A intolerância à lactose em bebês pode ser motivo de preocupação, uma vez que eles são incapazes de ter sua única fonte de nutrição, o leite materno.

Neste post fornecemos todas as informações sobre intolerância à lactose e maneiras de lidar com a condição para manter o bebê saudável e nutrido.

O que é intolerância à lactose em bebês?

A intolerância à lactose, também chamada de intolerância ao leite ou hipolactasia, é uma condição em que o bebê é incapaz de digerir a lactose, um tipo de açúcar encontrado no leite de todos os mamíferos.

A intolerância ocorre devido à incapacidade do intestino delgado de produzir níveis suficientes da enzima chamada lactase.

Publicidade

A lactase decompõe a lactose em moléculas mais simples, mais fáceis para o corpo absorver. Uma insuficiência ou ausência de lactase impede a quebra da lactose, levando à intolerância à lactose.

A intolerância à lactose pode ser primária, secundária ou congênita, causada por diferentes razões.

Tolerância à lactose e alergia ao leite são iguais?

intolerância à lactose

Foto: Freepik

Não. A intolerância à lactose é uma incapacidade de digerir a lactose, porque o intestino delgado não produz lactase nenhuma ou suficiente. Ou seja, é uma incapacidade do organismo para digerir adequadamente o carboidrato chamado lactose.

A alergia ao leite é uma reação alérgica do corpo contra uma das proteínas do leite. Assim, a alergia ao leite é a resposta hiperativa do sistema imunológico às proteínas do leite, o que leva a sintomas como vômito agudo após ingestão, erupções cutâneas, inchaço da face etc.

O sistema imunológico não contribui para a deficiência de lactase e a intolerância à lactose não é um tipo de alergia alimentar.

Publicidade

A sobrecarga de lactose nos bebês ocorre quando a mãe produz excesso de leite rico em lactose (o primeiro a sair da mama) em comparação com leite rico em gordura (que é o último a sair durante a mamada). Essa condição faz com que o bebê ingira mais lactose do que pode.

Aprender sobre os sintomas da intolerância à lactose ajuda a diferenciar entre a condição e alergia ao leite ou sobrecarga de lactose.

Quais são os sintomas da intolerância à lactose?

Foto: Freepik

Esses sintomas de intolerância à lactose se manifestam 30 a 120 minutos (duas horas) após o consumo de qualquer leite, incluindo leite materno, fórmula à base de leite e até leite de vaca:

  • Dor abdominal e cãibras: A criança enrola as pernas ou esfrega a barriga, indicando que está se sentindo desconfortável com essa parte. O pequeno pode chorar repetidamente devido à dor.
  • Inchaço e flatulência: A barriga do bebê parecerá inchada e o bebê terá gases com frequência. A barriga ficaria rígida devido ao ar preso e a criança pode gritar, mesmo quando você pressiona a barriga suavemente.
  • Diarreia aquosa: As fezes ficam finas e resultam em diarreia aquosa. As fezes podem ter um cheiro forte devido à sua alta acidez causada pela lactose não digerida.
  • Náusea e vômito: O vômito segue a náusea e o bebê fica doente o tempo todo.

Vale a pena consultar o pediatra do seu filho e relatar esses sintomas, pois o não-tratamento pode piorar a condição do bebê.

Como diagnosticar uma criança intolerante à lactose?

Um diagnóstico médico verificará se o bebê tem intolerância à lactose. Para isso, certamente ele pedirá o seguinte teste:

Publicidade

Teste de fezes

O teste de fezes é o teste de intolerância à lactose ideal para bebês. Uma amostra de fezes é coletada e sua acidez (nível de pH) é analisada. Se as fezes forem altamente ácidas, isso indica a presença de lactose não digerida.

Como a lactose é composta por galactose e glicose, o teste de fezes também verifica o excesso de glicose.

Outros testes de intolerância à lactose

menina com mamadeira

Foto: Freepik

Existem outros testes de intolerância à lactose também, mas para adultos. Esses testes podem agravar os sintomas em bebês, pois requerem consumo deliberado de lactose.

Por exemplo, o teste do nível de hidrogênio mede o nível de hidrogênio na respiração. Altos níveis de hidrogênio indicam lactose não digerida no corpo.

Outro teste é o exame de sangue em que os níveis de glicose são medidos. Ambos os testes exigem o consumo prévio de uma bebida rica em lactose após várias horas de jejum, o que não é recomendado para bebês.

Algumas outras maneiras de detectar a intolerância à lactose são biópsia intestinal (coleta de amostra intestinal) e análise de genes (sequenciamento genético). A biópsia intestinal é invasiva e pode ser dolorosa, enquanto o sequenciamento genético é caro.

Um teste de fezes, fácil e indolor, é amplamente utilizado para diagnosticar intolerância à lactose em bebês.

O diagnóstico confirmado é um passo em direção ao tratamento da doença e à prevenção de ataques repetidos de sintomas.

