Uma preocupação bastante comum na gravidez é o aumento da pressão arterial da gestante. De fato grávidas precisam ficar muito atentas a ela, pois a pressão alta na gravidez pode gerar perigos, como a temida eclâmpsia (que pode levar, infelizmente, ao aborto espontâneo). Por outro lado, a pressão baixa na gravidez é relativamente comum e, ao contrário da alta, não costuma representar risco, mas gera diversos incômodos.

Caso você esteja à espera de um bebê, é importante saber que quadros de pressão baixa na gravidez são frequentes. E que, consequentemente, você pode se sentir mais fraca. Mas para saber o que fazer quando a pressão cair e em quais momentos esses episódios merecem mais atenção, confira esse post, em que estão reunidas todas essas informações. Vem ver!

gestante deitada na cama

gestante deitada na cama. Foto: freepik

Pressão baixa na gravidez é mesmo normal?

É, sim. A pressão baixa (hipotensão) na gravidez é um reflexo fisiológico.

Publicidade

Durante a gestação, os vasos sanguíneos acabam se dilatando para fornecer mais sangue à placenta (e contribuir para o desenvolvimento do feto que está se formando). Como consequência, o fluxo acaba perdendo força, e a pressão cai.

Por esse motivo, a pressão baixa na gravidez pode ocorrer durante toda a gestação.

Contudo, as quedas são mais comuns no segundo trimestre, período de crescimento do bebê (quando o processo descrito acima fica mais intenso). Já no início e no final da gravidez, o mais comum é que a pressão suba.

gestante medindo a pressão

gestante medindo a pressão. Foto: freepik

Níveis normais de pressão arterial em fases da gravidez

Durante a gravidez, a pressão arterial é um sinal de saúde da mãe e do bebê. Nesse sentido, os médicos usarão os números para ajudar a diagnosticar quaisquer problemas subjacentes ou possíveis complicações.

A pressão arterial considerada normal é inferior a 120 por 80, ou seja, 120 milímetros de mercúrio (mmHg) é a leitura sistólica (durante a contração do coração) e é sempre o número superior no dispositivo.

Publicidade

O 80 mmHg é a leitura diastólica (quando o coração está em repouso entre os batimentos) e é o número mais baixo no dispositivo. Qualquer coisa abaixo disso é considerada uma leitura baixa, mas pode ser normal para muitas pessoas.

O médico geralmente diagnostica a pressão arterial baixa quando a leitura está em torno de 90 mmHg acima de 60 mmHg.

médico aferindo a pressão arterial

médico aferindo a pressão arterial. Foto: freepik

Durante as primeiras 12 semanas de gravidez, a mulher pode notar uma queda na pressão arterial. Esta pressão arterial baixa frequentemente permanecerá em um nível baixo durante o primeiro e segundo trimestres e aumentará novamente durante o terceiro trimestre.

Os médicos continuarão monitorando a pressão arterial nos dias que se seguem ao parto para verificar se há complicações pós-gravidez.

Quais os sintomas de pressão baixa na gravidez?

Você pode se sentir fraca, apresentar tremores, tonturas, dores de cabeça, notar que as mãos estão geladas (transpiração fria), a boca seca e, até mesmo, a visão mais escura (e turva).

Publicidade

Tudo isso é reflexo de pressão baixa na gravidez e geralmente são sintomas normais.

Mas preste atenção especialmente aos casos de tonturas, que podem levar a desmaios. Esses casos podem, sim, demonstrar riscos à mãe e ao bebê, e é importante que sejam levados ao médico.

Fique atenta também se perceber que as quedas de pressão estão muito recorrentes – às vezes a causa pode não ser apenas um reflexo da gestação, e é fundamental que o sintoma seja investigado por um profissional.

gestante deitada com a mão na testa e na barriga

gestante deitada com a mão na testa e na barriga. Foto: freepik

E o que eu faço quando minha pressão cair?

Durante os quadros de pressão baixa na gravidez, o mais recomendado é que você procure um local tranquilo para se sentar e respirar profundamente.

Lembre que, nessas horas, você também precisa de sódio, substância responsável pela retenção de líquidos e aumento do volume sanguíneo. Por isso, uma boa pedida pode ser a ingestão de uma bolacha água e sal.

Já aquela velha história de colocar um pouco de sal embaixo da língua é indicada apenas em casos extremos (como quando você sentir que vai desmaiar), porque o pico de pressão gerado pode incomodar.

Se não tiver à mão um salgado, o doce também ajuda. Isso porque a ingestão de glicose também faz com que o mal-estar passe. Enquanto estiver grávida, procure sempre levar um biscoitinho na bolsa, para as horas de aperto.

Caso você esteja em um ambiente onde consiga se deitar, essa também é uma boa alternativa. O ideal é deitar com as pernas elevadas, o que facilita o retorno venoso e contribui para a oxigenação dos órgãos vitais.

gestante deitada ao chão com as pernas elevadas

gestante deitada ao chão com as pernas elevadas. Foto: freepik

Tem como prevenir pressão baixa na gravidez?

Como vimos acima, a pressão baixa na gravidez é um reflexo fisiológico (ou seja, uma resposta do próprio corpo, gerada pela gestação), por isso não há como evitar totalmente sua ocorrência.

O que a mulher pode fazer é tentar preveni-la, evitando se colocar em situações que favoreçam as crises.

Fuja de locais muito quentes e com muitas pessoas (pois o calor dilata os vasos sanguíneos) e mantenha a hidratação e uma alimentação equilibrada (esteja sempre bem alimentada, comendo de três em três horas).