Assim que cheguei em casa com minha filha, saindo da maternidade, ela dormiu por quatro horas sem acordar. Lembro que pensei naquele momento: “puxa, mas todo mundo reclama de cansaço com um bebê em casa, não pode ser muito difícil”. Quanto engano! Esse descanso não aconteceu por pelo menos um ano em minha vida: Catarina passou a chorar, e muito! Tanto que, em pouco tempo, me vi pensando em como escolher a chupeta para acalmá-la.

Antes de mais nada, devo dizer que sou dentista, e acredito que, se seu filho vive bem sem a chupeta, melhor impossível! Mas se seu bebê chora bastante, não sou radical a ponto de dizer que não se deva usá-la. Nesse caso, é importante que você faça a escolha da chupeta corretamente, para que ela cause a menor alteração possível dos dentes e da face da criança.

como escolher a chupeta

Imagem: 123RF

Mas como escolher a chupeta do bebê, afinal? Se você chegou até aqui, é o que deseja saber. Qual é o melhor material? Há um modelo que seja superior? Com ou sem argola? Escudo côncavo ou plano? Pois bem, aqui vão algumas dicas para você ter em mente quando fizer essa escolha:

Publicidade

Como escolher a chupeta do bebê – considerações importantes

Material

Há chupetas de látex (as mais antigas; se você, adulto, chupou chupeta, provavelmente usou uma de látex) ou de silicone. Prefira as de silicone, são mais resistentes à deformação quando esterilizadas, menos porosas (acumulam menos microorganismos) e duram mais.

Parênteses para minha experiência: minha filha Catarina quase não usou chupeta. Digo quase porque, durante uns dois meses, eu consegui que ela pegasse durante a madrugada (para acalmá-la e não ter que amamentar 3, 4 vezes na noite – nessa época ela acordava várias vezes, e eu sei que não era fome!). Durante o dia não tinha jeito, ela via a chupeta e ficava com raiva, jogava longe.

Tentei todas as marcas de silicone que encontrei, e nada! Acho que porque a chupeta de silicone é mais durinha, então se parece menos com o peito. Se esse for o caso do seu bebê, considere testar a de látex. Não citarei a marca (porque isso não é permitido aqui no Brasil), mas tentando ajudar as mães desesperadas: basta dizer que ela era inteirinha em látex, inclusive o escudo. Foi essa (horrorosa!) a única que deu uma “enganadinha” na Cacá nas minhas noites de desespero (sei de outros vários casos em que só essa chupeta resolveu, fica a dica!).

Formato do bico

Não há dúvida: na hora de escolher a chupeta do bebê, melhor optar pelo bico ortodôntico ao convencional, pois o dano à arcada dentária, principalmente com uso prolongado, é menor. Acredito que toda mãe saiba isso, mas não custa informar.

Veja também: Chupeta: acessório ou item de conforto?

Escudo

Melhor se for côncavo (é mais anatômico e cômodo para o bebê) e com furinhos (deixa a região ao redor da boca respirar, para diminuir a chance de proliferação de fungos. E também porque diminui o risco de asfixia, se for ingerido pelo bebê).

Publicidade

Veja também: Chupeta: dar ao bebê ou não?

Argola

Em geral a maioria das chupetas têm. Se o seu bebê ficar segurando e fazendo força contra os dentes o dia inteiro, é melhor trocar por um modelo que não tenha, para reduzir as chances de alteração nos dentes.

Por fim, acho importante salientar que em alguns casos a chupeta pode prejudicar a amamentação, pois alguns bebês fazem a chamada “confusão de bico” (e passam a não sugar com a mesma vontade o seio da mãe). A posição da língua do bebê também muda com a sucção da chupeta, o que pode alterar o crescimento ósseo da criança. Enfim, é fundamental ter isso em mente na hora de fazer sua escolha (até porque, se você optar em dá-la para seu bebê, saberá que ele deverá usar pelo menor tempo possível).

Veja também abaixo um vídeo importante para essa fase do seu filho: