Ultrassom morfológico: um guia completo

Por 12 Comentários


Eu me lembro direitinho da ansiedade que senti em meu primeiro ultrassom morfológico. Ele não foi o primeiro ultrassom que fiz, uma vez que meu médico já havia solicitado um outro, para confirmar a gravidez (como fui diagnosticada com menopausa precoce poucos meses antes de engravidar – a gestação era totalmente improvável, mas aconteceu e felizmente minha filha Catarina está aqui para confirmar que milagres acontecem!). Mas, de qualquer forma, eu não via a hora de ver novamente minha pequena, agora já com uma forma mais estabelecida. Além disso, eu sabia da importância do ultrassom morfológico para a detecção de algum problema com o bebê (posso dizer a você que está no início da gestação que o melhor a fazer é ficar calma, tranquila, pois isso é fundamental para seu filho).

Tive a sorte de fazer meus ultrassons morfológicos com bons médicos, experientes e pacientes. Acho importantíssimo que o profissional tenha paciência para explicar à futura mãe tudo o que está acontecendo (pode ser que ele faça mil exames por mês e não veja mais novidade naquilo, mas para a mulher é uma vida que está crescendo em sua barriga – o que gera dúvidas, e até mesmo medo de que algo não vá bem). Por isso, se você não estiver satisfeita com o atendimento que está recebendo, recomendo que você procure um outro médico, ou tenha uma conversa franca com o seu.

Outro ponto que me gerava desconfiança era a segurança do exame. Será que ele poderia causar algum problema no bebê? Após pesquisar bastante, posso contar a você que o ultrassom morfológico, assim como qualquer outro, não gera danos ao feto. Isso porque ele não emite radiações para formar a imagem, e sim ondas sonoras de alta frequência que chegam até o interior do útero. A curtição depois é ver as imagens (muitas clínicas permitem que sejam gravadas, para que você as assista quantas vezes quiser em casa).

Para que você entenda o que ocorre em um ultrassom morfológico e fique mais relaxada, a seguir eu conto tudo o que você precisa saber sobre o assunto. E se tiver dúvidas, escreve para o blog, combinado?

ultrassom morfologico

Guia do ultrassom morfológico

Durante o pré-natal, a mulher deve fazer, no mínimo, quatro ultrassons, sendo dois normais e dois morfológicos. A palavra morfologia que dizer “estudo da estrutura”, que é exatamente o que o ultrassom morfológico faz: analisa, de uma maneira bem detalhada, a estrutura do bebê.

 

O que esse exame detecta exatamente?

Através do ultrassom morfológico verifica-se a existência de anomalias na formação do feto, analisando sua estrutura interna e externa. Assim, é possível identificar más-formações como a hidrocefalia (acúmulo de líquido no cérebro), complicações cardíacas, alterações no sistema nervoso central, entre outros problemas relacionados ao desenvolvimento e à formação dos órgãos do bebê. Além disso, o ultrassom morfológico também detecta síndromes associadas a alterações genéticas e cromossômicas, como a Síndrome de Down.

 

Quando é preciso realizar o ultrassom morfológico?

Entre 11 e 14 semanas, a mulher deve realizar o primeiro exame, chamado pelos médicos de “morfológico do primeiro trimestre”. O segundo ultrassom morfológico deve ser feito entre 20 e 24 semanas e por isso é chamado de “morfológico do segundo trimestre”.

 

O que é verificado em cada exame?

No ultrassom morfológico do primeiro trimestre, o médico analisa a anatomia do feto e faz a translucência nucal (chamada de “medida da nuca do bebê”) para verificar o risco de doença genética. Acontece que os bebês que possuem anomalias em genes e cromossomos apresentam um acúmulo de líquido em uma dobrinha da nuca – e é justamente esse excesso de líquido que a translucência nucal mede. Os resultados são inseridos em um software que calcula a porcentagem de risco de doenças genéticas fazendo uma associação como outros dados como a idade da mãe, que é o maior  fator de risco.

Em complementação a esse primeiro ultrassom morfológico, a mãe deve fazer um exame de sangue. Isso porque através da dosagem dos hormônios PAPP-A (proteína plasmática A) e Beta- HCG livre (o responsável pelo “positivo” no teste de gravidez ) dá para calcular a probabilidade de doença genética com mais precisão.

No ultrassom morfológico do segundo trimestre, é feita uma avaliação mais detalhada ainda da formação do bebê. 80% das más-formações, como doenças renais, cardiovasculares e até lábio leporino conseguem ser identificadas neste exame. O médico também checa se está tudo ok com a placenta (principalmente se o alimento está passando direitinho da mãe para o bebê), e também se o líquido amniótico está em boas condições. Para isso, é utilizado um recurso chamado Doppler, que mede o fluxo sanguíneo nos vasos do bebê.

Entre a 26ª e 30ª semana é feita uma complementação transvaginal deste último ultrassom para medir o comprimento do colo do útero e assim calcular o risco de parto prematuro.

 

Quanto tempo demora para fazer o ultrassom morfológico?

O ultrassom morfológico é um pouco mais demorado que o ultrassom simples: dura de 40 a 60 minutos enquanto os  normais duram no máximo meia hora.

 

Dá para confiar 100% nos resultados?

Não. A porcentagem de acerto do primeiro ultrassom morfológico é de 70% e do segundo, de 90%. Não é raro que mães fiquem arrasadas ao receberem um diagnóstico que mais tarde não se confirmará. Por isso, se as notícias não forem boas, respire fundo e mantenha-se calma porque não é uma resposta definitiva. Há muitos fatores que influenciam no que o exame será capaz de detectar, como a quantidade de líquido amniótico, a posição do bebê, o tempo de gestação e até as condições do próprio aparelho ultrassom.

É importante lembrar que, embora o ultrassom morfológico seja, sim, um muito importante, ele não é a única providência a ser tomada durante a gestação. Ser assistida durante todo o pré-natal por um obstetra que possa realizar um acompanhamento personalizado é essencial para o bem-estar da mãe e do bebê. Por isso, mantenha suas consultas em dia e, se possível, sempre vá ao médico acompanhada de uma pessoa de sua confiança, que lhe deixe segura e possa dividir com você as alegrias de saber as últimas novidades sobre o seu bebê!




Arquivado em: Preparativos Tags:

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail