Síndrome de Guillain-Barré: a doença que está crescendo no Brasil (e que você precisa conhecer)

Por 72 Comentários


Imagine que, do dia para a noite, seu filho pega um virose e começa a ficar mal, mal, mal. Você corre para o pronto-socorro e nenhum diagnóstico fechado! Aí você vai para o segundo, terceiro, quarto hospital, até que internam seu pequeno na UTI. Ele para de falar e de andar, e o seu coração, a da mãe, quase para de tanta preocupação nesse processo. Pois foi isso o que recentemente aconteceu com uma querida leitora que acompanha o blog há bastante tempo. Ela me escreveu para contar que seu filho está com a Síndrome de Guillain-Barré (SGB), e, ao receber sua mensagem, só pude imaginar o quanto tudo está sendo difícil para essa família, e torcer para que esse pequenino melhore rapidamente.

Para quem ainda não ouviu falar, essa doença tem sido manchete de vários jornais por conta da suposta ligação com o Zika Vírus (que está praticamente comprovada, como você pode ver nessa notícia recente). E essa pode ser a explicação para o aumento do número de pessoas no Brasil com a Síndrome de Guillain-Barré (doença considerada rara). Só na Bahia, no ano passado, foram 53 casos confirmados, segundo boletim da Secretaria Estadual da Saúde (Sesab).

Para alertar sobre o problema, que é atual e um risco real para nossas famílias (sobretudo para aquelas que vivem em áreas em que o Zika vírus está se espalhando com rapidez), resolvi fazer esse post com informações sobre a doença. Espero que vocês gostem e compartilhem com outras mães, pois trata-se de uma questão de utilidade pública!

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

A Síndrome e os sintomas

Segundo a literatura médica, entre 60% e 70% dos pacientes (que podem ser crianças, adultos ou idosos) desenvolvem a Síndrome de Guillain-Barré depois de terem contraído uma infecção viral ou bacteriana. Os primeiros sintomas são percebidos nos membros inferiores, como fraqueza muscular e parestesias (que são sensações estranhas na pele, como formigamento, coceira, queimação, pressão). Na maioria dos casos, essas manifestações são sentidas em seguida nos membros superiores e depois espalhadas pelo corpo, por meio de dores neuropáticas (ou seja, associadas a doenças no sistema nervoso).

Em geral a Síndrome acontece da seguinte maneira: quando uma pessoa está com uma infecção, produz anticorpos para atacar os vírus ou bactérias invasores. Entretanto, alguns desses microorganismos possuem substâncias semelhantes àquelas encontradas nos nossos nervos (mais precisamente à bainha de mielina, que reveste e protege as células nervosas). Assim, o próprio organismo, produzindo moléculas de defesa contra os patógenos, pode passar a atacar o revestimento dos neurônios (por isso a doença é considerada autoimune).

Esse ataque é tão forte que destrói toda a proteção dos nervos e, com isso, é bloqueada a passagem de estímulos aos nervos motores, que levam as informações do sistema nervoso até os músculos (justamente por isso os primeiros sintomas são fraqueza e parestesias, seguidos de paralisia muscular). Os sinais são progressivos e ocorrem rapidamente, geralmente em menos de uma semana.

Outros sintomas são queda ou aumento da pressão arterial, retenção urinária e constipação intestinal. Em quadros mais graves, os pacientes podem sentir ainda arritmias cardíacas e insuficiência respiratória, principais motivos que fazem a síndrome ser fatal (mas são raros os casos).

 

Diagnóstico e tratamento          

Se desconfiar da doença, a primeira medida é encaminhar o filhote ao pediatra, que fará uma análise clínica inicial da criança. Em caso de suspeita do médico, o pequeno precisará fazer alguns exames complementares para comprovar, ou não, a Síndrome de Guillain-Barré.

Se o diagnóstico for fechado, é hora de partir para o tratamento. Nas crianças, é recomendado o tratamento com imunoglobulina intravenosa (ou seja, com injeções de outros anticorpos, para destruir os anticorpos produzidos pelo organismo e que estão atacando os nervos) durante no máximo dois dias.

Dado o início do tratamento, as duas primeiras semanas geralmente são marcadas por progressão da Síndrome, seguida de estabilização até, finalmente, a regressão. A recuperação pode levar semanas ou mesmo meses e, para recuperar todos os movimentos que foram comprometidos, a demora pode ser de um ano. Também é necessária a atuação de uma equipe multiprofissional para acompanhar o tratamento, estimular o paciente e mesmo ensiná-lo novamente coisas que ele já sabia (escovar os dentes, pinçar o lápis para escrever, etc), mas que acabou perdendo por conta da síndrome.

 

Recuperação dos pequenos

Vale destacar que nas crianças o diagnóstico é mais fácil de ser feito e a chance de recuperação muito alta. O importante mesmo é prestar atenção aos sinais, especialmente queixas de dor (que são as manifestações mais comuns nos pequenos) e encaminhar logo o filhote ao pediatra para que, se comprovado um quadro de Síndrome de Guillain-Barré, o tratamento seja iniciado imediatamente.




Arquivado em: Cuidados diáriosSaúde Tags:

Comentários (72)

Trackback URL

  1. Marisa de Paula Damico Costa disse:

    Muito bom, não tinha conhecimento dessa doença, Foi muito bom ficar sabendo, para ficar alerta.

  2. Laise Mendes Pantoja disse:

    Bom dia! Gostaria do contato da sua leitora, cujo filho está internado com Guillain-Barré, gostaria de compartilhar com ela a experiencia que tive com minha filha aos 03 de idade, na qual passou um ano em tratamento contra esse virus, e hoje vive normalmente, sem nehuma sequela… gostaria de poder ajudar com palavras de conforto e a experiencia que tive… sei o quanto é dificil e gostaria de ajudar também se possivel.
    Aguardo retorno!

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Laise,

      Infelizmente não estou autorizada a deixar o contato de qualquer leitora que entra em contato com o blog. Se desejar, deixe seu e-mail aqui para que ela mesma entre em contato se desejar.

      De qualquer forma, agradeço muito seu carinho e vontade de ajudar, compartilhando sua experiência. Obrigada de coração!

      Um abraço!

      • Bruna disse:

        OLÁ,meu filho aos 3anos tbm foi diagnosticado com a SBG , foi muito difícil no começo, passamos por maus bocados, mas hj aos 7 está 100% graças a Deus, tem uma vida normal e até faz atividades fisicas e judô. .

    • Milena R M Rodrigues disse:

      Oiii Minha filha tem 4 anos e reclama de dor no braço, devo me preocupar???? Tem alguma coisa ah ver com o sintomas ????

      • Nívea Salgado disse:

        Oi, Milena,

        Se ela reclama dessa dor há tempos, é melhor conversar com o pediatra (não que haja relaçÃo com a Síndrome). Para te acalmar, minha filha relatou dor nas pernas por muitos meses, até que passou! Beijos!

  3. Arthur disse:

    mas a recuperação é total? Alguma sequela?

  4. Keyse disse:

    Minha mãe teve e foi crônico. Nesse momento precisamos de ajuda. Quem quiser ajuda, pode me procurar. Abraços

  5. Marta disse:

    Gostaria de conversar com vc minha filha teve a síndrome a um ano e meio atrás

  6. Rita Lopes disse:

    Boa noite, minha mãe teve a Síndrome em junho/15. Ela tem 71 anos e havia feito uma cirurgia do coração com sucesso. Um mês depois, contraiu a dengue, passou 3 dias vomitando sem parar e foi internada. Depois de 2 dias de internação perdeu os movimentos das pernas (pareciam gelatina) e foi para a UTI entubada, depois fez traqueostomia. Tomou imunoglobulina e ficou 26 dias na UTI, total de 38 no hospital. Quando entrou na UTI o médico deu 5% de chance de sobrevivência, se saísse, demoraria de 6 meses a 1 ano para voltar a andar. Depois de 2 meses de fisioterapia e muitos medicamentos, voltou a andar normalmente. Hoje já trabalha no mercado da família, faz hidroginástica e anda a cidade toda. Graças à Deus e muita oração, além do diagnóstico imediato. Não tem nenhuma sequela, acreditem…

  7. Dalvail Dias de JESUS disse:

    gostaria de participar com outras pessoas para que eu possa ter mais informações sobre o assunto.

  8. michele disse:

    primeira vez que ouvi falar dessa síndrome foi no face apartir de um publicação de uma moça que a mãe dela tinha adquerido a doença assim que pegou uma virose…e dpois de andar por vários médicos foi que descobriu a exata causa.
    muito importante essa matéria…e obrigado por compartilhar conosco.

  9. Mariana Alves disse:

    Muito legal o texto, parabéns ao blog!
    Gostaria de acrescentar uma informação, pra quem conhece pouco dessa síndrome e de como ela surge, além de ser causada por infecção (como o texto dê vocês já explicou) a ingestão de frango mal cozido (cru) tbm pode levar ao desenvolvimento dessa síndrome!

  10. Gisela Belentani disse:

    Boa noite, já conhecia essa doença, um conhecido tem e trabalho com um produto ma área da saúde, uma nova tecnologia que pode beneficiar e muito essa doença, pois age diretamente na célula doente do nosso organismo.

  11. Julia Figueiredo disse:

    Eu tive essa síndrome aos 44 anos, fiquei internada no Hospital Pró-Cardíaco, e um neurologista recomendou a Plamasférese, q foi o que me curou, fiz 5 sessões, voltei a falar, a andar, a comer normalmente, enfim, tudo normal, depois de quase vinte dias internada. Recomendo q se informe com seu médico sobre esse tratamento. Tudo de bom

  12. Jéssyca Roana Fauro disse:

    Boa tarde, já conhecia esta doença, meu irmão de 18 anos foi diagnosticado com esta síndrome… Enfim os resultados não foram dos melhores e ele veio a falecer. Ficou 2 meses internado no hospital e não tinha nenhuma melhora, isso faz sete anos e como informado acima no texto esta doença era muito rara e ninguém tinha conhecimento aprofundado da doença..

  13. Denise Marti disse:

    Esse síndrome pode surgir da vacina H1N1 …. nada me tira da cabeça que a vacinação para a gripe junto com a Zica é que geram essa síndrome, uma vez 1 a vacina fica no corpo por 5 anos ou mais!

    • Lidia disse:

      Olá, trabalho em um posto de saúde… E já tivemos um paciente com essa síndrome, no caso dele a síndrome veio como reação após ele ter sido vacinado para a H1N1

  14. marta disse:

    Minha filhinha teve a síndrome a um ano e meio atrás. Foi terrivel. Quem quizer conversar me procure no face Marta felicíssimo Pereira ou no whats (14)996058808

  15. Érika disse:

    Minha filha teve a síndrome, em sete dias desde o diagnóstico ela veio a falecer,é uma doença terrível, uma menina de apenas 7 anos que nunca teve nada de repente não conseguia mexer nenhum músculo, não conseguia nem mais falar, ela foi encaminhada para BH Felício rocho mas nada pôde ser feito, peço a Deus que tenha misericórdia de nós.

  16. vanderlei disse:

    O governo não divulga. Quer um remédio barato e com que você fica um ano imune a esses mosquito? Própolis. E natural e gostoso.

  17. Melina disse:

    Olá!
    Desde quinta-feira passada meu marido está internado para tratar dessa síndrome!
    Graças à Deus, nele não se desenvolveu de maneira tão severa.
    Não sabemos que infecção ele teve, que o levou a desenvolver a doença, não teve Zika e nem tomou a vacina do H1N1.
    Está tratando com imunoglobulina.

  18. Lillian dos Anjos disse:

    Olá, eu tive Guillan Barre em Setembro de 2014. Foi horrível, mas hj tenho uma vida praticamente normal. Tive um bom Fisioterapeuta e muita força de vontade de ficar Boa, isso eh indispensável é o apoio da minha família.

  19. Tuka disse:

    Olá como vão? Tenho uma doença autoimune também q é atacada recebe ataques na bainha, mas está controlada a quase 2 anos só com o uso da vitamina D3 em altas doses que também é indicada para essa doença! Quem estiver com deficiência de vitamina D 3 tem maiores chances de desenvolver doenças autoimunes e tb depressão! Façam o exame de vitamina D no sangue e se estiver abaixo de 59ng/ml vc está em deficiência !!! Também mês retrasado ( moro fora do Brasil) tive influenza e com comprovação de teste e devido à minha reposição em vitamina D 3 , a influenza não deu febre só fiquei sentindo me gripada e com bastante coriza. É a vitamina tb protege contra o Zika atenuando e muito seus efeitos. Vitamina D é saúde é vida!!! Pesquisem por favor!! Chega de medicamentos caros e q fazem mais mal do que bem!!! Abraços a todos!!!

    • R disse:

      Tuka, vc foi A única pessoa com um comentário útil para aliviar a dor (vitamina d é um modulador do sistema imunológico) e evitar o problema (vitamina d ajuda o corpo a produzir substâncias antibacterianas e antivirais em doses superiores às recomendadas… acima de 10.000 ui por dia).

      Não vão te ouvir. Infelizmente. As pessoas preferem a preguiça de se entregar a um médico mal informado cegamente.

    • Cristiane Moraes disse:

      Perfeito. A suplementação em altas doses de vitamina D nos deixa imune.

  20. Liliana disse:

    Em março de 2015 fui diagnosticada com a Síndrome, foram 26 dias só de UTI, perdi todos os movimentos, mas não tive a parte respiratória comprometida. Fiz o tratamento com Imunoglobulina e Plasmaferese. Graças a Deus hoje estou bem, apenas adquiri trombose devido ao tempo acamada, e tenho que tomar anticoagulante. O tratamento recebido no hospital onde fiquei, o carinho da minha família, a minha vontade de viver e a minha fé em Deus que é o mais importante me ajudaram muito. O acompanhamento com um bom Fisioterapeuta traz ótimos resultados. Fiquem com Deus.

  21. Marcia cabral disse:

    Gisela Belentani, que produto é esse?

  22. Flávia disse:

    Tive SGB há 12 anos. Diagnóstico foi rápido e tratamento foi com imunoglobulina. Meu neuro disse para não tomar vacinas contra a gripe após minha alta, pois naquela época já havia indícios que relacionam síndrome e vacina. Estou na terceira gravidez e de novo não tomarei a vacina. Tem que diagnosticar rápido, pois esse é o sucesso do tratamento.

  23. Rosemeri disse:

    Bao tarde, adorei as informações , gostaria de continuar recebendo dicas e informações

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Rosemeri, tudo bem?
      Para receber diariamente nossos posts é só se inscrever no blog, colocando seu e-mail (se inscreva no “Receba nossas dicas por e-mail”). Não se esqueça de confirmar clicando no e-mail enviado pelo sistema (se não chegar na sua caixa de entrada, procure na de spam, ok?).
      Beijos!

  24. Roberta Marques Fernandes Saad disse:

    Minha filha foi acometida com a síndrome aos 2 anos e 5 meses, uma criança extremamente saudável que nunca havia ficado doente. Brincou o dia todo, dormiu a noite toda e levantou chorando muito pois estava com dor nas pernas, achei que havia sido picada por algum inseto mas não encontrei nada. Em questão de 1 hora já não parava mais em pé, achei que tivesse machucado a coluna. Fui imediatamente ao pediatra e ele já diagnosticou a síndrome e nos encaminhou para um neuro. No mesmo dia o neuro atendeu minha filha e encaminhou para um exame onde ficou comprovada a síndrome. Ela passou pelo pediatra, neuro, exame e internação tudo no mesmo dia. Minha filha não havia tido nenhum doença causada por vírus por isso houve uma investigação intensa quanto a vacinação mas até hoje não sabemos o que causou a doença. Ficou internada por uma semana. É inexplicável em palavras a dor e o sofrimento que vivenciamos mas hoje ela é uma criança linda e saudável. Pais se perceberem qualquer coisa errada com os filhos procurem o médico imediatamente nós fomos abençoados com médicos maravilhosos e prestativos que nos deram todo suporte. Quanto antes diagnosticada a síndrome melhor, menos sofrimento ao paciente e a família. Não esperem, não deixem para depois ao ver qualquer coisa diferente com seus filhos.

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Roberta,

      Só de ler seu relato já senti um pouco da sua aflição! Deve ser mesmo desesperador!

      Obrigada por compartilhar sua experiência, e espero que sua esteja melhor!

      Grande beijo!

  25. Anne Zaccarias disse:

    Muito legal o post!! Parabens!
    Lembrando que o profissional que auxiliará o paciente a retomar as suas atividades cotidianas, como escovar os dentes, é o TERAPEUTA OCUPACIONAL!!

  26. Luciane disse:

    Muito interessante esse artigo pois minha filha também teve SGB aos 7 meses.suspeita no laudo pode ter sido a vacina de antipneumucoco q é dada aos 7 meses ou ter vindo uma gripe normal Foram 23 dias de pura angunstia , pois paralisou inteira ficou entubada e não tinha expressão seu choro era so lágrimas escorrendo pois todos os músculos paralisaram . para os médicos da UTI a situação era gravíssima e se sobrevivesse teriacvarias sequelas mas com a Graça de Deus oracies dia e noite e de uma médica eficiente minha filha ficou curada hoje ela tem 3 anos esperta e a razão da minha vida. Se souberem de alguém com essa doença orem pedindo a Deus a proteção e a cura. Só agradeço a Deus pelo milagre a intercessao de Nossa senhora dos anjos santos.

