Dor de garganta no bebê e na criança

Por 13 Comentários


O tempo virou: os casacos saíram do armário, durante a noite a temperatura despencou e seu filho começou a sentir dor na garganta. Pois é: a chegada do outono traz consigo todas as “ites” possíveis, entre elas a amigdalite, a faringite e a laringite. Apesar de serem três doenças diferentes, você provavelmente se refere a elas pelo mesmo nome: dor de garganta.

E ao contrário do que muita gente pensa, nem sempre o antibiótico é o melhor tratamento para esse mal. Isso porque 85% dos casos de dor de garganta na infância são causados por vírus, não por bactérias – com eles, não adianta usar esse tipo de medicamento. Alguns sintomas ajudam a diferenciar quando a dor de garganta é causada por vírus e quando é causada por bactérias – e essa distinção é essencial para definir qual é o tratamento mais adequado. Mas vamos por partes:

 

Qual a diferença entre as” ites”?

Sim, chamamos todas elas de dor de garganta, mas a amigdalite, a faringite e a laringite atingem órgãos diferentes. No primeiro caso, o foco são as amígdalas, aquelas duas bolas vermelhas que ficam ao fundo do céu da boca. Durante os episódios de amigdalite, essas bolas incham (geralmente uma mais do que a outra) e provocam uma sensação de coceira na criança, que também pode ficar com mau hálito. Já a faringite ataca a faringe, um órgão tubular que conecta a boca e o nariz à laringe e ao esôfago. A faringite surge normalmente junto com a amidalite, como prolongamento da doença, ou ainda pode estar associada a alergias. Na última das “ites”, a laringite, o que acontece é uma inflamação da laringe, região anterior à traqueia e onde se situam as cordas vocais (por isso costuma causar rouquidão).

 

Sintomas: o que diferencia a dor de garganta causada por vírus da causada por bactérias?

A dor de garganta com causa bacteriana é mais comum em crianças maiores de três anos. Dentre os principais sintomas estão: febre alta (às vezes mais de 39°C), dor fortíssima na garganta, falta de apetite (justamente porque dói bastante para engolir), moleza no corpo todo (seu filho provavelmente vai querer ficar largado no sofá da sala o dia inteiro) e alteração da voz (sobretudo rouquidão). Já na dor da garganta de origem viral, que abrange a maioria dos casos, a criança não fica tão indisposta, mesmo quando tem febre, as amígdalas incham, mas não tanto, e a dor na garganta pode ser mais branda. Por estar quase sempre associada a gripes e resfriados, outros sintomas da dor de garganta viral podem ser tosse, coriza e olhos lacrimejantes.

Além disso, a dor de garganta causada por bactérias costuma ter um início mais abrupto e deixar a criança derrubada logo de cara, ao passo que a dor de garganta viral se manifesta mais lentamente. Mas lembre-se: apenas uma visita ao médico pode determinar ao certo o que causou a dor de garganta. Nos exames clínicos, se for detectado que a amígdala está bem mais vermelha do que o normal e houver pontinhos brancos espalhados pela garganta, é porque as causadoras são as bactérias. O médico também pode pedir um teste para detectar a presença de estreptococos do tipo A, os mais recorrentes na dor de garganta bacteriana.

dor de garganta criança

 

Qual é o melhor tratamento para cada caso?

Se o médico diagnosticar que a causa da dor de garganta é bacteriana, o antibiótico costuma ser o melhor tratamento, feito à base de penicilina e seus derivados (como a amoxicilina) na maioria dos casos. É importante tratar com cuidado as amigdalites porque elas podem se transformar em abcessos, que são acúmulos de pus.  Se a dor de garganta for viral, o tratamento consiste na ingestão de líquidos, medicamentos e remédios para aliviar os sintomas, como antitérmicos. Não dê aquelas pastilhas para aliviar a dor na garganta – elas alteram a mucosa da boca, o que pode prolongar a infecção. Como um dos maiores problemas é que a criança para de comer e beber, por sentir dor ao engolir, um dos riscos é a desidratação. Para que seu filho continue bem alimentado e hidratado, prefira alimentos líquidos ou pastosos e preferencialmente com muita vitamina C, como suco de limão e papinha de maçã.

 

Se a amidalite for recorrente, meu filho precisa operar as amígdalas?

É comum que, depois de diversos episódios seguidos de amidalite, os pais achem que seria mais fácil fazer a cirurgia de remoção das amígdalas – as criadoras do problema! Mas não é bem assim: sem as amígdalas, os vírus e bactérias se instalam na faringe – e ao invés de uma amigdalite, seu filho contrai uma faringite. Ou seja, você está só transferindo o problema de lugar. Amigdalite é caso de cirurgia se houver mais de sete episódios em apenas um ano ou pelo menos cinco episódios por ano, em um período de dois anos consecutivos. Se a criança estiver com muita dificuldade para respirar por causa do inchaço das amígdalas e da adenoide (aquela carne esponjosa que fica dentro do nariz), a cirurgia também pode ser necessária, mas somente um médico pode dar o veredito.

 

O que posso fazer para aliviar os sintomas?

Sua avó estava certa: gargarejo de água e sal funciona mesmo para aliviar a dor de garganta. Isso porque o sal tem propriedades anti-inflamatórias e também ajuda a limpar o muco. Gargarejos com soro fisiológico também funcionam. A partir dos três anos, a crianças pode tomar chá com mel, que ajuda a expectorar o muco, que é o que causa tosse e o desconforto na garganta.

 

Dá para prevenir a dor de garganta?

Lavar as mãos sempre, para evitar a transmissão de bactérias e vírus, é um hábito que pode prevenir não apenas a dor de garganta, como várias outras doenças. Se alguém já estiver doente em casa, não deixe que os outros bebam no mesmo copo, nem compartilhem os mesmos talheres e separe um saquinho plástico para recolher os lencinhos de nariz – assim eles não ficam espalhados pela casa. Crianças em idade escolar sempre estão mais expostas, não tem jeito.

 

Veja também: Dor de ouvido – o que causa o problema e como combatê-lo




Arquivado em: Cuidados diáriosSaúde Tags:

Comentários (13)

Trackback URL

  1. Cris disse:

    Matéria excelente, explica direitinho sobre os dois casos de amigdalite (viral e bacteriana) e a melhor forma de tratamento.

  2. Taciane disse:

    Ótima matéria…..

  3. Queli Costa disse:

    Muito explicativo nao sabia sobre as diferentes formas. Primeira vez q li nesse site. Vai passar a ser meu intem de pesquisa. Obrigada

  4. Andreia disse:

    A minha filha não sara a dor de garganta, nunca.. Já tem umas três semanas qe sara e volta. Ela tem 2 anos, não tem nenhum remédio caseiro que alguem saiba não ??

  5. Aline Brito disse:

    Muito bom o texto… Maravilhoso

  6. claudio silva disse:

    bem explicado gostei

  7. Leidyane Vieira de Oliveira disse:

    Minha filha de 6 anos tomou durante 10 dias antibiótico clavolunato de potássio. Com 10 dias que tinha terminando.o medicamento a infecção.voltou e o médico passou azitromicina e ela ainda está reclamado de dor na garganta e agora está com incômodo pescoço. O que eu faço me ajude!por favor.

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Leidyane,

      Infelizmente não é possível comentar sobre a medicação ou sobre o procedimento sem um exame clínico. Por isso, o ideal é procurar uma segunda opinião médica, se você não estiver muito segura da primeira. Mas é fundamental que ela seja examinada por outro profissional.

      Abraços!

    • Elen disse:

      No caso da minha hoje já esta com 6 anos. Mas desde pequena quando inflamava a garganta a única coisa que resolvia era injeção de fradermicina .

  8. Katia Yoshimoto disse:

    Matéria execelente! Muito bem explicado!

  9. Sandra santos de sousa alves disse:

    Minha filha esta com infeccao de garganta bacteriana e esta com muita coceira pelo corpo. Levei a no médico que passou bezetacil e esta com com coceira
    Tem alha coisa a ver

    • Equipe disse:

      Olá, Sandra. Tudo bem?

      Nesses casos, o melhor a fazer é seguir as orientações do pediatra e tirar todas as dúvidas com ele.

      Melhoras para a filhota!

      Abraços

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail