Sabe qual é a pergunta que 10 entre 10 mães se fazem, depois que o filho nasce? “Quando é que meu filho vai dormir a noite toda?”!

Mesmo que seu filho durma relativamente bem, acorde poucas vezes durante a madrugada, tenho certeza de que você já se perguntou isso, não é mesmo? E comigo não foi diferente: imaginem que passei quase um ano e meio com essa dúvida, pois Catarina demorou para emendar horas seguidas, sem chorar! Mas será que isso acontece com todos os bebês? E as histórias dos pequenos que começam a dormir oito horas seguidas desde os primeiros meses, são mesmo verdadeiras? Qual é o segredo das mães que conseguiram essa proeza? No post de hoje, as respostas da nossa querida consultora de sono Michele Melão! Não deixe de ver, a matéria tem muitas informações importantes!

Por Michele Melão

Publicidade

Então a família resolve ter um bebê. E além de todas as mudanças na casa, na vida, nos relacionamentos, nas prioridades e valores, vem também uma mudança bastante difícil de lidar – o cansaço extremo, devido à privação do sono. Quem não tem filhos, ou quem tem filhos que dormem como anjos, não tem ideia do que é passar noites e noites sem dormir adequadamente. Além do esgotamento, a falta de sono gera falta de memória, perda da concentração, confusão metal e muitos outros problemas de saúde.

Imagem: 123RF

Imagem: 123RF

O post de hoje é sobre um “sonho” de muitos pais e mães – dormir uma noite inteira, sem precisar levantar para atender seu filho que começou a chorar, e acordar descansados, para aproveitar o dia ou trabalhar.

Um dos principais fatores que vão ajudar seu bebê a dormir a noite toda é a alimentação – portanto, a partir dos 6 meses, com a aceitação dos alimentos sólidos e desde que não haja contra-indicação do pediatra (ou seja, desde que seu filho esteja com o peso e desenvolvimento adequados), não há mais necessidade do pequeno receber leite materno ou fórmula durante a madrugada. Para um bebê que mama uma boa quantidade de leite durante o dia, come frutas, tem almoço e jantar, dormir de madrugada certamente se torna mais importante para seu desenvolvimento e crescimento do que comer. Portanto, bons hábitos de sono, alimentação e atividades o ajudarão a diminuir o trabalho do sistema digestivo durante a noite, fazendo com que ele pare de sentir fome de madrugada. Uma forma eficaz de auxiliar o corpo do seu bebê a fazer isso é ajustar seu relógio interno, começando e terminando o dia sempre no mesmo horário. Mesmo que pareça tentador deixar seu filho dormir por mais tempo pela manhã, não ter um horário para acordar pode ser desastroso para os próximos dias, porque bagunçará os horários da alimentação, das sonecas e, principalmente, da hora de dormir à noite. Meu conselho é que mesmo que seu filhote não tenha dormido muito bem, tente começar o dia e as atividades normalmente e, se for necessário, aumente um pouco o tempo das sonecas para que ele não fique muito cansado.

Quando o bebê completa 4 meses, os hábitos de sono mudam bastante. Muitos bebês que dormiam a noite toda passam a acordar de hora em hora, enquanto outros passam a dormir por 6 ou 7 horas seguidas (o que é considerada uma noite inteira para esta idade). A partir desta fase, é muito importante que os pais comecem a desassociar comer de dormir – ou seja, o pequeno deve receber o alimento, mas não deve adormecer mamando. O ideal aqui é começar a alimentar logo no início do ritual do sono, para que esse ritual continue com outras atividades (e o bebê não fique condicionado à rotina de que comer e dormir são habilidades iguais, de que um precisa do outro para acontecer). Outra alternativa, além de mudar o horário da alimentação, seria substituir este hábito de comer por um novo comportamento que ajudará o bebê a relaxar e entrar na primeira fase do sono (sonolência). Pode ser uma leve massagem, uma música, uma história, um pequeno embalo, e o filhote deve ir para o berço sonolento, mas ainda acordado.

É importante alertar os pais de que o esforço para mamar até os 4 meses é imenso, deixando os bebês extremamente cansados (e esse é um dos motivos deles dormirem por mais tempo, mesmo quando adormecem sugando). Porém, a partir dos 6 meses, dormir mamando se torna uma das associações de sono mais difíceis de se quebrar, e muitas crianças passam a acordar 5 vezes ou mais durante a noite, com a necessidade de mamar para se acalmar, e não porque estão com fome. Esse é o principal motivo desse alerta aqui do post, para acabar com a associação dos 4 aos 6 meses.

Publicidade

Além da alimentação, o sono é regulado pela temperatura e níveis hormonais – assim, manter a temperatura adequada no quarto do bebê e diminuir o ritmo no fim do dia podem ser grandes ferramentas para ajudar seu filho a relaxar.

Cada bebê é único e tem necessidades diferentes, portanto, apesar da maioria das crianças estarem aptas a dormir a noite toda a partir dos 6 meses, seu filho pode ter um outro padrão. Esse padrão vai depender muito da rotina, de como ele é colocado para dormir, da alimentação, do ritmo da casa e da personalidade da criança. Para ensinar seu filho a dormir, todos esses aspectos precisam ser observados. Porque com uma boa alimentação e uma saúde perfeita, se seu bebê não dormir a noite toda a partir dos 6 meses, certamente se trata de um problema comportamental, que pode ser trabalhado com carinho, paciência, consistência, e, muitas vezes, com o uso das técnicas corretas para lhe dar a oportunidade de desenvolver a habilidade de auto-conforto e conseguir emendar os ciclos de sono, sem precisar de ajuda.

Uma última dica para os pais é investir em um objeto de transição. As crianças precisam de segurança para dormir, e ter um companheiro no berço a partir dos 6 meses pode ajudar bastante seu filho a relaxar e voltar a dormir.

michele melão selo