Ser mãe é se tornar a chata da casa

Por 23 Comentários


Há dias em que nem mesmo eu me aguento – pareço uma vitrola quebrada, pedindo dez, vinte, cinquenta vezes que Catarina deixe os brinquedos e vá almoçar, que coloque o uniforme para ir à escola, que pare de correr pela casa para tomar banho, que deixe tudo organizado e que finalmente deite na cama para dormir. Há dias em que eu me sinto uma verdadeira chata, que interrompe um passeio super legal da família porque a pequena deveria ter jantado ou dormido horas antes. Há dias em que eu me sinto a policial da rotina, a única estressada para que as coisas continuem em ordem e a casa funcione sem grandes intercorrências.

menina entediada

E, para ser muito sincera, nesses dias eu não consigo deixar de pensar na minha mãe. Sim, aquela que eu chamava secretamente de general da casa: “afinal, para que tanta ordem? Por que tanto estresse para que as coisas não saiam do rumo?”. E sabe o que é o pior: ela me avisou que um dia eu a entenderia. E depois do nascimento da pequena, eu passei a fazer exatamente o mesmo.

Eu era aquela mãe que voltava para a casa na hora da soneca – porque sabia que se não fizesse isso, Catarina ficaria chorosa, e me daria o dobro do trabalho. Eu era aquela mãe que não mantinha o bebê acordado para que ele visse a virada do ano (que ano? Catarina não sabia nem o que era amanhã, quanto mais ano novo!). E, com o passar do tempo, percebi que poderia haver uma certa flexibilidade na rotina – mas que era ditada pelo bem-estar da pequena.

Um bebê de poucos meses não consegue esperar uma hora com fome, mas uma menina de três anos pode passar uma hora do horário habitual do almoço (mas daí a dar a comida às quatro da tarde, é uma coisa bem diferente!). Provavelmente você não conseguirá manter um bebê de um ano acordado durante o réveillon; mas uma criança de quatro anos pode achar isso divertidíssimo. Ou seja, acho importante que em algumas ocasiões as regras sejam flexibilizadas, mas respeitando o limite do que é bom para o pequeno, e para toda a família.

Talvez ser mãe seja se tornar a chata da rotina, porque nós sabemos exatamente que o preço a ser pago, quando se extrapola esse limite, pode ser alto. Você começa pagando um pouquinho, quando o filhote se transforma no maior encrenqueiro do lugar porque está com fome. Depois começa a pagar mais, quando ele está com sono e resolve fazer o maior escândalo fora de casa. E pode terminar “deixando as calças”, quando o pequeno fica doente (porque é certo como matemática – criança que sai demais da rotina fica com seu sistema imunológico comprometido, e começa a pegar todas as infecções que encontra pela frente).

Aí, quando você pensa em tudo isso, acha que sai barato ganhar o título de chatinha da casa. De estressada, irritada, impaciente. Porque no fundo não importa que concordem com você; o mais importante é que a melodia da orquestra não desafine, porque tem o olhar atento do maestro.




Arquivado em: Papo de mãe Tags:

Comentários (23)

Trackback URL

Sites que possuem links para este Post

  1. Estudo mostra que mães "chatas" criam filhas mais bem-sucedidas : Mil dicas de mãe | 6 de agosto de 2015
  1. Puxa vida, falou e disse. Digo que sou a bruxa da casa por que é tudo isso que voce citou e muito mais rsrsrsr tenho dois filhos uma de 11 meses e outro de 4 anos ai ja viu neh kkkk

  2. Paola Gomes Carneiro H. Barbosa disse:

    Psiu… Falando de mim?
    Rs
    Perfeito Nivea! Sou a general da rotina, e se eu mesma me enrolo e atraso algo, fico aflita.
    Beijos.

  3. Tudo igual mesmo. Aqui em casa falo pro meu filho João Gabriel de 7 anos que sou chata porque sou a mãe. Alguém tem que despenhar este papel não é mesmo?

  4. Sou desse jeito…gosto de cumprir horários …têm que ter hr pra tudo…comer, dormir etc

  5. É…..só muda o endereço e sobrenome, somos todas iguais, somos MÃE.

  6. Adorei! Sei que sou a chata da casa, mas não me conformo com isso e meu marido não fica do meu lado.

  7. Késia disse:

    Muito bom minha cara

  8. Isaura Garcia disse:

    Falou tudo. É exatamente isso que acontece.

  9. Mto bom este texto !!!! E mto real!!!

  10. Minhas filhas já são grandes (16 e 12 anos), e muitas vezes elas me chamam de chata, e minha respopsta é sempre a mesma, comecei a ser chata no exato momento que me tornei mãe.

  11. Janícia disse:

    Hoje vivi essa situação com meu filho de 6 anos ter que ser chata, para o menino fazer a tarefa, tomar banho, guardar brinquedos, ir pra cama e pior ele ainda me chamou de chata. Tenho outro de 1 e meio, exausta a essa hora.

  12. Janícia disse:

    Mesmo com essa rotina de todos os dias. amo se mãe.

  13. cynthia disse:

    Era exatamente isso que precisava ler hoje. Obrigada 😉 bjs

  14. Mariana França disse:

    Mãe quando é chata, quando se parece meia general, é a mãe mais valiosa do mundo, alguém responsável , cheia de amor e um super exemplo para os filhos !
    Quando sou chamada de chata sei que estou no caminho certo da maternidade, e fico até feliz.

  15. aline disse:

    Parece que fui eu que escrevi esse texto. Muitos gostam de dar palpite na nossa vida, mas cada mae sabe da necessidade de nossos filhos!!!

  16. Fafa disse:

    Viro a vilã e o pai o herói pois quebra todas as rotinas

  17. Joyce Pedroso disse:

    Nossa me vi. Tenho uma de 9 anos que além de achar que eu falo demais, está na fase de achar tudo chato, então repetir 5 vezes é natural aqui.

  18. Camila disse:

    Nívea… Obrigada.

    Como é bom saber que não sou a única. Tem dias que bate um desespero, pois penso se estou sendo uma general ou chata demais (pois meu marido diz isso… Rs). Mas me sinto aliviada por saber que passamos pelas mesmas coisas e que no fundo não somos chatas e nem general… Só estamos desempenhando nossos papéis de mães.

    😉

  19. Patrícia Lima disse:

    Nossa, essa sou eu! Me entitularam “a carcereira” (assim me chamam o marido e o filho), que marca em cima, não dá folga, que pega no pé sem descanso. E é bem assim que me sinto mesmo, sem descanso … não posso parar!

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail