Regressões de sono: do nascimento até 18 meses, explicadas!

Por 0 Comentários


Dormir é uma habilidade que se aprende. E, apesar de todas as crianças serem capazes de desenvolver esse aprendizado durante os primeiros meses de vida, existem muitos obstáculos nesse caminho, entre elas as famosas regressões de sono.

Muitas vezes fica difícil entender estas mudanças no comportamento de sono dos bebês. De repente, de um dia para o outro, a criança começa a dormir mal e não há nada de diferente na rotina dela, que justifique essa alteração. Nesse caso, você pode suspeitar das regressões de sono.

Além do sono difícil, o comportamento da criança muda. O fato de não dormir bem pode deixar o bebê irritado, mais chorão, alterar a alimentação e consequentemente trazer grandes preocupações e cansaço para os pais e cuidadores. E o pior é quando somos pegos de surpresa, não sabemos quando elas vão acontecer e como será o provável comportamento da criança.

No post de hoje, quero falar aqui com as leitoras do Mil Dicas de Mãe sobre estes períodos que, apesar de serem difíceis, fazem parte do desenvolvimento da criança. Eles são perfeitamente normais e quando temos a informação do que pode acontecer, fica mais fácil lidar com a situação!

regressões de sono
Imagem: 123RF

Regressão dos 4 meses

Ela pode acontecer até os 6 meses, mas geralmente afeta o sono dos bebês aos 4 meses e meio. É uma mudança no ciclo de sono da criança, e geralmente ela passa a acordar a cada 2 horas. Este despertar é sinal de desenvolvimento. Na verdade, é uma evolução, e não uma regressão. Entretanto, se a criança não consegue dormir sozinha, pode precisar de ajuda diversas vezes de madrugada.

Uma criança que dorme mamando pode precisar mamar a cada duas horas, ou mesmo a cada hora, apenas para conseguir iniciar mais um ciclo de sono, levando as famílias a uma grande exaustão. Com o colo é a mesma coisa. A criança que dorme sendo ninada pode precisar voltar para o colo de alguém para iniciar outro ciclo de sono.

Como é bastante improvável que seu filho tenha fome ou precise de colo a cada hora ou a cada duas horas de madrugada, você precisa avaliar a forma como ele adormece. O ideal aqui é começar um processo de aprendizagem de sono, onde você deve colocar o bebê ainda acordado no berço, para que ele desenvolva ferramentas de auto conforto. Estas ferramentas não vão impedir o despertar da criança, mas vão ajudar para que ela volte a dormir sem precisar da ajuda.

Regressão dos 8 meses

Ela pode ocorrer entre 8 e 10 meses, mas geralmente acontece com 8 meses e meio. É uma das mais difíceis de trabalhar, porque existem diversos outros fatores durante esse período que mexerão com o sono do bebê.

Além da regressão do sono, é uma fase de ansiedade de separação, geralmente dentição e um aprendizado motor muito forte (a criança aprende a rastejar, engatinhar e rola com facilidade). Para deixar o sono mais difícil ainda, é uma fase onde a maioria das crianças faz a transição de 3 para 2 cochilos por dia, então ainda é necessário fazer um ajuste de rotina.

Essa regressão faz com que muitas famílias iniciem hábitos que não eram feitos até então, como por exemplo voltar a mamar de madrugada ou ter que ninar a criança até dormir (várias vezes por noite).

A dica aqui é não iniciar qualquer hábito para acalmar a criança que depois vocês não querem manter. Continuem com o processo de aprendizagem de sono e se não for possível colocar o bebê acordado no berço, tente ficar sentada, com seu filho no colo, até que ele adormeça, mas sem ninar ou alimentar até que ele durma.

Regressão dos 12 meses

Acontece geralmente aliada a outro aprendizado motor muito marcante – a criança aprende a andar. E quem quer dormir quando há uma oportunidade tão grande de explorar os ambientes? Muitas crianças negam a soneca por estarem muito agitadas e com vontade de praticar esse aprendizado e acabam passando do ponto.

A dica aqui é ter um ritual de soneca bem repetido, tentar diminuir o nível de energia da criança pelo menos 20 minutos antes do horário do sono e, se seu filho resistir e quiser pular um dos cochilos, ao menos tenha um tempo de descanso.

Aumente um pouco o tempo do ritual de sono noturno, para que ele tenha mais tempo para relaxar e fique perto do seu filho até que ele durma, mas não abra mão de colocá-lo acordado no berço, se essa é a forma que ele dormia antes.

Essa regressão dura cerca de 2 semanas.

Regressão dos 18 meses

Essa regressão também dura cerca de 2 semanas e é associada ao desenvolvimento da linguagem do bebê. É uma fase onde as crianças passam para um cochilo por dia (podem passar um pouco antes disso, a partir dos 15 meses) e geralmente atinge o sono do dia (a criança não quer fazer soneca). Ou a criança pode ter um despertar de madrugada e passar muito tempo para conseguir voltar a dormir.

Aqui a dica é o ajuste da rotina para uma soneca apenas, preferencialmente no meio do dia, logo após o almoço, de no máximo 2 horas, além do ritual de sono repetido e consistente.

O mais importante durante as regressões é que os pais não criem hábitos de sono que a criança não precisava anteriormente. Pode ser um período difícil, seu filho pode precisar de mais ajuda para relaxar, mas não é necessário mudar a forma como vocês tratam o sono do seu filho. Em todas as regressões a criança pode ficar mais agitada e mais nervosa. Saiba que essa fase vai passar e, se novos hábitos não forem criados, logo seu filho voltará a ter um sono mais tranquilo. A criança que sabe dormir sem ajuda certamente passa pelas regressões de sono com mais facilidade e logo recupera os bons hábitos.


 



Arquivado em: Sono do bebê Tags:

Deixe seu comentário