Alô, mães que conhecem bem a saga da alergia respiratória em criança!  Esse é um ponto de constante atenção, porque, se descuidar um pouquinho, é um tal de nariz escorrer e entupir, de catarro aparecer e de tosse atormentar.

criança espirrando

criança espirrando. Foto: freepik

Portanto, são coisas simples para pôr em prática, que funcionam de verdade, e que podem aliviar os sintomas de alergia respiratória em criança.

Vem dar uma espiadinha, pois são informações de enorme utilidade!

Publicidade

 

Alergia respiratória em criança: 10 passos para mantê-la longe!

1) Tire tapetes e carpetes

Sim, sabemos que eles são lindos. Mas se você tem um alérgico em casa, terá problemas com carpetes e tapetes.

aspirando o tapete

aspirando o tapete. Foto: freepik

Por mais que você passe aspirador e os limpe com frequência, saiba que eles nunca estarão limpinhos de verdade. Se pudesse usar um microscópio, ficaria alarmada com a quantidade de ácaros que vivem ali.

Em outras palavras, prefira pisos de madeira ou de cerâmica, que podem ser limpos diariamente apenas com um pano úmido.

2) Use protetores de colchão e de travesseiro anti-alérgicos

Eles valem a pena para os pequenos mais predispostos a alergias respiratórias. Possuem composição que inibe a proliferação dos ácaros, por isso evitam rinites, bronquites (e as outras “ites” do sistema respiratório que toda mãe conhece bem).

Publicidade

Em geral, têm certo grau de impermeabilidade, o que ajuda a evitar o acúmulo de sujeira e de umidade.

3) Aproveite o sol

Colocar o travesseiro, o edredom (até o colchão de vez em quando!) e os brinquedos do filhote no sol ajuda a eliminar os ácaros. Abriu um solzinho? Então, coloque tudo para fora e deixe a alergia respiratória bem longe da sua criança.

Atenção aos gatilhos que você tem em casa para evitar alergias respiratórias!

4) Lave, lave, lave

Não custa falar: cortinas, mosquiteiros, protetores de berço e todo objeto que acumula pó deve ser lavado frequentemente.

Além disso, os bichos de pelúcia da criança também são muito importantes (melhor ainda se eles forem anti-alérgicos!)

menina com ursos de pelúcia

menina com ursos de pelúcia. Foto: freepik

5) De olho nos móveis

Na verdade o ideal é comprar móveis fáceis de limpar. Sofás de couro, por exemplo, são higienizados com muito mais facilidade do que aqueles de tecido.

Publicidade

E certamente, no quarto dos filhotes alérgicos, quanto mais clean a mobília, melhor (acumula menos poeira!).

6) Gatos e cachorros fora do quarto

Eu tive cachorro durante quase toda a minha infância, apesar da alergia. Nossa cachorrinha tinha pelos curtos e nunca ficava em nosso quarto.

Quem tem criança alérgica em casa deve evitar que os pelos fiquem soltos pela casa, principalmente no cômodo em que os filhotes dormem.

criança espirrando

criança espirrando. Foto: freepik

7) Cuidado com plantas dentro de casa

Eu adoro plantas, mas aqui em casa elas ficam na varanda. Plantas dentro de casa podem ser ruins para quem é propenso a alergias respiratórias por dois motivos: podem acumular fungos e podem liberar pólen das flores, ambos extremamente irritantes para a mucosa nasal.

Plantas artificiais oferecem menos risco, desde que limpas com frequência (lembre-se que lá haverá acúmulo de pó).

menino alérgico a pólen

menino alérgico a pólen. Foto: freepik

Tire proveito dos equipamentos que podem fazer a diferença nas alergias respiratórias

8) Compre um aspirador de pó com filtro HEPA (uma novidade)

Filtros HEPA conseguem reter partículas de pó muito menores do que os convencionais. Ou seja, se você é uma mãe alérgica e tem que passar aspirador de pó em sua casa, sabe o trabalhão que é!

Então, investir em um aspirador que filtrará melhor o ar e espalhará menos partículas de poeira pelo ambiente é bastante interessante. Mas fique atenta: o filtro HEPA também deve ser substituído de tempos em tempos.

Veja se onde você mora é fácil encontrar um para a substituição.

9) Umidade na medida certa

O ar ideal para o alérgico não é nem muito nem pouco úmido. Quando há pouca umidade, as vias respiratórias ressecam, predispondo à rinite.

Por outro lado, quando há excessiva, pode haver proliferação de fungos. DICA: use um umidificador com regulagem de umidade (que deve ficar ao redor de 60%), como já comentei nesse post aqui.

homem aspirando o tapete da sala

homem aspirando o tapete da sala. Foto: freepik

10) Soro fisiológico no nariz!

O tempo está muito seco? Lave o nariz da criançada com um pouquinho de soro fisiológico diariamente. O mais importante é que esse soro seja constantemente renovado, para não ficar contaminado.

Por isso, prefira embalagens pequenas de soro (as grandes são proporcionalmente mais baratas, mas até terminarem provavelmente estarão contaminadas), ou os frascos de soro com jato contínuo, cuja válvula impede que haja contaminação do líquido com o ar.

criança usando soro fisiológico

criança usando soro fisiológico. Foto: freepik

Sinais de alergias

Uma reação alérgica ocorre quando o sistema imunológico do seu corpo reage de forma anormal a coisas que normalmente são inofensivas. Ou seja, os sinais de uma reação alérgica podem variar muito, dependendo do indivíduo e do tipo de alergia.
Os bebês têm muito menos probabilidade do que as crianças mais velhas e os adultos de ter muitos tipos de alergia, porque você deve ser exposto a algumas coisas por um tempo antes de se tornar alérgico a elas.
Alergias sazonais, por exemplo, são incomuns em bebês, pois eles não sobreviveram a uma ou duas temporadas de alta contagem de pólen. A maioria dos tipos de alergias inaladas são incomuns antes de 1–2 anos de idade.

Quando procurar ajuda para alergias

Se sintomas muito leves aparecem e desaparecem rapidamente, anote o que aconteceu e o que pode ter causado isso.
Por exemplo: seu bebê visitou um novo parque ou uma casa com um animal de estimação? Eles experimentaram recentemente um novo alimento? Você trocou de detergente ou começou a usar um novo produto de limpeza em casa?
Os sintomas temporários e leves não exigem uma visita ao médico, mas vale a pena lembrá-los na próxima consulta do seu bebê ou se você notar esses sinais novamente. Se os sintomas não diminuírem em um dia ou piorarem, ligue para o consultório do pediatra e explique o que você observou.
Da mesma forma, o mesmo conselho vale para uma reação a um novo medicamento. Uma reação imediata, mesmo moderada, deve levar a uma chamada ao pediatra.
médico examinando criança

médico examinando criança. Foto: freepik