O parto é o processo de mudança mais significativo que ocorre no corpo da mulher durante sua vida; ao mesmo tempo, é a primeira experiência de mudança que todo ser humano experimenta ao nascer. Mas muitas mulheres tem dúvida sobre como é a dor do parto.

Este processo, que envolve duas pessoas, é uma jornada mais ou menos intensa e longa (para o primeiro filho é geralmente mais exigente), que permite que o colo do útero se abra e a criança desça no canal do parto. Na fisiologia humana, o trabalho de parto começa espontaneamente entre 37 e 41 semanas após a última menstruação; a maioria dos nascimentos ocorre entre 40 e 41 semanas.

Esperar o início espontâneo do trabalho de parto é uma grande vantagem para a mãe e o bebê, e está associada a menos complicações no parto e menor probabilidade de fazer uma cesariana.

O parto é antes de tudo um fenômeno biológico, mas também é um processo de transformação e adaptação em que se manifesta a singularidade dos dois protagonistas: a mãe e o filho.

Publicidade

Conheça agora o que é mito e o que é verdade sobre a dor do parto!

A dor do parto

dor do parto

Dor do parto. Foto: Freepik

Um dos principais temores do parto é que a dor seja tão intensa e dure tanto que seja impossível suportar.

Para alimentar esse medo, muitas vezes ouvimos histórias aterrorizantes de quem já deu à luz. Por esse motivo, fiz uma lista das principais dúvidas sobre a dor do parto e fiquei surpresa ao descobrir o que é mentira e o que é verdade. Confira!

1- Por que o parto é doloroso?

Em algumas horas, seu útero deve ser capaz de dilatar o colo do útero, que antes estava fechado como um cofre. As contrações são sua única “arma”. As contrações, portanto, coloca todas as suas forças nisso. No entanto, como em qualquer esforço extremo e repetido de um músculo, as contrações do músculo uterino são dolorosas.

Além disso, o colo do útero encurta e depois se dilata até atingir 10 centímetros (pelo menos). Por fim, os músculos do períneo, alongados pela passagem do bebê, podem dar a impressão de estar próximos da ruptura.

Publicidade

2 – É possível avaliar a intensidade da dor do parto?

A dor é uma sensação que não é quantificável nem objetiva. Isso varia enormemente de pessoa para pessoa. Ao mesmo estímulo, as reações podem ser muito diferentes: uma mulher grita, enquanto outra pode suportar a dor facilmente.

3 – A dor ajuda no parto?

Dor do parto

Dor do parto. Foto: Freepik

É a contração que ajuda, não a dor. As contrações uterinas também são igualmente eficazes em mulheres que parecem não sentir dor.

Hoje, alguns especialistas chegam a pensar que a dor é prejudicial, que pode dificultar o trabalho de dilatação do colo do útero e principalmente causar muito cansaço.

4 – Algumas mulheres sentem mais dor do parto do que outras?

Não somos todas iguais diante da dor. Questão de fisiologia: algumas mulheres têm poucas fibras nociceptivas e, portanto, são menos sensíveis às informações dolorosas. Questão da autoproteção: sem que saibamos bem porque, algumas futuras mães, na hora do parto, secretam mais “endomorfinas“, substâncias semelhantes à morfina que nos permitem lutar naturalmente contra a dor.

Abordagem e modo de apreender a dor: os obstetras descobriram que as jovens ” preparadas ” para a ideia de dar à luz e informadas do que esperar, muitas vezes suportam melhor as sensações desagradáveis ​​associadas a isso.

Publicidade

Questão de vocabulário: para um mesmo estímulo, uma mulher qualificará sua dor como “insuportável”, enquanto outra simplesmente falará de sensações desagradáveis, recusando o termo “dor”.

5 – O medo de sofrer pode atrapalhar o “trabalho de parto”?

Grávida com dor

Grávida com dor. Foto: Freepik

Sem dúvida. Esse medo a coloca na defensiva. Seu corpo fica tenso. Sua frequência cardíaca acelera, forçando você a respirar mais rápido.

Sem falar que o medo provoca a secreção de outro hormônio: a adrenalina, que não só impede a produção de endomorfinas, mas acima de tudo retarda o parto. O músculo uterino, estimulado por um lado, e desacelerado por outro, funciona de maneira inconsistente e ineficiente. Também elimina as toxinas resultantes da fadiga muscular e torna-se cada vez mais doloroso.

6 – As contrações dolorosas anunciam a chegada iminente do bebê?

Uma barriga endurecida e dolorida não significa que o parto está próximo. Algumas mulheres têm contrações dolorosas já no sexto mês de gravidez e às vezes até antes.

Essas contrações iniciais são preocupantes, pois mostram que o músculo uterino está sendo estimulado. Se elas forem sentidas com muita frequência, é importante consultar um médico. Na verdade, é a regularidade e a frequência das contrações que contam.

7 – A dor do parto muda durante o trabalho de parto?

grávida durante o parto

Grávida com dor. Foto: Freepik

Sim, claro. À medida que as contrações uterinas ficam mais intensas e mais próximas, elas tendem a ser cada vez mais desconfortáveis.

No início do trabalho de parto, uma contração dura cerca de quinze segundos e retorna a cada dez minutos. No final do trabalho de parto, continua até atingir um minuto a um minuto e meio e é renovado a cada dois a três minutos.

8 – A dor é maior ou menor ao empurrar o bebê?

Estranhamente, os partos costumam ter menos dor quando a mulher “empurra”. Quando você “empurra”, a criança fica firmemente encaixada em sua pélvis e pressionando seu períneo. Essa pressão esmaga suas terminações nociceptivas e cria uma espécie de mini anestesia.

9 – É verdade que algumas mulheres não sentem nada?

É muito raro não responder completamente às contrações. Por outro lado, certo número de mulheres afirma não sentir dor ao dar à luz.

10 – O segundo parto é sempre menos doloroso?

Com a experiência do primeiro, obviamente, você será menos pego de surpresa. No entanto, não existe um padrão porque tudo depende, novamente, das circunstâncias e da sua condição. O que, por outro lado, muitas vezes se observa no segundo parto é um encurtamento da duração do trabalho de parto: o colo do útero já tendo uma dilatação completa, geralmente se opõe a menos resistência.

11 – Cada mulher sente a dor do parto de maneira diferente?

grávida no hospital

Grávida no hospital. Foto: Freepik

Verdade!

Todo mundo tem um limiar de dor diferente. O que é suportável para uma pessoa pode ser difícil para outra. O mesmo se aplica à dor do parto.

12 – Nossas tataravós não tinham medo da dor do parto?

Mito!

As mulheres sempre buscaram maneiras de não sofrer durante o parto. Antigamente as mulheres usavam muitos meios bizarros para aliviarem a dor do parto, desde caldo de galo a vodca misturada com gordura até compressas de esterco de égua.

13 – O medo piora a dor do parto?

Verdade!

Quando você está com medo, você tensiona todo o corpo e a dor é mais forte. Portanto, prepare-se bem para o parto.

Ao compreender o que está acontecendo com seu corpo, você ficará menos estressado e tenso e, portanto, sentirá menos dor durante o trabalho de parto. Além da ansiedade, a percepção da dor também é influenciada por muitos outros fatores, por exemplo, fadiga, sede, fome, desamparo, etc.

A atitude em relação à dor do parto é importante, se você espera que doa, provavelmente sentirá muita dor e, se for positiva, a dor pode ser menor.

14 – Graças à presença de um ente querido, o parto é mais fácil?

hora do parto

Hora do parto. Foto: Freepik

Verdade!

Marido, mãe, irmã, amigo, a presença de uma dessas pessoas fará com que você se sinta mais segura. E, como dissemos, menos estresse é igual a menos tensão e, portanto, menos dor no trabalho de parto. No entanto, se você acha que esse nascimento familiar conjunto não é para você, não se force a fazer.

15 – Existem muitas maneiras naturais de aliviar a dor do parto?

Verdade!

As maneiras seguras de lidar com a dor do parto incluem:

  • Um banho quente. Direcione o jato d’água no abdômen e na parte inferior da coluna. O banho pode ser feito quando a dilatação é de quatro a cinco centímetros e as contrações são bastante fortes.
  • Massagem. Especialmente na região lombar, pode trazer alívio e relaxamento.
  • Respiração adequada. Vale a pena praticar bem, porque ajuda não só a mãe, mas também o bebê, deixa o bebê mais oxigenado.

Existem outros métodos, como acupuntura, ioga, sentar em uma bola e muito mais. Nenhum deles pode fazer com que pare de doer, mas cada um pode ajudá-lo a relaxar.

16 – A anestesia da dor do parto só ajuda a mãe?

Mito!

A melhor coisa para um bebê é, claro, um parto natural, mas em muitos casos a anestesia também pode ajudá-lo. Por que milagre? É simples: com a anestesia, uma mulher com um limiar de dor muito baixo respirará mais fundo e cooperará melhor com o obstetra, em vez de se concentrar apenas em seu próprio sofrimento.

A dor excessiva do parto causa medo, o medo intensifica a dor, o que por sua vez causa medo ainda mais. O círculo vicioso se fecha e a situação é tão complicada que pode se tornar perigosa para a mãe e para o filho.

17 – A anestesia elimina completamente a dor do parto?

grávida no hospital

Grávida no hospital. Foto: Freepik

Mito!

Ao contrário do nome, a anestesia não é usada para eliminar completamente a dor do parto, mas para torná-la suportável. Por mais cruel que pareça, isso é feito para o bem da mãe e do bebê. Doses muito altas de anestésicos podem inibir o parto e causar efeitos colaterais.

18 – Gritar alivia a dor do parto?

Verdade!

Mas os gritos que você ouve nos vídeos de nascimento, cheio de medo e dor não ajuda. Pelo contrário, adiciona ainda mais tensão. Um tipo diferente de grito é ouvido nas salas de parto, são sons de esforço, não de dor de parto, medo ou impotência. Emitindo sons baixos, longos e muito difíceis de descrever, a mulher alivia a tensão e relaxa os músculos (incluindo o períneo).

19 – A dor do parto na água é menor?

Verdade!

Mulheres que deram à luz tanto na cama de parto quanto na água acreditam que a diferença é colossal. Na banheira, eles estavam mais calmas, mais relaxadas e ficavam em uma posição mais confortável. Elas aguentaram melhor a dor e se sentiram mais seguros.

Uma sala separada, uma atmosfera íntima, todo o cenário que acompanha o nascimento na água (iluminação suave, música, etc.) também são fatores importantes.

O efeito benéfico da água no decorrer do trabalho de parto é confirmado por obstetras. Relaxar os músculos faz com que o colo do útero se abra mais rapidamente, e dar à luz na água leva menos tempo.

Quanto à dor do parto: é difícil determinar objetivamente se o parto dói menos, porque não pode ser medido. Certamente, a sensação subjetiva de dor é reduzida: depois de entrar na água, a mulher sente um alívio marcante. Porém, você não pode contar com o fato de que tudo será indolor na banheira.