Então Se seu filho está resfriado há alguns dias, fica mexendo insistentemente na orelha e sem mais nem menos começou a ter febre, é melhor ficar esperta! Pode ser que ele esteja com dor de ouvido.

A má notícia é que você muito provavelmente vai passar por isso: a otite, como é chamada pelos médicos, é a segunda infecção mais comum na infância – até os cinco anos de idade, cerca de 70% das crianças já passaram por isso.

A boa é que mesmo sendo muito incômoda (para o seu filho e, consequentemente, pra você) pode ser rapidamente resolvida com o tratamento adequado. Muitas vezes, por estar associada a gripes ou resfriados, fica difícil diagnosticar a dor de ouvido – sobretudo quando a criança ainda não fala.

criança com dor de ouvido

Criança com dor de ouvido. Fonte: Freepik

Publicidade

Por isso, vale a pena ficar atenta a alguns sintomas: além da febre, da dor e da irritação, os pequenos costumam também sentir dificuldade em engolir – é comum bebezinhos empurrarem a mamadeira e crianças maiores se recusarem a comer. Mau cheiro e secreções provenientes do ouvido também podem aparecer.

Vamos conversar um pouco mais sobre dor de ouvido, então? Certamente é um assunto sobre o qual é importantíssimo estar bem informada!

Mas o que provoca a dor de ouvido, afinal?

Antes de saber como a infecção começa e onde ela se instala, é preciso ter uma ideia da estrutura do ouvido. Há três partes: o ouvido externo, que consiste na orelha e no canal auditivo externo (onde se forma a cera); o tímpano; e a parte mais interna, chamada pelos médicos de ouvido médico.

A dor de ouvido pode começar a partir de um acúmulo de secreção no ouvido médio, causado por gripes, resfriados e alergias. Nesse caso, é chamada de otite média, costuma ser bem dolorida (em geral acompanhada de febre) e deixa a criança com aquela sensação de que o ouvido está “tampado”.

Uma segunda possibilidade é que a infecção se instale apenas no ouvido externo. Nesse caso é mais branda e está geralmente associada a fatores como a umidade.

Dá para prevenir a dor de ouvido?

criança com dor de ouvido

Criança com dor de ouvido. Foto: Freepik

Publicidade

Sim, você pode tomar alguns cuidados para evitar que o seu filho passe por isso. No caso da otite externa, que é mais comum no verão, quando as crianças usam a piscina e vão à praia, enxugue bem o ouvido do seu filho, usando uma toalha para tirar o excesso de água.

Nada de cotonete: além do risco de machucar, ele pode remover a cera, que é a proteção natural do ouvido. Já quando se fala em otite média, a incidência aumenta no outono. Os resfriados e alergias são mais comuns por causa da queda da temperatura e do aumento da poluição.

Evite expor seu filho ao cigarro e mantenha-o bem agasalhado, para evitar resfriados e gripes, que podem ser o estopim. Vacinar seu bebê contra gripe é outra medida interessante.

A amamentação é um grande aliado contra a otite, uma vez que o leite materno contém anticorpos que são passados pela mãe e que evitam que o bebê pegue um resfriado.

No entanto, evite amamentar seu bebê deitado, principalmente quando ele ainda é bem pequeno. O leite pode escorrer para o ouvido, infiltrando-se no canal auditivo e causando a inflamação. No primeiro ano de vida a incidência da dor de ouvido é altíssima, atingindo 2/3 dos bebês.

A dor de ouvido pode causar problemas mais graves?

menino com dor de ouvido

Menino com dor de ouvido. Foto: Freepik

Publicidade

Felizmente, apesar de provocar bastante desconforto, a dor de ouvido raramente tem consequências mais severas. Somente em casos extremos, em que não há tratamento adequado, as infecções podem perfurar o tímpano.

Se sair um pouquinho de sangue ou de pus do ouvido da criança, pode ser que já exista alguma lesão (não necessariamente que o tímpano esteja perfurado). Nesse caso, é preciso ir ao médico imediatamente.

Também vale prestar atenção aos casos reincidentes de dor de ouvido porque a otite de repetição, como é chamada pelos médicos, pode ter como sequela perda auditiva. Uma das causas mais comuns das reincidências de otite no bebê é o refluxo gastro-esofágico; não deixe de conversar com o pediatra de seu filho, se ele apresentar vários episódios.

Qual é o melhor tratamento?

Eu sei que dá aquele desespero ao ver seu filhote com dor e incomodado, mas resista ao impulso de partir direto para o antibiótico. No caso de infecção no ouvido externo, o tratamento pode ser feito apenas com aquelas gotinhas que o médico prescreve.

Já no caso da otite média, aquela causada pelo acúmulo de secreção na parte interna do ouvido, a amoxilina, costuma fazer parte do tratamento. Isso porque, nesse caso, é preciso combater bactérias como a Streptococcus pneumoniae, causadora mais comum da infecção.

Mesmo assim, é importante dizer que há casos de dor de ouvido em que o médico não recomendará o antibiótico (quando não houver sinal de infecção bacteriana), pois o caso se resolverá apenas com a saída da secreção resultante do quadro gripal ou resfriado.

Antes de utilizar qualquer medicamento, lembre-se de que consultar um médico é indispensável: só ele pode prescrever o melhor tratamento para cada caso.

Posso fazer alguma coisa para diminuir o desconforto?

criança com dor de ouvido

Criança com dor de ouvido. Fonte: Freepik

Para aliviar os sintomas da infecção, use um pano seco aquecido com ferro de passar roupa, pode ser uma dessas fraldinhas de pano ou uma bolsa de água quente no ouvido. O calor diminui a dor, funcionando como uma espécie de anti-inflamatório.

Nada de colocar pano molhado ou pingar azeite quente no ouvido (como se fazia antigamente) – isso pode contribuir com o acúmulo de secreções que estão causando a dor.

Tudo o que você fizer para ajudar na eliminação da secreção que se instala no bebê em decorrência de uma gripe ou resfriado também ajudará na dor de ouvido associada. Por isso hidrate bastante o bebê e lave seu nariz várias vezes por dia com soro fisiológico. Fazer inalação com soro fisiológico também é recomendável nesses casos.

Diagnóstico

Com queixas de otalgia, deve-se consultar um otorrinolaringologista. Um diagnóstico preliminar já é feito pelo exame visual, quando são encontrados sinais de trauma no ouvido externo, supuração ou liquorreia, protuberâncias tumorais no canal auditivo.

Para estabelecer a causa da dor, métodos informativos instrumentais e de diagnóstico laboratorial estão incluídos no esquema de exame:

  • Otoscopia. O exame com otoscópio é um método simples para diagnosticar otite média, neoplasias e furúnculos. Assim, o estudo revela hiperemia cutânea, edema ou retração da membrana timpânica, secreção purulenta. Mas se a doença complicar pela destruição da membrana auditiva, durante a otoscopia, o médico verá as estruturas da cavidade timpânica.
  • Audiometria. Um conjunto de métodos diagnósticos é prescrito para determinar a presença de deficiência auditiva e o grau de sua gravidade. Então para a obtenção de um quadro clínico completo, utiliza-se diversos tipos de pesquisas: fala, audiometria tonal ou computadorizada.
  • Raio X do osso temporal. Os métodos de raios-X permitem estudar em detalhes a estrutura do ouvido interno e médio. As imagens radiográficas mostram fraturas ósseas, sinais de inflamação ou destruição do processo mastoide, deformação de estruturas devido ao crescimento de neoplasias.