Cães se mostram aliados contra alergia e obesidade em bebês

Por 2 Comentários


Eles são companheiros, ajudam as crianças a lidar desde cedo com responsabilidades, emoções e, de quebra, protagonizam momentos de muita fofura junto dos nossos filhos (como esses vídeos aqui comprovam). Sim, os cães são, realmente, uns amigões, e as mamães que têm um em casa sabem exatamente do que estou falando!

E o que você diria se, além de tudo isso, descobrisse que esses mascotes ainda contribuem para a saúde física do bebê? Pois pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá, reuniram cerca de 700 crianças em um estudo e apontaram que o convívio desde cedo com pets contribui para diminuir o risco do desenvolvimento de alergias e obesidade.

Gostou da novidade? Então vem entender melhor sobre o assunto (quem sabe você não se anima e dá o tão desejado cãozinho que seu filho anda pedindo?).

Imagem: 123RF

Bebês que convivem com pets têm 2x mais bactérias (do bem!)

O trabalho canadense reuniu 746 crianças cujas mães tiveram a gravidez acompanhada entre os anos de 2009 e 2012. As mulheres que participaram do estudo precisaram relatar se possuíam animais domésticos durante o segundo e/ou terceiro trimestres da gravidez e também no terceiro mês após o parto.

Desse total de bebês, a maioria teve acesso à exposição de pets (70% cães), sendo 8% somente durante a gestação e mais 46,8% tanto durante a gravidez como depois do nascimento.

Toda essa criançada (além das demais participantes do estudo, que não conviveram com animais) teve as fezes analisadas pelos pesquisadores por volta do terceiro mês de vida. E veja só que constatação interessante: a exposição pré e pós-natal aos bichos dobrou a abundância de duas espécies de bactérias nesses bebês, a Ruminococcus e a Oscillospira, associadas justamente à menor chance de as crianças apresentarem alergias e obesidade.

E por que isso acontece?

A hipótese levantada pelos pesquisadores é que a exposição a essas bactérias logo no início da vida (bactérias que estão presentes, por exemplo, no pelo e nas patas dos cachorros) pode acarretar no desenvolvimento precoce da imunidade.

O ganho de saúde para o filho mostrou-se acontecer desde que o bebê está na barriga da mãe: o convívio da gestante com animais de estimação mostrou menor probabilidade da transmissão de uma bactéria (a GBS vaginal, Estreptococos B) para a criança durante o parto, que pode causar pneumonia no recém-nascido.




Arquivado em: Cuidados diáriosNotíciasSaúde Tags:

Comentários (2)

Trackback URL

  1. Ana Giovanna disse:

    No caso de minha filha aconteceu o oposto. Ela é alérgica à pêlo de cães e gatos, o que acaba acarretando uma crise de rinite e que eventualmente evolui para bronquite alérgica. Na casa da avó, uma linda Maltês é o xodó da casa e minha sogra tenta tomar todos os cuidados com a higiene para tentar minimizar o problema. 🙂

    Bjs
    Ana Paula

  2. Ah! Que legal ter pesquisas que comprovam o que a gente vê na prática!
    Por aqui temos um menino e uma cachorra numa amizade das boas!
    Escrevi sobre isso aqui: http://somelhora.com.br/2016/10/18/bebes-e-cachorros-adaptacao/

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail