado pela rotina

Falando sobre as sonecas:

Pensando em bebês de 4 a 7 meses: o ideal é que uma soneca não passe de 2 horas e que a partir de 18h seu filho não durma mais. O dia pode ser divido em 3 sonecas, desde que esse sono não ultrapasse muito, no total, 3 horas e 30 minutos diárias.

Para bebês com 2 sonecas por dia, a regra da duração é a mesma – máximo de duas horas de sono em cada soneca e não deixar que todas passem de 3 horas.

Para crianças com um cochilo apenas, o ideal é que durmam também no máximo 2 horas durante o dia.

Seu filho tem uma capacidade de sono dentro das 24 horas do dia, então não é uma boa ideia deixar extrapolar essa quantidade de sono diurno, porque haverá mais resistência para adormecer de noite. Assim, é verdade que crianças que dormem demais durante o dia tenham um pior sono noturno, ou que “briguem para pegar no sono”.

Janela de sono:

É bom organizar a rotina de forma que a maior janela de sono da criança seja o intervalo entre a última soneca e o sono da noite.

Além de organizar a rotina, repare a hora em que seu filho finalmente adormece. Pode ser que você esteja começando o ritual de sono muito cedo. Esta janela de sono muda conforme o desenvolvimento da criança, então pode ser que o horário que funcionava há um mês não seja mais o horário em que o corpo do bebê está preparado para entrar no sono. Isso acontece muito quando a criança até dormia bem e de repente começou a lutar para não dormir. Só o fato de entrar no quarto já é o suficiente para começar o choro e o protesto, e de fato você pode ter a impressão de que seu filho não quer dormir.

Quando o problema é ansiedade

Existem também algumas fases mais difíceis, como por exemplo a fase da ansiedade de separação. A hora de dormir é um momento de ficar longe da mãe e um bebê nessa fase pode lutar mais para adormecer. Nossa dica aqui é passar mais tempo de qualidade com seu filho, aumentar um pouco o tempo do ritual de sono para diminuir o quanto for possível essa fome emocional.

Quando é uma fase da criança

Outra fase complicada é o famoso terrible two (que na verdade pode começar a partir dos 18 meses). Nessa fase, a criança geralmente só dorme uma vez por dia, mas o que a criança mais faz é testar os limites dos pais. Um ritual de sono consistente, repetido, sem “negociações”, porém com atividades onde a criança faz escolhas (2 pijamas ou 2 livros para ler, por exemplo) pode ajudar bastante. Nessa fase a criança precisa ter regras e limites e os pais não devem ceder. Em algum momento ela percebe que é em vão fazer birra nessa hora. Nessa fase é errado ceder e tirar a criança do quarto, deixar dormir mais tarde, ler quantas histórias a criança pedir, porque isso tornará a hora de dormir cada vez mais longa.

Nesse momento a criança também passa a ter medos que ela não tinha antes. Monstros, fantasmas, enfim, a criança tem um medo real. Nesse caso, um objeto de transição pode ser útil além de ficar com a criança até que ela durma, para que ela tenha segurança para entrar no sono. Deixar a criança chorar nessa fase não é indicado. Uma luz fraca também pode ajudar.

Quando o problema é um pico de desenvolvimento

A criança aprende a engatinhar e a hora de dormir vira uma verdadeira batalha. Isso acontece frequentemente, porque a criança não quer desligar: ela quer praticar seu novo aprendizado! Então aqui a dica é deixar que seu filho treine bastante essa nova habilidade durante o dia. O quanto ele quiser, para que não tenha vontade de fazer isso de madrugada.

Então se alguma dessas situações acontece na sua casa, faça uma análise do que pode ser melhorado. Sabendo a raiz do problema, certamente será mais fácil lidar com o problema e transformar a hora de dormir em um momento bastante agradável para sua família. Assim você não terá mais que dizer que seu filho não quer dormir, combinado?

Conheça aqui o curso online da Michele Melão: Como ensinar seu bebê a dormir desde o primeiro dia de vida.


 



Arquivado em: Cuidados diáriosSono do bebê Tags:

Deixe seu comentário