Grávida pode usar salto: Para muitas mulheres o salto alto é peça-chave na hora de montar um look. Símbolo de força e sensualidade, o acessório vira polêmica durante a gestação… Alguns médicos não apoiam o uso do sapato e pedem a troca por opções mais seguras e confortáveis, ao mesmo tempo, algumas gestantes não abrem mão do sapatos tão amados! 

Confira abaixo porque existe essa discussão à respeito dos saltos. 

Grávida pode usar salto – A polêmica em volta do salto alto durante a gestação 

Pé feminino em cima de uma balança na cor preta. Foto: Freepik

É fato que o corpo passa por mudanças radicais durante o período gestacional. Dificuldade de locomoção e respiração, inchaço dos pés e das mãos e uma grande diferença nas formas do corpo. Com a mudança de peso, e o umbigo (nosso centro gravitacional) projetado para frente as gestantes podem sentir dificuldades de se equilibrar, sentar e levantar normalmente. Agora, imagina com um saltão? 

Publicidade

A proibição não é unânime, mas é uma recomendação dos médicos para evitar possíveis acidentes que possam comprometer a saúde da mãe e do bebê, como quedas e desenvolvimento de patologias na coluna, tornozelos e joelhos. Principalmente após o 5 mês de gestação, quando as mudanças no corpo tendem a ficar mais evidentes. 

A inclinação do salto é a principal culpada pela confusão do ponto de equilíbrio da gestante, ou seja, quanto maior o salto maior as chances de desestabilizar a coluna e os tornozelos, comprometendo ou agravando dores comuns como na lombar e nos pés. 

Grávida pode usar salto – Uma curiosidade sobre a contra indicação dos saltos 

Grávida pode usar salto

Mulher cansada tirando sapatos de salto bege. Foto: Freepik

Além dos motivos mais populares, como a pressão na lombar e o inchaço nos pés, os médicos também contraindicam o uso do salto por causa de uma mudança que ocorre nos ligamentos da gestante. Durante esse período, o corpo sente um afrouxamento dos ligamentos, facilitando machucados como torções de tornozelo e mal jeito nas costas. Basicamente, as gestantes podem ficar com os tornozelos menos firmes durante os nove meses de gestação! Sabia disso?!

Quais os sapatos recomendados para a gestação?

Grávida pode usar salto

Mulher escolhendo entre sapato de salto alto ou tênis. Foto: Freepik

Durante a gravidez, algumas trocas precisam ser feitas, e infelizmente, isso inclui também o guarda-roupa! Os sapatos do período gestacional devem levar em conta o inchaço dos pés e a pressão colocada em cima da coluna. 

Publicidade

Sendo assim, evite sandálias e rasteirinhas de tiras finas porque com o inchaço os sapatos podem machucar e ficar muito desconfortáveis. Além disso, troque os saltos altíssimos e finos por opções modernas como saltos quadrados e grossos, de até 3cm. Eles proporcionam mais estabilidade para o corpo da mulher e não perdem a elegância de um bom salto alto! 

Plataformas e anabelas também entram nessa categoria dos saltos mais firmes. Desde que não abuse da altura desses sapatos! Prefira plataformas mais baixinhas e com menos risco para os tornozelos e para a coluna. A palmilha também faz diferença nessa hora. 

Tênis e chinelinhos com tiras mais grossas são os favoritos nessa fase. Principalmente se possuirem uma modelagem ergonómica, tiverem regulagem de tamanho (como cadarços e velcros), apresentarem uma palmilha bastante acolchoada e não forem completamente “chatos” como por exemplo as sapatilhas! 

Meus sapatos não servem mais, e agora?

Grávida pode usar salto

Mulher massageando os pés doloridos. Foto: Freepik

Em alguns casos, as mudanças no pé podem ser apenas temporárias! Devido ao inchaço e às mudanças do corpo, os sapatos podem ficar pequenos durante a gestação. Porém, há também as gestantes que percebem uma mudança permanente no tamanho dos pés, depois de parido. Normalmente, há duas explicações para esse fenômeno:

  • O afrouxamento dos ligamentos: como falamos acima, os ligamentos afrouxam durante o período gestacional. Além da “fraqueza” nos tornozelos, algumas mulheres com o pé mais curvado, perdem um pouco dessa característica devido ao peso da barriga e o peso adquirido. Assim, o pé fica “chato” e consequentemente maior. 
  • Ganho de peso e retenção de líquido: o ganho de peso e o inchaço são comuns, principalmente nas extremidades por causa do fluxo sanguíneo. Nesse caso, o pé não cresce de verdade, mas estica ou engorda. Em algum casos pode voltar depois de parido, em outros o pé permanece diferente de antes da gravidez. 

E como foi a sua experiência com sapatos durante a gravidez? Conta pra gente nos comentários! 

Publicidade