No post de hoje, nossa querida consultora de sono Michele Melão fala sobre um ponto crucial para que os bebês consigam ter um bom sono. E, lendo suas palavras, percebo que provavelmente foi um dos grandes motivos de Catarina dormir tão mal: a falta de consistência! Até então, eu achava ter sido uma mãe consistente em seus primeiros meses de vida, mas, com os exemplos do texto, percebi que pequei em vários aspectos. Leitura obrigatória para as mães que, como eu, dizem: “eu fiz de tudo, mas meu filho não dorme!”.

Por Michele Melão

Uma frase muito comum que ouço das mães quando iniciamos uma consultoria de sono é: “eu já tentei de tudo”. Nesses casos, o principal motivo do bebê não dormir bem logo me vem à mente – a falta de segurança. Tentar de tudo pode deixar o sono do bebê muito pior, ao invés de melhorar suas noites com o passar dos dias.

Publicidade

Este artigo do The New York Times fala exatamente sobre esse assunto, por isso achei bacana compartilhá-lo nesse post. Ele mostra que ainda mais importante do que a escolha do método de aprendizagem de sono, é a repetição que fará com que ele de fato funcione. Ou seja, a maioria dos métodos dá certo, desde que os pais tenham consistência nessa aprendizagem.

sono consistencia

Imagem: 123RF

Se o seu bebê não dorme bem, veja se alguma dessas situações é familiar para você:

– A família decide ensinar o bebê a dormir sozinho, porém depois de um dia de trabalho, quando todos estão finalmente dormindo, o bebê começa a chorar. Na tentativa de fazer com que o bebê volte a dormir rapidamente, você corre para o quarto dele, oferece a chupeta, a mamadeira ou o peito, sem nem ao menos lembrar se existe algum plano de sono que deve ser seguido nesses despertares.

– Os pais dividem os cuidados com o bebê, mas um não age da mesma forma que o outro. A mãe faz dormir no seio, às vezes no berço, enquanto o pai embala no colo, etc.

– Você virou uma chupeta humana e decidiu que é hora de acabar com as mamadas noturnas (se seu bebê se alimenta muito bem durante o dia ou já tem mais de 2 anos, por exemplo, e certamente não acorda porque está com fome).  Você faz um planejamento, consegue fazer isso por 2 ou 3 dias, mas está tão cansada a partir do 4º, que resolve dar o peito só por uma noite para ver se o bebê dorme por mais tempo.

Publicidade

– A avó fica com o bebê algumas vezes por semana e não concorda com a maneira que a família decidiu colocá-lo para dormir, e faz exatamente o oposto do que os pais pediram.

– Você resolve fazer um método de aprendizagem de sono para o seu bebê, e após tentar implementá-lo por 30 minutos, decide que aquele método não dará certo para sua família, e acaba cedendo e fazendo o que o bebê quer.

A falta de consistência faz com que aprender a dormir seja um grande desafio para o bebê, que rapidamente aprende que tudo o que ele precisa fazer para ser embalado ou colocado no seio para se acalmar é chorar, e esse reforço do hábito negativo pode ter como consequência um bebê que chora muito e tem extrema dificuldade para adormecer.

Pense na consequência de reforçar esse hábito negativo com um outro exemplo: seu filho, quando mais velho, pede um brinquedo e você explica que não será possível comprar naquele momento. Ele insiste, começa a chorar e pedir várias vezes, até que, depois da 5ª tentativa, você acaba cedendo e comprando o objeto. Da próxima vez, ele irá demorar muito mais tempo para desistir de algo (se você tivesse ficado firme em sua decisão desde o início, seria mais fácil, certo?). A mesma coisa acontece com o sono: a consistência vai te ajudar a conseguir resultados incríveis.

E como manter a consistência para que seu bebê aprenda a dormir?

– Escolha um plano de sono ou uma proposta de aprendizagem que todos na casa estejam preparados para colocar em prática.

Publicidade

– Tenha certeza de que a proposta de aprendizagem é ideal para a idade do seu bebê.

– Esteja comprometida para enfrentar os desafios. Toda mudança de hábito causa um certo transtorno, e isso pode ser difícil nos primeiros dias. Os resultados normalmente são excelentes, mas nos primeiros dias você pode sentir vontade de desistir. Ter o apoio do marido, dos avós ou mesmo da babá, especialmente na primeira semana, pode ser uma grande ajuda para se manter firme no plano escolhido.

– Se achar que há necessidade, procure ajuda. Grande parte das mães que acompanho já tentaram fazer sozinhas algum método de aprendizagem, mas na hora de agir, as dúvidas surgem e os pais ficam inseguros e não sabem se estão fazendo o certo. Ter alguém para quem perguntar o que fazer diante dos desafios pode ser bastante importante para algumas famílias.

– Tenha o objetivo final em mente. Pensar em noites inteiras sem interrupções e na qualidade de sono que você pode dar para seu bebê são incentivos importantes para manter a consistência. Seu esforço certamente valerá a pena!

Outra dúvida comum entre as mães é diz respeito às quebras de rotina – afinal, imprevistos acontecem e ninguém consegue ser consistente o tempo todo. Peço sempre bastante regularidade por pelo menos 2 meses. Depois desse tempo, seu bebê já deve ter criado um padrão de sono e estará dormindo bem, mesmo nos dias em que a rotina for quebrada.

Para as mães de bebês que despertam várias vezes durante a noite, fazem sonecas curtas ou têm grande dificuldade de adormecer e manter o sono e precisam de peito, de colo, de música ou de qualquer outra “muleta” de sono, o melhor a fazer é avaliar detalhadamente o que estão fazendo de errado. Dormir é uma habilidade que deve ser ensinada ao seu filho, assim como falar ou andar, e tem grande influência no desenvolvimento físico e psicológico do filhote. Dar qualidade de sono para seu bebê é um ato de amor, e certamente você não precisa deixá-lo chorando no berço para conseguir isso. Um bom plano de sono, aliado a carinho, paciência e bastante consistência, certamente trará resultados excelentes para seu soninho.

michele melão selo