Olá, queridos amigos do blog!

Você tem problemas com as sonecas do seu filho? Elas nunca passam de 45 minutos, e você acha que seu filho não descansa o necessário? É, para a maior parte dos bebês, sonecas de menos de 1 hora não são reparadoras, mesmo que o sono noturno tenha sido de qualidade (o sono da noite não substitui as sonecas até que a criança tenha pelo menos 3 anos de idade).

Durante os primeiros meses da Catarina (eu diria que isso durou no mínimo 9 meses), era MUITO, MUITO difícil que ela tirasse sonecas longas, e isso quase me enlouqueceu. Eu tinha um bebê constantemente cansado, estressado, que chorava o dia inteiro, e eu sabia que GRANDE parte do problema estava nas sonecas curtas demais. E olha que eu me esforçava para esticar as sonecas, normalmente sem sucesso. Eu monitorava a soneca e quando ela estava acordando, eu corria para ver se conseguia fazer ela pegar no sono novamente: balançava, botava no peito, andava de carrinho… E nada adiantava (e quando eu conseguia, não sabia exatamente porque NAQUELE dia tinha dado certo).

Até que de tanto tentar, de tanto estudar o assunto, descobri algumas coisinhas, que partilho aqui com vocês (se for útil para o seu bebê, que está nessa mesma condição, ficarei muito feliz em ter ajudado!). Vamos lá, o que então você pode fazer para esticar as sonecas:

Publicidade

1) Esteja próxima ao bebê quando ele acorda e estimule-o a continuar dormindo (faça o que normalmente você faz para ele dormir). Se ele ficar alguns minutos acordado sem essa ajuda, pode ser que não durma mais (e aí você já sabe: chora, fica chato, chora mais um pouco…). Continue nesse processo por pelo menos 20 minutos, ou, quando você colocá-lo no berço, provavelmente ele acordará de novo.

2) Se você mora em um local frio ou fresco pode ser uma ótima ideia enrolar o bebê, para que ele não se mexa muito. Quando o bebê se mexe demais, involuntariamente (porque ainda não coordena os movimentos), isso pode facilitar as acordadas antes do momento ideal.

3) A chupeta pode ser uma grande aliada nessa hora (eu não tinha essa facilidade, e sei que para bebês que não usam chupeta normalmente é bem mais difícil se acalmar; não deixe de ler minha opinião sobre o uso de chupetas nesse post). Coloque na boca do bebê para estimulá-lo a continuar dormindo.

4) Coloque o bebê para dormir junto de você (se você se sente à vontade com isso). Até hoje (Catarina tem 1 ano e 3 meses), quando minha filha acorda e me vê dormindo, dorme mais 45 minutos, totalizando 1 hora e meia. Sei que nem sempre é possível, mas considere isso na hora de desespero.

5) Mantenha a rotina. Acostumar o bebê a dormir sempre nos mesmos horários facilita a regulação do sono.

6) Não demore para colocar o bebê para dormir. Se ele “passar do ponto”, será mais difícil fazer com que ele pegue no sono e continue dormindo após o breve despertar (o sono será muito mais agitado!). Indícios de que o bebê já está no ponto de dormir: boceja, coça os olhos, olhar vidrado, puxa as orelhas…

Publicidade

7) Faça o que for preciso para que o bebê descanse. Se as sonecas são constantemente curtas, seu filho pode ficar tão estressado que não pegará no sono durante o dia de jeito nenhum. E chora porque quer dormir e não consegue! Em casos extremos, acho que vale a pena até apelar para métodos pouco ortodoxos, como colocá-lo no carro para dar uma volta. Não, não é para você fazer sempre, mas se você não cortar esse ciclo de sonecas curtas e bebê cansado, será cada vez mais difícil para o bebê (e para você, que nesse ponto já deve estar completamente cansada de ouvir tanto choro e não conseguir fazer nada).

8) Sons calmantes (os chamados ruídos brancos) podem ajudar a prolongar a soneca. Tente ligar um ventilador, um rádio fora de sintonia, um secador de cabelos quando o bebê acordar precocemente e mantenha esse som ligado por pelo menos 20 minutos (que é o tempo que o bebê demorará para aprofundar o sono).

9) Dica importante, se você já tentou todas as anteriores sem sucesso: pode ser que seu bebê esteja dormindo demais à noite, e por isso não durma muito durante o dia. Sim, já foi comprovado que para muitos bebês o total de horas dormidas no dia se mantém constante (fonte: Livro Bom Sono, Richard Ferber). Vamos supor que para a idade do seu bebê, o natural seria que ele dormisse 12 horas por dia, distribuídas em 9 horas de sono noturno e 3 horas de sono diurno, dividido em 2 sonecas de 1 hora e meia. Se seu bebê dorme 11 horas à noite, sobra apenas 1 hora para as sonecas (conclusão: ele vai tirar 2 sonecas de 30 minutos!). Encurtar o sono da noite pode resolver o problema, deixando mais horas de sono diurno para o bebê (mas se você for fazer essa mudança, lembre-de de tentar por pelo menos uma semana, pois ajustes no sono demoram para acontecer; nesse período, seu filho pode ficar bem irritado, mas se você já tentou todo o resto sem sucesso, acho que vale a pena a mudança). No caso da Catatrina, funcionou MESMO! Para saber como se distribuem as horas de sono para a idade do seu bebê, leia esse post aqui).

10) Paciência. A parte boa é que se nada der certo, tudo tende a melhorar para você. Com o passar do tempo, o sono do seu bebê ficará mais profundo, e menores são as chances dele acordar precocemente. O ciclo de sono, que inicialmente é de 45 minutos, também se alonga. E ficando mais velho, seu filho naturalmente precisará de menos horas de sono diurno e não ficará tão afetado com as sonecas curtas. Pode acreditar, tudo melhora, experiência própria!

E você, também passou por essa dificuldade? Conta pra gente como lidou com a situação!