Se você está procurando uma consultora de amamentação ou já teve problemas com fissuras nos seios antes ao amamentar, com certeza já deve ter ouvido falar em laserterapia. A técnica é uma das mais procuradas na hora de cuidar dos seios e tratar da cicatrização dos machucados formados por uma pega errada do bebê.  

Confira a seguir tudo sobre o tratamento, os benefícios e quando ele é realmente recomendado. 

O que é a laserterapia?

A laserterapia é uma ferramenta terapêutica que auxilia a cicatrização de fissuras nos mamilos. O laser, diferente daquele usado em tratamentos cirúrgicos e de depilação, tem baixa intensidade e promove o aumento da vascularização, reparos nos tecidos cutâneos, síntese de colágeno e controle da dor e inflamação. Essa que pode acarretar problemas mais sérios se não tratada, como mastite, infecções e desmame precoce. 

Quando a laserterapia é recomendada

Bomba de leite, bicos de silicone e absorventes de seio. Foto: Freepik

Publicidade

Diferente do que se imagina, o tratamento por laser não é protagonista para a melhora das fissuras nas mamas. Antes de recorrer ao laser, alguns cuidados podem ajudar na cicatrização ou até mesmo evitar que as fissuras aconteçam:

  • Basta uma pega errada para que o peito machuque. Por isso, ter um acompanhamento ou uma orientação na hora de dar a primeira mamada é importante. 
  • Tomar cerca de 10 a 15 minutos de sol nos seios nus, já em fase de amamentação, ajuda na cicatrização das feridas. 
  • Evitar o uso de sutiãs apertados, conchas de amamentação, absorventes e blusas grossas também ajuda a promover uma cicatrização mais rápida e evitar a proliferação de bactérias. A melhor coisa é deixar os seios respirarem, andando sem blusa ou usando apenas tecidos finos e leves. 
  • Não faça receitas caseiras como esfoliação e casca de banana nos mamilos. Tenha sempre a instrução médica e a recomendação de um especialista na hora de tentar outros procedimentos.

Se, mesmo com todos os cuidados, os seios livres e as instruções médicas cumpridas, o peito ainda não estiver cicatrizando, a laserterapia pode ser uma opção. Mas, ela não faz milagre sozinha, cuidar dos seios e seguir as recomendações médicas é essencial para que o processo seja bem-sucedido e realmente auxilie na cicatrização das feridas. 

A pomada queridinha para o tratamento 

Além das indicações de manter os peitos arejados e tomar uma quantidade de sol saudável, a pomada de Lanolina é grande aliada. Ela é, basicamente, uma pomada hidratante semelhante ao bepantol. Age na pele de maneira que forma uma barreira impermeável e evita que o corpo perca mais água e consequentemente a pele se resseque mais. 

Há marcas específicas para amamentação no mercado, como a Lansinoh HPA Lanolin (cerca de R$60 uma embalagem de 40g). Recomenda-se o uso diretamente nos mamilos logo após o final da mamada. Alguns especialistas acreditam que não há problema dar de mamar com a pomada ainda no peito, visto que há marcas que produzem o remédio de maneira comestível. Mas, antes de fazer isso, recomendamos que alinhe com seu médico ou consultora de amamentação. 

Como amamentar enquanto as fissuras ainda não cicatrizadas 

Mulher amamentando bebê na cama. Foto: Freepik

O processo de cicatrização não é instantâneo. Então, naturalmente, até que as fissuras se fechem por completo, algumas mamadas ainda serão permeadas com dor e muitas vezes sangue. 

Publicidade

Mas, isso não significa que a mamãe deva parar de amamentar completamente. Os traços de sangue no peito, ou o leite rosado não fazem mal algum para o bebê e podem ser administrados normalmente. Recomenda-se o interrompimento da amamentação caso a mãe esteja sentindo muita dor. Nesse caso, a ordenha pode ser feita manualmente e o leite dado em um copinho para a criança. Senão, tudo bem continuar amamentando ou alternando os seios. 

O valor do tratamento em laserterapia e os profissionais responsáveis

Cada sessão dura em média 5 minutos por mama, e variam de R$90 a R$150. Com o atendimento no consultório ou na casa da paciente. 

Sobre os profissionais recomendados, o Brasil não tem uma lei que proíba ou que defina as especializações necessárias para a administração no laser. Por isso, é comum que desde médicos ginecologistas até doulas, consultoras e fonoaudiólogas estejam aptos para aplicar o laser. Desde que tenham o treinamento necessário.

A procura de um profissional especializado e bem recomendado é super importante, porque mesmo sendo um laser de baixa potência, sua má administração pode causar queimaduras ou resultados indesejados!