Um dos grandes marcos nos últimos meses de Catarina foi a transição do berço para a cama. Na verdade, ao montarmos seu quarto durante a gestação, compramos um berço que virava mini-cama, por isso ela continua dormindo no mesmo lugar, agora adaptado a uma menininha. Confesso a vocês que a mudança foi muito mais intensa para mim do que para ela. Afinal, o berço estava intimamente ligado à minha ideia de que minha filha continuava sendo um bebê. Assim, a substituição das grades por outras, que permitiam que ela entrasse e saísse quando quisesse, era mais um indicativo de que a pequena estava crescendo.

pijama 14

Para Catarina, a saída do berço foi libertadora. Em muitos sentidos. Agora ela podia sair não só da cama, como também do quarto, a hora que quisesse. Com isso, em algumas noites passamos a receber sua visita (vocês não imaginam o susto!), e a levá-la de volta para seu quarto (claro que nem sempre ela concorda numa boa, mas tentamos seguir esse caminho mesmo assim). E com uma pequena dificuldade aqui (por exemplo, ela caiu da cama duas vezes – na segunda já escorada por um edredon que eu havia deixado para essa eventualidade), ou ali, demos a tarefa como concluída com êxito.

Engraçado como, sem saber, conduzimos a transição do berço de Catarina de acordo com as dicas de uma super consultora de sono que, a partir de hoje, passa a ser nossa parceira no blog. Apresento a vocês a Michele Melão, que se especializou em sono infantil nos EUA e hoje ajuda muitas mães que têm dificuldades com o sono dos filhos. Depois de muito conversar com ela, senti que a Michele tem uma sensibilidade muito grande para identificar o ritmo da família, e propor soluções de acordo com o perfil dos pais e da criança. Muito bacana mesmo!

Publicidade

Seja bem-vinda, Michele! E que você possa ajudar muitas mães insones que acompanham nosso blog! Agora, com vocês, as dicas da Michele para uma tranquila transição do berço para a cama, que, afinal, é o tema de hoje:

 

A idade correta faz grande diferença

Não tenha pressa para fazer esta mudança, a não ser que seu bebê esteja escalando o berço, correndo o risco de se machucar, ou se outro bebê chegou e você precisa daquele berço. Se seu bebê tiver de 2,5 a 3 anos, a transição será mais tranquila, porque ele entenderá melhor o momento de mudança.

 

Comunique seu filho com antecedência e deixe que ele participe da mudança

Publicidade

A partir dos 2,5 anos, os bebês adoram sentir que são parte das decisões da casa. Converse com seu filho sobre um quarto novo, um lençol novo, e, se possível, leve-o para opinar sobre a compra da nova cama. Tudo ficará mais fácil se ele estiver seguro do que vai acontecer. Alguns ficam ansiosos e adoram o momento da grande mudança.

 

Faça uma análise para ter certeza de que o momento é correto para a transição

Talvez uma mudança dessa não seja ideal no momento em que a família esteja passando por problemas de sono,  se algo triste aconteceu (como a perda de algum bicho de estimação ou de um parente próximo), ou mesmo logo após a chegada de um irmão. A criança pode precisar de um tempo para se adaptar a uma nova realidade. No caso da chegada de um irmão, deixe que a criança participe da decisão sobre o melhor momento de doar seu berço para o recém-chegado. Um recém-nascido normalmente dorme no carrinho ao lado da cama da mãe, e não há motivo para desocupar o berço nos primeiros dias.

 

Os pais também precisam planejar a transição

Publicidade

Converse com seu parceiro e com todas as pessoas envolvidas com a vida do bebê para acertar os detalhes da transição antecipadamente. O que fazer se a criança começar a acordar para ir para a cama dos pais, ou chamar por eles? E se ela sentir medo? A atitude deve ser firme, com regras estabelecidas e todos devem agir da mesma forma (seja qual for a decisão a ser tomada). O comprometimento de todos dará segurança ao pequeno e evitará problemas de sono futuros.

 

Estabeleça regras desde o início

É muito importante deixar claro para a criança que os hábitos de sono adequados, os horários e as regras devem ser seguidos da mesma maneira que acontecia no berço, desde o primeiro dia da transição. Muitas crianças aproveitam a oportunidade da mudança para tentar dormir na cama dos pais, assistir mais televisão ou dormir tarde. Use a oportunidade de fazer combinados para melhorar os hábitos, lembrando que crianças são muito mais espertas e negociadoras do que pensamos. Se sua intenção é fazer com que seu filho durma no quarto dele, deve ser levado para o quarto quantas vezes forem necessárias, caso saia da cama. Persistência neste caso é a chave do sucesso.

Veja também: Dicas para que a transição do berço para a cama seja um sucesso!

Mudar seu filho da cama para o berço pode ser divertido e uma boa oportunidade de melhorar os hábitos de sono do seu filho. O melhor a fazer é relaxar e curtir este momento!

michele