Como tratar a intolerância à lactose em bebês?

mãe e bebê

Foto: Freepik

A intolerância primária à lactose (de causa genética) geralmente não acomete o bebê, uma vez que essa deficiência de lactase só começa após os 3 anos de idade (embora sua origem esteja ligada aos genes). Assim, um bebê pode obter nutrição adequada do leite materno e de outros produtos à base de leite antes disso.

A intolerância secundária é temporária, e por isso pode ser tratada (diferente da primária, que não tem tratamento). A incapacidade temporária de digerir a lactose pode ser induzida por gastroenterite bacteriana, curável pelo uso de antibióticos, por exemplo. Outras causas para a intolerância temporária são a alergia ao leite de vaca, a giardíase (parasitose) e a gastroenterite viral.

Já a intolerância congênita à lactose é extremamente rara e se manifesta logo ao nascimento, e o bebê deve viver para sempre com essa condição e evitar produtos lácteos por toda a vida.

Tem como prevenir a intolerância à lactose?

Não há como prevenir a intolerância à lactose, pois na maior parte das vezes sua origem é genética, e não pode ser curada ou alterada. Felizmente, a condição pode ser gerenciada e uma criança pode viver uma vida saudável com ajuda.

Amamentando uma criança intolerante à lactose

amamentação

Foto: Freepik

Você pode alimentar o bebê sem lactose para que ele receba nutrição adequada. No entanto, o primeiro alimento da vida de um bebê é o leite materno, que é rico em lactose.

  • Intolerância primária à lactose: O intestino delgado do bebê produz eficientemente lactase até por volta dos 3 anos de idade. Por isso, durante a amamentação ele não terá problemas com o leite materno (o problema e o diagnóstico surgem mais tarde).
  • Intolerância secundária (temporária): A mãe pode amamentar o bebê após o médico confirmar que o bebê está novamente tolerante à lactose.
  • Intolerância congênita: Nesse caso é recomendada uma fórmula sem lactose para nutrição do bebê.

Alimentos para bebês intolerantes à lactose

bebê comendo papa

Foto: Freepik

Fornecer nutrição adequada a um bebê intolerante à lactose é a maior preocupação para os pais. O leite é uma excelente fonte de cálcio e vários micronutrientes.

A ausência de leite na dieta de um bebê deixa um vácuo que parece difícil de preencher. No entanto, alguns alimentos nutritivos podem reabastecer e substituir o leite com eficiência na dieta de um bebê:

  • Fórmula à base de soja: É feita a partir da proteína de soja e é naturalmente livre de lactose. É um substituto ideal para o leite materno e também pode ser usado para crianças mais velhas. Ela é enriquecida com micronutrientes e cálcio para o crescimento saudável do bebê.
  • Leite e fórmula sem lactose: Algumas fórmulas são à base de leite, mas sem a presença de lactose. O avanço da tecnologia alimentar também permitiu a exclusão da lactose do leite, mantendo seu valor nutricional.
  • Legumes: Legumes como espinafre, brócolis e feijão verde são uma excelente fonte de cálcio para bebês com mais de seis meses.
  • Carne e ovos: Os ovos são ricos em vitaminas, enquanto a carne é uma excelente fonte de micronutrientes essenciais para a imunidade do corpo. Um bebê intolerante à lactose no desmame pode ser alimentado com uma combinação de carne e ovos. As carnes e os ovos são seguros para serem introduzidos aos seis meses.

Esses alimentos fornecem os nutrientes que um bebê teria recebido do leite. Especialistas afirmam que os pais também podem considerar dar suplementos de vitamina e cálcio ao bebê intolerante à lactose, mas somente após uma discussão com o médico.

É importante focar na substituição do leite, assim como evitar alimentos que são fontes ocultas de leite.

Alimentos a serem evitados por um bebê intolerante à lactose

comidas de bebê

Foto: Freepik

Alguns alimentos são uma fonte indireta de lactose, pois contêm leite:

  • Pão de leite
  • Comida para bebê processada: vários alimentos prontos para consumo contêm o açúcar do leite, que é a lactose.
  • Biscoitos: podem conter leite em pó.
  • Alimentos como panquecas e bolos: os bebês mais velhos podem comer, mas se são intolerantes à lactose, devem evitar esses alimentos, pois o leite é um dos ingredientes.

Bebês com intolerância leve à lactose podem tolerar produtos lácteos cultivados, como iogurte e queijo. Porções menores de leite também podem não ter efeito adverso. No entanto, é melhor consultar um médico antes de dar ao seu bebê qualquer coisa com leite.

É fácil gerenciar a intolerância à lactose e, com as devidas precauções, o bebê pode ter um crescimento e desenvolvimento sólidos.

Você quer compartilhar mais alguma dica para gerenciar a intolerância à lactose em bebês? Conte-nos na seção de comentários!