  27. Roberta disse:

    Minha dúvida é como identificar os sintomas em um bebê de 10 meses. Grata

  28. Elaine disse:

    Tudo é culpa do mosquito agora!
    O pai de uma amiga faleceu com essa síndrome após tomar a vacina contra a gripe H1N1 e o próprio médico reconheceu que esta vacina causa esse mal. Acontece que ninguém lhe fala isso, pois há interesses maiores por trás. É mais fácil culpar o mosquito!

  29. Tulio disse:

    Olá. Esta síndrome existe e se trata de uma doença autoimune que é ativada por um grupo de doenças além do Zika. Mas a relação com Zika estava comprovada por pesquisadorea da Europa antes da crise chegar ao Brasil. Portanto, pode taxar a informação da correlação, mas vale ressaltar também que não é algo linear, ou seja, aparentemente 10-15% de quem teve Zika pode desenvolver a síndrome que pode ocorrer até alguns meses após a melhora do caso de Zika. Abraços.

  30. Claudia disse:

    Meu filho de 22 anos teve a sindrome, ficou na UTI de abril até junho de 2016. Foi gravíssimo, teve que colocar tubo para respiraçao e perdeu todos os movimentos. Foi desencadeada pelo citomegalovírus. Hoje está 90% recuperado. Continua com fisioterapia diária e vai ficar sem sequelas.

  31. Sirlene Diniz disse:

    PARABÉNS pelo post!!! Que Deus abençoe cada um de nós, e para as pessoas que perderam seus entes queridos, muita força divina 🙏

  32. Cris disse:

    Existe vacina para essa doença?

  33. Thales Megale disse:

    Meu nome é Thales e meu filho de 4 anos neste momento está internado na UTI por causa da síndrome de Guillain Barré. Gostaria que alguém que tenha passado por esse mesmo problema na família me ajudasse com informações gerais de como superaram essa doença. Tenho medo que meu filho Felipe fique com sequelas.
    Meu telefone é 35 992622100. Se puder me ajudar por WhatsApp seria ótimo. Muito obrigado.

  34. Natália disse:

    Boa noite, eu também tive a Síndrome de Guillain Barré, porém no meu caso foi um dos primeiros a ocorrer no Estado de São Paulo. Nao tive nenhum contato com mosquito (dengue, Zika) seja lá qual for, simplesmente nao cuidei de uma gripe. Foi quando vírus da gripe se “acomodou” na minha coluna e fiquei sem andar por mais ou menos 2 meses, fiquei de cama,totalmente sem me locomover. Perdi a mobilidade de 50% da perna esquerda e 80% da perna direita. Mesmo depois de varios diagnósticos mesmos sendo rapidos e varios exames nao tive a comprovação. Depois que eu ja estava fazendl fisioterapia por 2 anos, os médicos da capital me deram a comprovação da Síndrome. Mesmo assim fiquei com sequelas: falta de ar constantes, perda da potencia de corrida, nao sei mais ficar nas pontas dos dedos dos pés, e ando parecendo um robo. Kkk,

    É isso. É bom poder desabafar. Boa noite 😁

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Natália, muito obrigada por seu depoimento! Tenha certeza de que ele é muito importante para quem lê o post!

      Grande abraço,

      Nívea

    • Dayann disse:

      Meu filho teve a Síndrome de Guilhain Barret em 2014 após reação vacinal, após a vacina de Reforço da Triplice Viral. Foram feitos vários exames tantos clínicos como Ressonâncias magnéticas, pulsão da medula óssea, eletroneuromiografia, exames laboratoriais. Foi um momento muito difícil para nós, ficou internado vários dias na UTI Pediátrica, perdeu os movimentos dos membros inferiores e superiores, só mexia a cabeça. Fez o tratamento com imunoglobolina, depois ficou internado alguns dias na pediatria. Não acho que seja fácil um diagnóstico de SGB numa criança, pois a criança não é como um adulto que sabe verbalizar o que está sentido, os sintomas, neste sentido discordo do texto, pois no caso do meu filho foi feito vários exames até a confirmação do diagnóstico, mas independente da confirmação da SGB do diagnóstico foi feito a primeira dose de imunoglobolina no meu filho nas primeiras doze horas de internação na UTI Pediátrica. Enfim, , meu filho com 04 anos tinha voltado a ser um bebê, pois ficou sem andar, sem poder comer sozinho, não conseguia levantar os braços, as pernas, ir ao banheiro, foi um momento muito difícil, andávamos com ele no braço. Sempre rezava e pedia a Deus pela vida do meu filho, independente de sequelas físicas ou neurológicas, clamava a misericórdia a Deus!
      Meu filho até hoje faz tratamento de reabilitação, faz fisioterapia motora, faz sessões de fonoaudiologia, faz pilates e natação. Segundo a equipe médica a SGB dele foi atípica. Ele ficou com sequelas. O mais importante é a vida dele, o milagre de sua vida. Ele continua sendo acompanhado além da reabilitação com fisioterapia, fonoaudiologia, faz acompanhamento com pediatra, neuropediatra e ortopedista. Tenham fé em Deus, clamem a misericórdia. Deus abençoe cada um de vocês!!!

  35. Paulla disse:

    Minha mãe teve a a Síndrome em Junho desse ano.Foi diagnosticada com a forma mais severa da doença ficou mais de 100 dias na Uti foi entubada por 20 dias depois vieram mtos outros procedimentos.hj 5 meses após a doença ela esta em casa Graças a Deus mais ainda não se recuperou por completo.ela perdeu tdos os movimentos e agora faz fisiorerapia p voltar a andar escrever e tdo mais.Essa doença é mto séria estamos enfrentando uma batalha sem tamanho ainda,mais acreditamos q Deus é maior e os nossos entes amados atingidos por essa maldição vão se curar.

  36. Karen disse:

    Boa noite,

    Vi a reportagem e fiquei muito surpresa com os sintomas. Tive em 1988 (na época tinha 8 anos) um parecido sintoma de gripe, e uns 2 dias depois fui levantar para ir ao banheiro de madrugada e cai no chão. Minha mãe me levou ao Pronto Socorro no qual fizeram o exame de liquor na espinha(não me lembro o que deu até porque ficou tudo no hospital) entre outros … Ninguém sabia oque eu tinha mas diziam que foi o vírus da gripe que se instalou nos músculos da perna ou não sabiam se a vacina da Polio tinha dado efeito colateral. Minha mãe fazia tratamento homeopatico e veio o nosso médico de familia e receitou SCiatol(Homeopatico) . Fiquei internada 2 semanas sem andar e aos poucos foi voltando os movimentos. Em 2011 alguns sintomas pioraram devido ao stress e as vezes eu sentia dormencia nos braços e nas pernas. Fui em vários neurologias até que um me diagnosticou com esclerose múltipla, fiz por 6 meses tratamento com vitamina D e hoje em dia não tomo nada porque não sinto quase mais nada, não sei se piorou naquelas épocas devido aos estresses que passei…

    Achei importante compartilhar com vcs aqui pois até hoje desconfio que esse essa sindrome que tenho e o diagnóstico ainda esteja errado

  37. Daniza disse:

    Olá sou Daniza e tenho 30 anos, qdo tinha 16 anos tive essa síndrome, foi um tratamento bem demorado, fiquei andar por uns 3 meses, perdi o movimento pernas e braços, mas graças a Deus td deu certo…

  38. Michelle disse:

    Boa noite. Há 1 semana saí do hospital. Tive essa síndrome. Graças a Deus corri a tempo e fiquei internada somente 1 semana. Mantive a fé durante todo o tempo e o apoio da minha família e amigos foi fundamental. Tive uma gripe e logo depois comecei com dormência no céu da boca, mãos e pernas até parar de andar. Fiquei internada na UTI e logo iniciei o tratamento com imunoglobulina. O tratamento com fisioterapeuta e fonoaudióloga foi fundamental. Voltei a andar com 1 semana, o que infelizmente não é comum. Felizmente não precisei de aparelhos para respirar. Caso iniciem com esses sintomas, corram para o hospital.

  39. Eliana disse:

    Gostaria de perguntar se essa síndrome ataca idosos também e se o tratamento é o mesmo das crianças. Minha mãe tem 89 anos e está com a saúde bem comprometida, com problemas de osteoporose, artrose e faz um ano que teve herpes zoster que eu nunca tinha ouvido falar antes. Embora esteja curada continua sentindo muitas dores onde a herpes atacou. Obrigada.

