Uma das coisas que descobri só depois da maternidade foi a fralda para piscina. Até então eu já tinha visto bebês na água, claro, mas nunca tinha pensado se a fralda usada nessas ocasiões era a mesma do dia a dia. Mas quando você vira mãe seu ponto de vista muda, e você percebe que até para levar o filho para a água deve haver um certo planejamento.

Catarina foi à piscina pela primeira vez quando fez 10 meses de idade, durante uma viagem à Bahia. Estávamos passando alguns dias no Nordeste (aqui você vê todas as nossas dicas de viagem, desde os destinos que já conhecemos até o planejamento para viajar com bebês e crianças pequenas) e levamos a casa inteira, toda a parafernália que achei necessária para sobreviver quatro dias. E um dos primeiros itens que me lembrei de levar foi justamente a fralda para piscina.

Imagem: 123RF

Nessa época eu já tinha visto os filhos de algumas amigas com fralda para piscina, mas não sabia exatamente como funcionava. O que eu imaginava: que eram super absorventes por dentro (para não vazar xixi), bem adaptadas para não vazar o cocô, e não absorventes por fora, para não inchar em contato com a água, como ocorre com as fraldas normais. Só achei uma marca disponível no Brasil: a Huggies Little Swimmers (mas agora sei de outras alternativas disponíveis, como falarei ao fim do post).

Publicidade
Durante a viagem não tivemos problemas. Mas numa das vezes seguintes em que Cacá foi à piscina, veio aquela enxurrada de xixi, logo que a tirei da água. E conversando com outras mães, percebi que nem todo mundo sabia que, logo que o bebê sai da piscina, é recomendável trocar a fralda por uma normal. É claro que fui conferir o que a embalagem do produto dizia (vai que a recomendação estava ali e eu nem tinha lido…). O que está escrito lá:
– Que a fralda veste como um shortinho e que tem laterais elásticas, que podem ser abertas para facilitar a remoção da fralda (ok, isso é verdade; com a fralda molhada, é bem mais fácil abrir na lateral do que tirar a fralda por baixo). Sobretudo quando a criança faz cocô, o fato de poder abrir ajuda demais, porque do contrário a retirada causa uma meleca enorme.
– Que não incha em contato com a água (ok, ela absorve bem menos água do que uma fralda normal, não pesa e é bem mais confortável na água para o bebê).
– Que não vaza na água (ops! Na-na-ni-na-não! A fralda segura o cocô, mas definitivamente não segura o xixi, e isso eu afirmo depois de receber a mesma informação de outras mães).
– Tamanho (veja o que comprar para o seu bebê): o P vai de 7 a 12 Kg; o M de 11 a 15 Kg, e o G a partir de 14 Kg.

Fralda Little Swimmers da Huggies e a versão ecológica, da Nós e o Davi

Fralda para piscina ecológica

Essa é uma atualização do post que escrevi um tempo atrás, quando a única fralda para piscina que encontrei foi a Little Swimmers. Uma novidade bacana é que algumas marcas estão produzindo fraldas para piscina ecológicas – ou seja, de pano. A ideia é que você use a fralda no seu bebê, lave e reutilize, sem descartar e poluir o ambiente. Ela tem as mesmas propriedades da descartável: absorve menos a água (algumas dizem ser impermeáveis), funciona como barreira para que o cocô não escape na praia ou piscina, mas não barra o xixi (justamente porque não tem absorvente na parte interna). Algumas lojas virtuais onde você encontra: Nós e o Davi, e Bebês Ecológicos.

Então vale a pena usar fralda para piscina?

Minha conclusão é que vale a pena compra, sim. Mas não espere uma super tecnologia que evite o vazamento de xixi (só de não vazar o cocô já é alguma coisa, certo?). Fica a dica: logo que seu filho sair da água, troque a fralda de piscina por uma normal. Ah, e não se iluda: a piscina das crianças continua cheia de xixi (rsrsrs)!

Quer ler outros posts sobre fraldas? Clique aqui!