Se o título do post de hoje lhe soou familiar, tenho certeza de que Peppa Pig faz o maior sucesso aí na sua casa. Aqui, como vocês já sabem, Catarina é doida pela porquinha (não importa o que esteja fazendo, se o “Oinc Oinc” começar a tocar, ela para tudo para assistir ao desenho). Por mais estranho que pareça, até eu gosto da animação (certa vez escrevi na fan page que a filhota já havia dormido e eu ainda estava com a Peppa na minha frente! Foram tantos os comentários que passei a acreditar que, vez ou outra, várias mães também já se pegaram assistindo às histórias da família Pig sem os filhos).

Apesar de gostar do desenho e achá-lo apropriado para as crianças pequenas, uma coisa começou a me incomodar. Primeiro, bem de leve, a ponto de achar que eu estava exagerando na cisma. Até que, outro dia, Catarina reproduziu exatamente a fala de Peppa em nossa casa: “papai bobinho!”. Dias depois, foi a minha vez de ouvir: “mamãe bobinha!”. E passada mais uma semana, todos começaram a virar “bobinhos” para a filhota.

Inocentemente, Catarina usava a palavra “bobo” sem saber seu significado. E se mamãe e papai entendiam o contexto em que ela havia aprendido a fala, outras pessoas (principalmente as de mais idade) não o conheciam. E sim, ficavam chateadas.

papai pig

Publicidade

 

 

Claro que não é por esse motivo que proibirei Catarina de assistir ao desenho. Muito pelo contrário. Acho que é um bom exemplo de como, mesmo em um simples programa para bebês e crianças de 3, 4 anos de idade, podemos ficar atentas a fim de modular o aprendizado que nossos filhos têm com ele. Se por um lado acho ótimo que ela tenha incorporado ao seu vocabulário palavras como “atalho”, “acampamento” (que tenho certeza de que foram aprendidas com a Peppa), por outro preferi interferir para mostrar que não é tudo o que a personagem fala que é legal (e então substituímos o “bobinho” por “sapequinha”).

Agora, quando faço algo que a pequena acha engraçado, sou chamada de “mamãe sapequinha”. Para nossa família, soa muito melhor. E você, já pensou sobre o assunto? Tem alguma opinião formada? Deixe seu comentário!