  40. Patrícia dantas disse:

    Meu filho teve a síndrome, feito o tratamento ele ficou sem andar e sem ver, mas voltou o normal. Mas o médico falou que ela pode voltar, ele disse que a síndrome pode demorar pra voltar, mas quando voltar é fatal. Mas eu tenho fé em Deus que ela não vai levar meu filho. Hoje meu filho depende de medicamentos pro resto da vida, mas meu deus é maior.

  41. Sonia disse:

    Olá, tenho 42anos e tive essa doença aos 9 anos de idade, à única seqüela q fiquei foi minha mão direita ficou um pouco atrofiada,mas graças a Deus não interfere na minha vida

  42. Lina disse:

    Minha sobrinha de 17anos teve dengue que se agravou em uma semana e contraiu essa doença e não resistiu e veio a óbito.

  43. Adriana disse:

    Passei uma barra com minha mae.
    Os medicos pensaram que era uma doença psiquiatrica ou neurologica. Por ser uma doença que ataca os nervos e muito dificil de diagnosticar. Minha mae ficou dois meses na psiquiatria se um hospital sendo tratada como disturbio mental. Eles a depovam muito, a sindrome foi crescendo ate que minha mae foi levada para uti. Com falencia dos rins. Na uti fazendo hemodialise e muitos exames pois minha mae era uma paciente sem diagnostico depois de 1 mes foi deacoberto a sindrome. Infelizmente a descoberta era tarde demais, pois o corpo da minha mae nao aguentava mais, eles descobriram terça dia 01/11 de manha e no mesmo dia a tarde ela veio a falecer. 😩

  44. Fátima Junqueira disse:

    O texto informativo é sempre interessante. Mas o começo da frase sobre sintomas está escrito de tal forma que induz ao erro, fazendo com que o leitor possa imaginar algo que não é. De acordo com a literatura médica, daqueles que desenvolvem a síndrome, 60 a 70% deve- se a algum processo infeccioso. A forma como está escrito pode levar o leitor a pensar que 60 a 70% dos que têm infecções terão a síndrome, o que certamente é um equívoco. Como aqui estamos falando para mães, e eu sou uma, e sei que somos preocupadas, acho que seria bem importante rever a redação do texto para evitar um pânico maior do que o necessário.

  45. Simone Órfão disse:

    Oi minha filha também teve essa síndrome foi muito difícil mais agora ela tá bem ela tem 8 anos ficamos 12 dias no hospital e mais 15 dias em casa de repouso fez 3 meses de fisioterapia isso foi à quatro meses atrás que bom encontra família que já passo por isso porque aqui a onde eu moro ela foi a primeira criança que teve essa doença se alguém quiser fala comigo ainda tenho muito medo muitas perguntas fiquem com Deus

  46. Luiz Henrique R. Izar disse:

    Trata-se da mesma doença que foi diagnosticada no cantor Ronivon, nome popular, Polineutite, ou SGB.
    Em 1997 meu primo de 39 anos esteve em Cancun e voltou de lá com sintomas de gripe e dor no corpo, muita desinteria, morava em Ponta Grossa e ficou pouco tempo internado lá, sendo remetido para o Curitiba no Hospital NSª das Graças, mas a doença só piorou, perdeu o movimento das mãos, pernas, entendo que naquela época não tinha talvez muito recurso, saía da UTI, ia para o quarto e sentia muita falta de ar, até que foi feita a traqueotomia, mas devido a doença progredir, infelizmente veio a falecer em 31/12/1997 poucas horas antes de virar o ano para 1998.

  47. Tais disse:

    Bom meu tio teve essa síndrome há 10 anos na época ele tinha 52 anos , os médicos falaram que podia ser uma gripe mal curada ou até mesmo muito conservante em comida . Não sei se realmente tem a ver com o zika vírus , pois há 10 anos atrás não de falava em zika , então tenho minhas dúvidas . hoje meu tio se “recuperou” não é mais como antes ficou com sequelas tem dificuldade pra andar mais tem vida normal.

  48. Jaqueline Gonçalves ferreira disse:

    Boa noite em 17/12/2015 senti os primeiros sintomas e dia 05/01/2016 foi confirmada.
    Vou orar muito pelo seu filho e lhe digo que 90% do tratamento é a FÉ em DEUS…

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail