Olá, queridas leitoras do blog!

Hoje eu venho com um tema polêmico, que divide opiniões entre as mães por aí: deixar o bebê chorar para aprender a dormir.

Acho que o sonho de todas as mães é que, miraculosamente, depois de poucos meses acordando de madrugada para mamar, o bebê começasse a dormir a noite inteira (o que para mim significaria dormir pelo menos das 22h às 6 da manhã) sem que a mãe tivesse que fazer nada para isso acontecer. Se isso aconteceu com você, considere-se uma sortuda. Muitas, muitas (vou repetir de novo) MUITAS mães que conheço não sabem o que é isso. Seus bebês continuam a acordar uma, duas, até três vezes numa noite mesmo após 1 ano de idade. E aí, a mãe que a uma altura dessas já virou um trapo, sai lendo tudo o que encontra pelo caminho que a ajude a dormir. Ou melhor, que ajude o bebê a dormir sem interrupções.

Com certeza uma das técnicas mais conhecidas para fazer o bebê dormir a noite toda é deixá-lo chorar. E aí há quem defenda que você deve deixá-lo chorar pelo tempo que for necessário, sem ir a seu encontro (mesmo que isso signifique 20, 30 minutos, 1 hora, …) ou, em uma forma mais “amena” de treinamento, promover o que se chama de choro controlado. A técnica de choro controlado foi intensamente difundida por dois autores: Richard Ferber e Eduard Estivil, esse último o autor de um dos livros mais lidos pelos pais aqui no Brasil – o “Nana Nenê” (atenção: há um outro livro chamado Nana Nenê cujo autor é o Garry Ezzo, que tem outra filosofia). Basicamente a técnica diz que você deve deixar o bebê no berço e sair do quarto, para que ele aprenda a dormir sozinho, sem ajuda de embalo, mamadeira, música, ou da sua simples presença (pois quando ele acordar de madrugada conseguiria voltar a dormir por si só). Obviamente o bebê irá chorar, e você volta ao quarto para acalmá-lo em intervalos crescentes, mas sem grandes interações (ou seja, fique pouco tempo, não o pegue no colo, etc, etc, etc). E há quem diga que se você fizer direitinho, o bebê chorará cada vez menos tempo (digamos que 1 hora na primeira noite, meia hora na segunda, até que em cerca de 1 semana ele dormirá como um anjo a noite toda).

Publicidade

Bem, acredito que para muitas mães e pais a técnica do deixar chorar resolve o problema. Aliás, sei de muitas mães que fizeram isso e tiveram sucesso, com bebês que começaram a dormir a noite toda com poucos meses (a recomendação é que você só inicie o “treinamento” após os 6 meses). Mas conheço também mães que tiveram um sucesso parcial (o bebê começa a dormir a noite toda e depois volta a acordar, seja porque ficou doente, seja porque teve algum fato marcante que o deixou com medo/excitado). E nesse caso, a cada recaída, tiveram que aplicar a técnica novamente.

E conheço mães que não se deram bem com a ideia de deixar chorar, entre as quais eu me incluo. Seja porque acharam sofrimento demais ver o bebê chorando por tanto tempo (sim, porque há bebês que depois de no máximo 30 minutos desistem de chorar e dormem; e há aqueles que ainda não se entregaram depois de 2 horas de lágrimas), seja porque não tiveram paciência de tentar até que ela desse resultado. E então eu confesso: deixar minha filha chorar (eu tentei por algumas noites, que não foram muitas) me provocava um sentimento TÃO ruim que era muito, muito pior do que acordar e ficar com ela até que dormisse novamente. Mesmo que isso significasse que ela acordaria ainda por muitos meses, ou até mais de ano. Está certo que em geral, depois de completar 6 meses de idade, Catarina acordava 2 vezes durante a noite, e depois de um tempo apenas 1 vez. Não era um ritmo tão insano como mães que são chamadas a cada 2 horas a noite inteira (e por isso eu não julgo ninguém, acho que cada mãe deve fazer o que acha melhor para sua família). E voltava a dormir em pouco tempo, desde que eu desse uma mamadeira (aos 4 meses eu tirei a mamadeira da madrugada, mas depois voltei a dar por volta dos 8 meses, porque era bem mais rápido fazê-la dormir mamando). Sei bem que não era fome, era apenas uma forma de acalmá-la para dormir novamente.

Resumindo o que acho sobre deixar chorar:
– Avalie se isso funciona para a SUA família, para o SEU bebê. Pode ter funcionado com o filho da vizinha, da irmã, da amiga, mas pode ser que não funcione para você.

– Só tente se você estiver confortável com a ideia (é claro que durante o processo você pode se sentir mal em deixá-lo chorar, mas você tem que sentir que isso é o melhor para a sua família). Se você estiver a ponto de explodir porque não dorme e está certa de que vale o desgaste de aplicar a técnica para ter um bebê que dorme a noite toda, tente. Do contrário, passe longe disso. Não adianta tentar o que vai contra sua natureza. Há outras formas de se conseguir dormir (pelo menos um pouco mais do que você tem dormido), e eu falo sobre isso no post de amanhã.

– Considere que há bebês mais treináveis, e outros menos. Há bebês que param de chorar mais facilmente, outros que irão chorar por horas (aliás, podem até vomitar enquanto choram). E considerar a individualidade do seu bebê é no mínimo uma questão de respeito.

– Se você optar por não deixar chorar, isso não significa que tenha que correr para o berço ao menor sinal de choro. Muitas vezes o bebê estava apenas resmungando, e quando você entra no quarto ele acorda de vez. Permitir que ele resmungue ou te chame por alguns minutos e não responder pode ser benéfico (com isso eu consegui que eu muitas noites minha filha voltasse a dormir sozinha). E o que eu percebi: quando ela dorme melhor durante o dia (na hora certa, pela quantidade de tempo certo; nem mais, nem menos), é bem mais provável que ela volte a dormir sozinha quando acordar de madrugada. Mas se o sono diurno desviar um pouquinho do que é o ideal, ela simplesmente precisa de uma ajuda extra para dormir – como uma mamadeira, ou um carinho).

Publicidade

E você, caro leitor ou leitora do blog, o que acha de deixar chorar para dormir? Você tentou? Deu certo? Compartilhe aqui sua experiência, para que outros pais conheçam diversas opiniões!