As leitoras que acompanham o Instagram do Mil Dicas de Mãe já sabem: no mês passado, eu e Catarina estivemos no Salinas de Maceió Resort (e continuamos nossa viagem até o Salinas de Maragogi, sobre o qual eu falarei em breve aqui no blog – o post completo já está aqui). E nossa viagem foi tão bacana, o hotel tão acolhedor e preparado para famílias, que eu achei interessante compartilhar essa experiência com vocês – eu voltaria muitas vezes, pois aproveitamos muito!

Mas vamos começar pelo trajeto: partimos de São Paulo (Congonhas) com destino ao aeroporto de Maceió, fazendo uma escala em Brasília (há vôos diretos, mas com uma tarifa maior ou horários não tão convidativos. É uma questão de escolher entre pagar um pouco mais, partir de um aeroporto menos central (Guarulhos ou Viracopos) ou encarar uma saída durante a madrugada). Chegamos então à capital alagoana, onde teríamos um trajeto de cerca de 50 minutos até o resort. “Puxa, mas vale a pena, se há hotéis mais centrais?”. Na minha opinião, vale e muito: a praia de Ipioca, onde o Salinas de Maceió está localizado, é muito mais tranquila e limpa do que as mais próximas ao centro da cidade (pode-se considerar que é quase exclusiva dos hóspedes, porque só há algumas poucas casas no mesmo local). E o tempo de transfer é menor do que para Maragogi, o que pode facilitar a vida das mamães e papais com bebês ou crianças pequenas, que não aguentam muito tempo de viagem.

A recepção foi tranquila, e em pouco tempo chegamos ao quarto, voltado para os jardins do hotel. Ele acomodava bem dois adultos e uma criança – como minha sogra foi conosco, era exatamente o que precisávamos. A cama do casal é bem grande (se seu filho gosta de terminar a noite na sua cama, vocês não terão dificuldade!), e uma cama de solteiro é colocada para o terceiro hóspede. Aliás, as crianças de até 12 anos, acomodadas no mesmo quarto, não pagam. Há outras configurações disponíveis de camas que você pode pedir, e outros tipos de quarto preparados para famílias com mais filhos ou familiares. A dica, se você estiver com carrinho, é pedir um apartamento térreo (é legal saber também que todas as partes do hotel têm acesso fácil para ele).

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Publicidade
Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Mesinha no quarto. Imagem: Arquivo Pessoal

Em relação à alimentação, eu fiquei muito satisfeita com o resort (na verdade, até superou minhas expectativas quando percebi que em muitos dias tivemos lagosta à vontade – coisa que está cada vez mais rara, mesmo nos hotéis de alto padrão). Para quem está com bebês, sempre há uma sopinha disponível no buffet – elas são suaves, e agradam o paladar dos pequenos. Como as comidinhas são bem variadas, haverá algo de que seu filho gostará: há opções de de carnes, peixes, aves, massas nos almoços e jantares, e o café da manhã conta com pães, bolos, iogurtes, sucos naturais, cereais, frutas. Difícil é voltar com o mesmo peso, porque há ainda três lanches, totalizando 6 refeições diárias. Cá entre nós, você tem comida servida quase o dia inteiro, com pequenos intervalos. As bebidas não estão inclusas, mas o preço é bem razoável. No fim, me senti quase em um all-inclusive (mas sabendo que a diária é quase metade do que, em geral, se gasta em resorts nos quais tudo está incluído. Ou seja, um custo-benefício muito, muito, muito bom!).

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Publicidade
Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Lagosta! Imagem: Arquivo Pessoal

Lagosta! Imagem: Arquivo Pessoal

Vista do hotel pela janela do restaurante. Imagem: Arquivo Pessoal

Vista do hotel pela janela do restaurante. Imagem: Arquivo Pessoal

A estrutura para crianças do Salinas de Maceió também é bem gostosa. Como já comentei, a praia é bonita, limpa, com pouca gente, o que torna a experiência familiar mais gostosa. O mar tem ondas (não é uma “piscininha”, como em Maragogi), mas as crianças conseguem aproveitá-lo no raso. Lembre-se de levar bonés e filtro solar de alto fator de proteção, porque o sol é forte (como amanhece cedo, por volta de 5:30h, íamos cedinho para a areia, ou no fim da tarde, com o calor mais ameno).

Praia em frente ao resort. Imagem: Arquivo Pessoal

Praia em frente ao resort. Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Imagem: Arquivo Pessoal

Publicidade

Algo que me conquistou na estrutura de lazer para crianças do resort (e que eu gostaria que houvesse em todos os hotéis) é uma área ao ar livre, mas coberta, com brinquedos para os pequenos (um navio pirata que Catarina amou, escorregadores, etc). Nos horários de sol forte e à noite era o local em que ficávamos, porque continuávamos com a sensação de estar brincando em um ambiente externo, mas protegidos do sol. Ao lado há um parquinho com balanços, casinha de madeira, mais brinquedinhos e a sede do Clubinho do Siri, que atende crianças entre 4 e 12 anos de idade, com atividades das 8h às 22h. Para os menorzinhos, você pode contar com o serviço de baby-sitter, que é contratado à parte.

Diversão externa em área coberta. Imagem: Arquivo Pessoal

Diversão externa em área coberta. Imagem: Arquivo Pessoal

Diversão externa em área coberta. Imagem: Arquivo Pessoal

Diversão externa em área coberta. Imagem: Arquivo Pessoal

Clubinho do Siri. Imagem: Arquivo Pessoal

Clubinho do Siri. Imagem: Arquivo Pessoal

Parquinho. Imagem: Arquivo Pessoal

Parquinho. Imagem: Arquivo Pessoal

Ah, e as piscinas, claro! Há uma infantil, para os pequeninos, e uma maior, com uma parte rasa, que também atende as crianças. Uma ponte a separa da parte mais profunda, onde os adultos sem filhos se concentravam. A poucos metros dali já havia areia e quiosques grandes (dá para ficar mais protegido do sol do que em um guarda-sol convencional), que eram os preferidos das famílias com bebês e carrinhos.

Área das piscinas. Imagem: Arquivo Pessoal

Área das piscinas. Imagem: Arquivo Pessoal

Piscina infantil com 50 cm de profundidade. Imagem: Arquivo Pessoal

Piscina infantil com 50 cm de profundidade. Imagem: Arquivo Pessoal

Catarina curtindo as piscinas. Imagem: Arquivo Pessoal

Catarina curtindo as piscinas. Imagem: Arquivo Pessoal

Ainda sobre a infra-estrutura para os filhotes, vale a pena comentar sobre a baby copa, que fica ao lado do Clubinho e funciona 24 horas por dia. Com microondas, cooktop, utensílios para fazer papinhas, mamadeiras. Lá você encontra também vários tipos de leite, achocolatados, cereais, todos etiquetados, com a data de validade. E preciso comentar sobre o atendimento dos funcionários em geral: simplesmente excelente (a lâmpada do meu quarto queimou e solicitei a troca. Fui à piscina e quando voltei, o problema já estava resolvido. Além disso, acharam a boia de Catarina na piscina, me ligaram no quarto para confirmar que era dela, e guardaram na recepção até que eu pegasse!).

Enfim, recomendo como destino para famílias do Brasil inteiro (percebi que os hóspedes vêm realmente dos quatro cantos do país, e que quem vai uma vez acaba voltando, porque gosta do resort e do atendimento – elogiado por muitas mães com quem conversei). Fica como dica de viagem para o ano inteiro!

Para saber um pouco mais sobre o Salinas de Maceió Resort, clique aqui.

selo