De universidades a maternais, a estrutura escolar como conhecemos foi paralisada por causa do Covid-19 e as recomendações de distanciamento social contra a alta proliferação do vírus. Agora, grande parte dos alunos (e pais) de todo o globo procuram se adaptar à educação à distância por meio de computadores, tablets e smartphones. 

Ainda não há datas sobre quando a rotina “normal” possa voltar sem colocar em risco a vida da população, por isso, se adaptar aos novos desafios é essencial. O uso da tecnologia e das diretrizes do ensino à distância, podem marcar também uma nova maneira de educar e desenvolver crianças e adolescentes de todas as idades.

Por isso, separamos algumas dicas para tirar de letra a educação à distância e aproveitar o melhor que ela tem a oferecer. 

 

Publicidade

Rotina é essencial e vale até vestir o uniforme 

Menina de uniforme. Foto: Freepik

É normal que sem o deslocamento cotidiano, as crianças fiquem confusas e demorem a entender que o período não é de férias. Então, antes de exigir grandes notas e desempenhos, organize a rotina da casa! E isso vale para todas as idades, das crianças até os adultos. 

Manter os mesmos horários de dormir e acordar, os intervalos de refeição e o momentos de descanso faz toda a diferença na hora da adaptação. Se ajudar, vale inclusive usar o uniforme na escola. É uma estratégia para distanciar o momento do aprendizado e da concentração, dos momentos de descanso e lazer. 

Esse quadro de horários deve incluir também as atividades da escola a serem feitas, possíveis provas e avaliações e os horários de entrega de todo necessário. Assim, é possível dividir as atividades por dia, sem ter que se desesperar no último minuto e fazer tudo correndo! O bom acompanhamento dos afazeres aumenta o aproveitamento sobre o conteúdo, presencialmente e ainda mais na educação à distância – aposte em metas semanais!

 

Monte um cantinho do estudo 

 Assim como para os adultos não é uma boa ideia trabalhar da cama ou do sofá, para as crianças e adolescentes muito menos! Separe um espaço da casa, se possível, livre de distrações como televisão e celulares. Deixe apenas o essencial para o estudo. 

Publicidade

Importante também ter uma superfície e uma luz apropriada para leitura e escrita, e uma cadeira confortável. Ademais, capriche na ambientação do cantinho: material escolar, livros… Deixe os brinquedos para a hora do intervalo. 

 

Hora do intervalo, sim! 

Família brincando na sala. Foto: Freepik

Se for possível, marcar o intervalo na mesma hora que seria na escola, é uma ótima ideia! É o momento de descontração e relaxamento da criança e uma boa hora para fazer um lanche, ou brincar um pouco. Os pais podem aproveitar e combinar esse intervalo com o intervalo do home office também e aproveitar um pouquinho mais com os filhos! 

Aproveite e use o momento para perguntar o que ele está aprendendo, conversa sobre os temas estudados na semana. Ver o comprometimento e interesse dos pais é muito significativo para o desenvolvimento e a adaptação dos filhos. 

 

Publicidade

O papel dos pais não mudam, eles não são professores 

A didática e a designação das tarefas continua sendo papel dos professores! Os pais não devem ter a cobrança de ensinar seus filhos ou criar atividades. É claro que, a participação o incentivo e a ajuda são essenciais, mas da mesma maneira que seriam se as aulas fossem presenciais. Não tente resolver ou fazer as coisas para o seu filho! 

Caso haja uma ausência da escola ou de um professor em específico, é interessante entender esse posicionamento e viabilizar soluções para que a educação à distância não inverta papéis, nem sobrecarregue o aluno e o professor. Obviamente o ensino virtual não será idêntico ao físico, porém é necessário a organização e a paciência de ambas as partes para tirar o melhor da situação. 

 

Esteja apto também a propor soluções 

Acompanhar o ensino do seu filho de perto não ajuda apenas no desenvolvimento dele, mas na identificação de possíveis problemas. Se está percebendo que alguma matéria não pode ser feita com educação à distância ou que a criança ou adolescente está perdendo aprendizados essenciais à temática, proponha a reposição de aulas presenciais, sábados letivos ou oficinas extra-curriculares sobre os temas quando as aulas normalizarem. 

É dever das instituições de ensino adaptar o conteúdo, ter prazos mais flexíveis e esclarecer dúvidas e dificuldades dos alunos. 

 

Aproveite o momento, para apresentar novas fontes de aprendizado

Menina com fones de ouvindo usando o notebook. Foto: Freepik

Além de estar a par do que seu filho está aprendendo e mostrar interesse e preocupação, aproveite para incentivar a leitura de livros, podcasts, filmes e revistas sobre o assunto que está em pauta. 

O hábito o ajuda a conhecer outras maneiras de buscar aprendizado e também pode servir como um momento de lazer entre vocês dois, trocas de experiência e descoberta de novos assuntos! 

 

Essas são algumas dicas que podem servir como aquela luz no fim do túnel, mas entenda que o momento é delicado! É normal que seja difícil para todos a adaptação à nova rotina. Não se frustre se as primeiras tentativas de rotina não derem certo! O importante é encontrar uma fórmula de aprendizado e organização que beneficie cada um. Nem sempre essa fórmula será a mesma para todos os alunos!