O óleo de coco costuma ser um grande aliado na gastronomia, de azeites a cafés, e na estética, dos cabelos ao rosto. Mas, uma das maiores vantagens do óleo, ainda é pouco conhecida. Você sabia que ele pode ser um grande aliado na sua saúde íntima? 

Sim, o óleo 100% natural e puro (um pouquinho diferente daquele usado na cozinha) é muito recomendado para higiene íntima feminina, remédio preventivo e até lubrificante. 

Confira a seguir como usar o óleo e quais seus benefícios. 

Para que serve o óleo de coco na rotina de saúde íntima? 

Fundo branco com coco cortado ao meio, pote transparente com óleo de coco e colher de madeira com óleo de coco. Foto: Freepik

Publicidade

A composição do óleo de coco virgem é ácido caprílico e ácido láurico, conhecidos como hidratantes naturais. Ele também tem capacidade de manter o pH vaginal equilibrado. Por causa disso, ele pode ser usado de diversas maneiras na região íntima:

  • Tratamento de infecções: uma das vantagens do óleo de coco é sua ação bactericida e fungicida. Ele pode agir como coadjuvante no tratamento de infecções como candidíase e até mesmo de maneira preventiva! 
  • Durante o sexo: mulheres que sofrem com a lubrificação ou fissuras vaginas podem aproveitar o óleo de coco como um lubrificante natural. Tanto durante o sexo, quanto após, para hidratação. 
  • Alívio da menopausa: a atrofia vaginal é uma das características da menopausa. A condição é marcada por coceira, infecções frequentes e dores ao urinar ou ter relações sexuais. O óleo de coco ajuda a aliviar esses sintomas e proporcionar mais conforto às mulheres. 
  • Pós-depilatório: a região costuma ficar sensível depois da depilação. No lugar de cremes excessivamente industrializados, o óleo de coco pode ser uma opção para aliviar o desconforto. 
  • Hidratação da vulva e ânus: muito suscetíveis a alergias e irritações, ambas as partes íntimas podem fazer bom uso do óleo de coco natural como hidratante. 

A maneira correta de aplicar o óleo na região íntima 

óleo de coco

Mulher de calça jeans branca com as mãos posicionadas no baixo abdomên e na região íntima. Foto: Freepik

Mesmo que defendido por grande parte dos ginecologistas, ainda não há uma pesquisa a longo prazo que defenda uma periodicidade exata para o uso. O recomendado é que, primeiramente haja um acompanhamento médico. Segundo, conforme sua necessidade, o óleo pode ser aplicado uma vez por dia, após o banho. 

Sobre a aplicação, fica a seu critério. Ela pode ser feita por meio de aplicadores vaginais ou com os dedos, desde que bem higienizados. Passando o óleo em toda a região da vulva (externa), perianal ou introduzida na vagina. Conforme o objetivo do uso, como tratamento de infecções vaginais ou hidratação. 

O que deve ser evitado é o uso do óleo junto com produtos de látex, como preservativos. O risco é grande porque o óleo pode fazer com que o preservativo seja degradado e perca sua eficácia! 

Qual óleo comprar e como guardar? 

óleo de coco

Diferentes formas de óleo de coco em três recipientes diferentes. Foto: Freepik

Publicidade

Para as gestantes, recomendamos o óleo de coco fracionado, sem cheiro. Mais agradável para os olfatos sensíveis e os enjoos comuns na gestação. Já quem não tem problemas com aromas, pode usar o óleo de coco extra virgem. Como ele possui consistência mais sólida, acaba se tornando mais prático para aplicar. Qualquer um dos dois pode ser usado na forma líquida, armazenado em um local fresco. Ou, armazenado na geladeira, para obter uma temperatura mais fria e maior consistência. 

Outras curiosidades sobre o óleo de coco na rotina

óleo de coco

Mulher de toalha braca na cabeça em fundo rosa escovando os dentes. Foto: Freepik

Além dos benefícios na região íntima, o óleo de coco pode contribuir para outras condições medicinais, de emagrecimento, e até para questões de saúde. Tudo isso de forma natural! Agindo de maneira coadjuvante em outros tratamentos. Confira mais sobre esses benefícios abaixo:

  • Ajuda na queima de gordura: os triglicerídeos de cadeia média (muito encontrados em lacticínios também) tem capacidade de aumentar o gasto de energia. Um estudo descobriu que 15 a 30 gramas desses triglicerídeos diariamente pode aumentar o gasto em 5%. Esse valor, considerado em 24h, equivale a 120 calorias por dia com um consumo a longo prazo! 
  • Melhora nos níveis de colesterol no sangue: as gorduras saturadas presentes do óleo de coco ajudam a elevar o colesterol bom (HDL). Um estudo realizado com 40 mulheres, mostrou que o óleo de coco ajudou a reduzir o colesterol ruim (LDL), aumentando o colesterol bom em relação às mulheres consumidoras de óleo de soja.
  • Antisséptico bucal e estética: existe uma terapia chamada oil pulling (bochecho com óleo de coco) que promete matar bactérias nocivas na boca, melhorando a saúde dental e reduzindo o mau hálito. Nos cabelos, o óleo de coco tem função de protetor solar! Bloqueando até 20% dos raios ultravioletas. Na pele, ele serve como hidratante, aumentando o conteúdo lipídico da cútis. 
  • Redução de convulsões: a dieta cetogênica (rica em gordura e pobre em carboidrato) mostra um bom desempenho no tratamento se epilepsia infantil. Como o óleo de coco possui uma grande concentração de TCM, ao chegar no fígado, ele é transformados em corpos cetónicos. Isso significa que o óleo pode contribuir na dieta, permitindo um pouco mais de carboidratos e agindo na diminuição das convulsões. 
  • Ajuda no tratamento de Alzheimer: um estudo feito em 2006 mostra que o consumo de TCMs demonstrou uma melhora imediata na função cerebral. O que pode aliviar os sintomas de pacientes, em sua maioria idosos, que sofrem com o Alzheimer.