Ao descobrir uma gestação, se engana quem pensa que o pré-natal diz respeito apenas aos exames ginecológicos e obstétricos. O cuidado com a saúde durante a gravidez deve contemplar todo o corpo, inclusive a saúde bucal! A dor no dente é um dos sintomas periodontais mais comuns entre as gestantes e deve ser levado a sério. Confira abaixo o porquê. 

Causas da dor de dente na gravidez 

Prótese dentária mordendo um instrumento. Foto: Freepik

Durante a gestação, o corpo da mãe passa por inúmeras alterações fisiológicas, alimentares e hormonais que comprometem diretamente a saúde bucal da gestante ou podem agravar problemas que já existiam antes:

  • O aumento hormonal do nível de estrogênio e progesterona promovem uma série de mudanças na saúde bucal, como paladar sensível, dor de dente na gravidez e aumento da estimulação das glândulas salivares. 
  • A ação vasodilatadora pode corresponder a sangramentos mais frequentes da gengiva da gestante e consequentemente gengivite. 
  • Enjoos frequentes e muito acentuados costumam alterar o pH da saliva, desequilibrando a proteção bucal e contribuindo para o acúmulo da placa bacteriana – responsável por problemas como cárie. 
  • Alterações da imunidade e na saúde mental: uma queda imune ou alterações de humor podem contribuir para a saúde bucal. 

É importante ressaltar que, mesmo que esses sintomas sejam recorrentes em diversas gestações. Não significa que eles sejam normais. Toda alteração, dor e sangramento bucal deve ser encaminhado imediatamente para um profissional da saúde para que o tratamento correto seja feito, sem que haja consequências para a saúde da mãe e do bebê. 

Publicidade

Como se prevenir da dor de dente na gravidez

Escova e pasta dental. Foto: Freepik

Um acompanhamento médico de confiança e com boa periodicidade é a melhor maneira de prevenir problemas periodontais durante a gestação. Ao descobrir a gravidez, conjunto ao pré-natal ginecológico, deve ser feito o pré-natal odontológico. Retornando ao médico, pelo menos, de três em três meses conforme o tratamento indicado. 

Fora as consultas, a higiene e a atenção à saúde odontológica deve ser redobrada: escovação correta e uso de fio dental. Com a excitação de uma nova gestação e um mundo repleto de novidades, muitas gestantes acabam deixando a saúde bucal de lado. Até mesmo por causa de complicações como o paladar e as gengivas sensíveis ou o excesso de enjoo. Porém, é essa falta de atenção que agrava situações como o acúmulo da placa bacteriana. 

Os tratamentos para problemas odontológicos na gestação 

Mulher loira com criança em consulta ao dentista. Foto: Freepik

Não existe um tratamento padrão para todos os casos. Cada caso deve ser avaliado por um dentista em conjunto ao obstetra para que o tratamento correto seja feito. Evite apelar para receitas caseiras, como bochechos com líquidos e compressas. Automedicação e autotratamento podem agravar a situação bucal ou comprometer a saúde do bebê. O uso de qualquer medicamento, anestésico ou anti-inflamatório deve ser recomendado por um profissional que tenha consciência do seu caso. 

Para tratamentos mais invasivos, prefira fazer apenas o urgente e necessário durante a gestação. Deixe outros tratamentos, como intervenções estéticas, para depois do parto. 

Publicidade

Os riscos que uma saúde bucal precária pode trazer à gestação 

Cirurgiões usando lupas cirurgicas. Foto: Freepik

Problemas periodontais graves podem desenvolver em partos de prematuros, bebês PIG e quadros de pré-eclâmpsia. Uma revisão de estudos das universidades Pedagógica e Tecnológica da Colômbia e Miguel Hernández de Elche, na Espanha, indicou que gestantes com periodontite (infecção que destrói a gengiva até os ossos que dão suporte aos dentes) tem duas vezes mais chances de ter um parto prematuro que outras gestantes. 

A causa da infecção é principalmente o agravamento da placa bacteriana (que pode ser causado por tabagismo, obesidade, poucos hábitos de higiene, alterações hormonais, etc.), que causa a gengivite e consequentemente a periodontite. 

Essas bactérias não se limitam apenas a região bucal, são capazes de atingir o corpo inteiro navegando pela corrente sanguínea. Caso o útero seja um dos locais afetados, o sistema imunológico passa a produzir mais prostagladina. Ela, por sua vez, ajuda no combate mas também induz ao parto. 

 

Esse é apenas um dos cenários em que um problema periodontal afeta diretamente a gravidez. Os problemas que evoluem para complicações durante a gestação são muitos. Por isso, o acompanhamento médico e o tratamento recomendado é tão importante desde o descobrimento da gestação, até passada ela. Lembrando que, mesmo que os sintomas sejam recorrentes em diferentes gestações, isso não significa que eles não são importantes ou que são comuns! Qualquer alteração, procure um médico.

Publicidade