Meu filho ficou doente: como manter os bons hábitos de sono?

Por 0 Comentários


Criança pequena é um teste de paciência e fortaleza para os pais. Quando as coisas começam a entrar nos eixos – com o pequenino dormindo direito, a rotina acontecendo sempre da mesma maneira – o filho fica doente (basta um “resfriadinho de nada” mesmo!), fazendo tudo desandar. Aquele bebê que dormia a noite toda passa a acordar de hora em hora, ou aquele outro que mamava e ganhava peso passa a não conseguir sugar pelo nariz entupido. De chorar, não é mesmo?

Por isso o post de hoje traz informações que eu considero super importantes, da nossa querida consultora de sono, Michele Melão. Ela conta como manter bons hábitos de sono quando o filho fica doente, para que você não se enrole depois, tentando colocar a rotina para funcionar novamente. Quer ver? Confira a seguir!

Por Michele Melão

O tema desse post é um questionamento que recebemos de muitas famílias, especialmente onde os pais já tiveram problemas com o sono dos bebês e precisaram fazer algum processo de aprendizagem de sono. A escola, a variação do tempo, a poluição, as viroses… Enfim, é muito difícil encontrar pais ou cuidadores que nunca passaram por um problema de saúde com as crianças.

Imagem: 123RF

Mas como manter a regularidade no sono? No post de hoje, vou dar 5 dicas para que vocês consigam cuidar dos bebês sem trazer de volta os maus hábitos de sono.

Como agir em relação ao sono da criança que adoeceu:

– Não mude a forma como seu filho adormece! Se você tem uma criança que consegue dormir sozinha, é muito importante manter esse hábito. Você obviamente precisará dar mais colo, mais conforto, provavelmente serão necessárias intervenções como inalação, oferecimento de remédio, mas você pode fazer tudo isso sem mexer na forma como seu filho dorme.

Por exemplo: inclua a limpeza do nariz e a inalação no ritual de sono – você pode ficar com seu filho até que ele durma, mas não o faça dormir no braço, se ele é capaz de dormir no berço. Não o deixe dormir mamando, se essa não é a forma que ele costuma dormir. Alimente e depois o coloque no berço ou cama para entrar no sono.

– Pegue sempre a opinião do pediatra sobre o aumento das mamadas de madrugada. Principalmente as crianças que apresentam febre podem precisar ingerir mais líquido, mas é importante fazer isso apenas pelo período necessário, de acordo com a orientação do médico.

– Lembre da regra dos 3 dias! Se seu filho precisar de mais cuidado por 1 ou 2 dias, isso pode não ser um grande problema. Porém, se os hábitos mudarem por 3 ou mais dias seguidos, ele pode aprender uma nova forma de dormir. Fique atenta às reais necessidades da criança, para que ele não aprenda hábitos de sono que depois serão difíceis de manter.

– Não leve a criança para sua cama! Se a cama compartilhada não é uma opção da família, então ao invés de levar a criança para o seu quarto, mude você para o quarto dela. Depois de 3 dias dormindo na cama dos pais, a criança já entende essa nova forma de adormecer, e mudar isso depois pode necessitar de muita paciência, persistência e resultar em um protesto da criança.

– Seu filho pode dormir um pouco mais durante o dia por causa dos remédios. Aproveite para descansar também, sempre que possível. A noite pode ser difícil e, quando estamos exaustas, a chance de ter atitudes para resolver o problema rapidamente (como levar a criança para a cama dos pais), acontecem com muita frequência.

– Se não for possível manter os hábitos de sono (porque isso vai depender muito do que a criança está sentindo e do quanto ela demorará para ficar boa), volte com seus velhos hábitos assim que ela estiver bem. Não mantenha os hábitos ruins depois que ela ficar bem. Se houver choro, ofereça carinho, mas insista que a criança entre no sono no berço.

 

Espero que o post ajude as leitoras aqui do Mil Dicas de Mãe a lidarem com o sono nestas situações difíceis. Estas são linhas gerais. Obviamente estamos falando de doenças leves e corriqueiras, que passam rápido e não necessitam de cuidados extremos – como por exemplo uma internação.


 



Arquivado em: SaúdeSono do bebê Tags:

Deixe seu comentário