Amamentação, complemento e a culpa de mãe

Por 65 Comentários


Dia desses uma querida amiga que virou mãe recentemente me ligou muito chateada. Seu filhote está com dois meses de vida, e embora ela tenha feito tudo o que estava ao seu alcance, o pequeno não ganha peso. Ela saiu da última consulta com o pediatra arrasada, depois da sugestão de dar complemento a ele. E sentindo uma culpa enorme, decidiu ouvir minha opinião sobre o fato.

mamadeira

Enquanto ela falava comigo pelo telefone com a voz engasgada, comecei a perceber que eu também chorava. Isso porque imediatamente me lembrei da sensação que tive quando recebi da médica de minha filha a mesma recomendação. Catarina tinha exato um mês de vida, ganhava pouco peso e chorava muito. E o que eu senti na época foi um misto de culpa (que espécie de mãe era eu que não conseguia alimentar direito minha filha?) e medo, de que ela largasse rapidamente o peito (o que felizmente não aconteceu, e eu pude amamentá-la até os nove meses). Como profissional da saúde, tenho plena consciência de que por maiores as melhorias que as empresas tenham conseguido promover nas fórmulas atuais, o leite materno é o alimento de excelência para o bebê. Nutricionalmente eles podem até ser parecidos, mas há coisas que ainda não se pode imitar, como os anticorpos que são passados de mãe para filho através do peito. Mas o que me pegava mesmo era a questão do vínculo. Eu cresci em uma família onde as mulheres tinham leite para dar e vender, amamentaram sem problemas e relatavam o quanto isso era importante para que o bebê criasse laços de afeto com a mãe. E eu olhava o plástico do bico da mamadeira e sentia uma raiva enorme, como se ele estivesse roubando minha oportunidade de ser amada por minha filha.

Aos olhos de mulheres que ainda não são mães, isso pode soar grotesco, eu sei. Mas imagino que vocês que já têm filhos, ou mesmo que estão grávidas, esperando o maior presente que a vida lhes poderia ter dado, entendam o sentimento. Para tentar evitar que Catarina desmamasse, eu sempre dava primeiro o peito (que a coitadinha sugava até a última gota, com uma paciência digna de nota!), depois o complemento (aliás, uma ótima dica se você estiver passando pela mesma situação). Nas mamadas em que a mama estava mais cheia, eventualmente ficávamos apenas no leite materno (e eu por dentro me sentia o máximo e tinha uma das reações mais infantis do mundo – olhava para a mamadeira e pensava: dessa vez em venci!).

Eu continuo a favor de se fazer todo o possível para amamentar o bebê exclusivamente até os seis meses de vida. Mas sou prova de que, às vezes, fazer o máximo não é suficiente. As pessoas me perguntavam: “você está comendo direito? Se não comer não vai ter leite mesmo! E tomando líquido? E descansando? A pega está boa?”. E eu respondia: “sim, estou comendo o máximo que posso, tomando 4 litros de água todos os dias (eram 500mL em cada uma das oito mamadas diárias!), a pega está ótima – verificada inclusive pela pediatra – e descansando… Claro que não!!! Tenho uma filha que chora o dia todo, como é que posso estar descansada???”.

A amamentação me “enxugou” de uma forma fantástica. Após duas semanas, eu tinha perdido todos os quilos que ganhei durante a gravidez e mais alguns. Isso quer dizer que eu cheguei a pesar 43Kg! Isso mesmo, 43Kg! Certamente não tinha mais de onde meu corpo tirar matéria-prima para produzir leite! Outro dia uma mãe me contou que passou pelo mesmo, e que resolveu a questão comendo muito abacate (que tem calorias pra chuchu! Fica a dica para quem quiser tentar!). Nesse ponto, em que eu havia chegado ao meu limite, em que Catarina passava fome e não ganhava peso, eu concordei com o complemento. Podia ter sido diferente, se eu tivesse procurado os grupos de amamentação, banco de leite? Talvez sim, talvez não (hoje eu procuraria essa ajuda, mas na época nem conhecia a alternativa). Mas não me arrependo da decisão tomada.

Como mensagem final, eu diria para você que está enfrentando o problema que deixe a culpa de lado, as comparações com amigas e familiares que já amamentaram (não é porque elas tiveram muito leite que necessariamente você precisa ter, combinado?) e que não se deixe ser julgada por quem não conhece sua história. É muito fácil falar quando não se conhece todas as dificuldades enfrentadas. Mas eu sei que o pior mesmo não é o que vem de fora, e sim de dentro. É o sentimento de impotência, de falha que nós mesmas nos impomos. Deite a cabeça em seu travesseiro sabendo que o mais importante é que seu bebê esteja bem nutrido. E que mamadeira alguma é capaz de impedir o estabelecimento do vínculo, porque amor de mãe é muito, mas muito maior do que isso!

 

Siga @mildicasdemae no Instagram: http://instagram.com/mildicasdemae




Arquivado em: AmamentaçãoCuidados diários Tags:

Comentários (65)

Trackback URL

  1. Vivian Pereira disse:

    Concordo em gênero, número e grau, rss… Assim como vc, tb sou dentista, mas no meu caso, o complemento veio por outro motivo. Minha filha tinha 50 dias quando eu voltei a trabalhar – parcialmente: atendia um paciente, voltava pra casa (que é pertinho do consultório) voando pra amamenta-la, vinha, atendia mais um ou dois pacientes e voltava pra casa. Mas mesmo assim, não consegui sacia-la, rss. Acontece que minha filha nunca foi um reloginho para mamar e enquanto eu estava em casa, a deixava mamar sempre que queria. Quando voltei a trabalhar, não consegui coloca-la em horários conforme seguia minha agenda… Onde a baixinha começou a chorar desesperadamente, chupar o dedo (afff!!!), a mão toda… a ponto de, quando eu voltava pra casa e ela já estava acordada, berrando pra mamar, não queria nem saber de mim! E eu nunca consegui tirar mais de 30ml do meu leite para deixar pra ela mamar. Pois cada mamada durava mais de uma hora, de taaaanto que a pequena mamava. E aí, voltar a trabalhar é outra história, né… preocupações, contas pra pagar, etc, etc… Foi quando entrou a mamadeira. Consegui amamenta-la até os seis meses. Mas posso garantir que o vínculo vai muito além do amamentar. Somos “xeretas” uma da outra até hoje, que ela está com 2 anos e 4 meses. Amamentar não é tarefa fácil. Cada uma de nós vai ter sua particularidade.

  2. Fernanda Curado disse:

    Perfeito! Desde que me tornei mae e comecei a navegar pela blogosfera materna é a primeira vez que leio um texto sobre a amamentação que me representa! Não é apologia a mamadeira nem ao complemento, mas é justo, sincero e real. Quisera ter lido qdo amamentava.
    E olha que eu tinha leite, tirava potes e potes com a bomba, mas meu filho simplesmente nao pegava, nao queria, berrava…. Fiz de tudo, ia diariamente ao fernandes Figueira, e lá apenas a coordenadora do banco consegui faze-lo mamar. Todo este dilema que voce retratou eu vivi nao em relação ao complemento, mas à mamadeira…. e entao todos diziam “ah relaxa, pelo ele esta mamando o seu leite na mamadeira, é o seu leite, dá no mesmo” sim mas e a tal conexão mãe e filho?! eu queria isso tb, certo?! Eu era mae eu tinha carregado meu filho 9 meses, que queria amamentar mais que tudo. E eu tinha vergonha de dar mamadeira pra ele em publico… afinal quem ia saber que aquele era o meu leite? iam olhar e dizer pq essa mae não esta amamentando seu filho…. enfim frustração e culpa… e eu pensava, eu tenho leite, mas nao consigo fazer meu nenem mamar, que especie de mae sou eu?! Ouvi que nao tinha leite suficiente, mesmo com o peito vazando, ouvi que nao tinha bico…. aprendi 1001 e uma tecnicas, posições, ficava tensa, tinha dores… tentei o copinho, a colher…. por fim cedi a mamadeira, dei a ele e a mim uma tregua, mas nunca desisti… com quase 2 meses ele finalmente trocou de vez a mamadeira pelo peito! Ufa vitoria!
    Mas não tinha acabado… ele nunca foi amigo do peito, mamava 5min, se satisfazia e pronto… ok tava ganhando peso, entao ok…. mas nao poq ele nao sugava o suficiente pra estimular a produção (meu Deus! tem isso tb ne! viramos uma maquina de leite e nao é facil manter a bendita produção!!!!) de 4 pra 5 meses prestes a voltar ao trabalho, pelo stress ou por falta de estimulo sei lá…. o leite foi começando a nao ser suficiente, e ele chorava entre as mamadas e mesmo que eu oferecesse ele mamava e logo depois chorava de novo, e nunca era suficiente…. entao o médico disse… “vc tem que complementar”… aqui é como uma sentença né… parece que estão te mandando dar veneno pro seu filho… enfim outro sofrimento… mas confesso que nao tinha mais forças a essa altura e tal LD nunca consegui praticar pq ele nunca quis, so mamava mesmo se estivesse com fome, essa coisa de peito aconchego não rolava! Nao precisa dizer que um tempo depois de voltar a trabalhar ele largou o peito, com muito custo consegui ir até os seis meses… eu queria MUITO ter amamentado por mais tempo, mas eu sofri tanto pra que ele mamasse, que decidi nao sofrer no desmame, completados os 6 meses eu simplesmente parei de oferecer e pra ele sinceramente, não pareceu fazer a menor diferença.
    Hoje Pedro tem 2 anos e eu não consigo nem ir ao banheiro sem meu chicletinho vir junto 🙂

  3. Cris disse:

    Adorei seu post!!! Passei exatamente por isto todos os dias! Tive todos os sentimentos possíveis e imaginários, de que porcaria de mãe que sou, mas venci isso! Hoje aceito a mamadeira. Dou sempre os dois peitos e depois a mamadeira para ele. Ele tem muita fome e não dou conta só com o LM. Melhor dar complemento do que ele nao ganhar peso e ficar com fome.

  4. Nívea sempre estou por aqui acompanhando seu blog, leio tudo e adoro. Tenho três filhos e destes somente o terceiro está tendo a oportunidade de ter a amamentação continuada após os seis meses exclusivos de aleitamento materno e isso posso afirmar que por causa da falta de informação e apoio, que deveriam ser prestados a todas nós mães antes mesmo de darmos a luz. Concordo que mães que precisaram passar pelo mesmo que você não devem se sentir culpadas, o vínculo com nossos filhos podem ser criados e fortalecidos todos os dias e de várias maneiras, a amamentação é muito importante sim, mas precisa ser prazeirosa para ambos. Mas o que venho contribuir a este post, é o que citou acima sem se aprofundar, existem muitos profissionais capacitados na área de amamentação dispostos a ajudar as mães que passam por este período com dificuldade. Bancos de leite também prestam este serviço. Existem dois grupos no facebook que indico que são ótimos também, eu mesma fui ajudada num deles (Grupo Virtual da Amamentação e Aleitamento Materno Solidário). O ganho de peso por si só não serve de informação para constatar se uma criança esta saudável ou não, quanto mais o bebê sugar o seio da mãe mais leite ela irá produzir, para que a criança ganhe peso é necessário mamar o mesmo seio até quando a criança não quiser mais, pois o leite gordo é o que vem no final; toda mãe saudável é capaz de nutrir seu filho; esss são umas dicas que aprendi por lá. Enfim, sei que o post foi um relato vivido por você, não estou te criticando, jamais! Mas é muita falta de informação que se passa em torno da amamentação que as mães que passam por dificuldades não conseguem perseverar no caminho correto. Seria legal você pedir a contribuição de mães que passaram por dificuldades e fazer um post em incentivo a amamentação para que outras possam ser ajudadas. E um documentário muito bom de ser lido, não sei se conhece, é o Muito Além do Peso. Um abraço, Raphaela.

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Raphaela, adorei seu comentário. Obrigada sobretudo pelo carinho e respeito com que você o fez!

      Também acho que falta informação sobre amamentação para a maioria das mães, e que por essa razão o complemento acaba sendo usado mais do que o necessário. Os bancos de leite e mesmo os grupos de internet são maravilhosos para dar o apoio e as informações necessárias. Vou fazer exatamente o que você sugeriu: pedir para que mães que passaram por dificuldades contem suas histórias, para que outras mães possam ser ajudadas.

      Bjs,

      Nívea

  5. Gisa Hangai disse:

    Oi Nívea! Amamentei meus filhos gêmeos durante 10 meses com leite materno e complemento. Nunca me senti culpada por isso. Não podemos comparar os benefícios do leite materno com uma fórmula, mas as vezes isso se faz necessário e o mais importante é que cada mãe entenda a sua própria história. Muitas vezes fazemos de tudo para que as coisas saiam do jeitinho que planejamos, mas nem sempre funcionam. Quanto mais a amamentação for divulgada, ensinada e incentivada, mas as mulheres vão entender, aprender e praticar. Porém é preciso respeitar as necessidades e escolhas de cada um. Ótimo post! Beijos

  6. Andréa disse:

    Oi Nívea,
    Passei por situação semelhante e aproveito para contar um pouco da minha história. Fiz uma cesárea (o filhote estava bem sentado) e meu leite levou praticamente 07 dias para descer! Tenho bico do seio plano, ou seja, mais uma dificuldade. Tudo isso e um bebê que não ganhou peso nos primeiros 15 dias. Resultado: tem que complementar. Realmente parecia uma sentença de incompetencia completa. Mas eu não ia desistir de amamentar pois era uma vontade muito grande. A mamadeira me dava pânico principalmente por causa do meu seio (que eu achava que seria um problema)Por isso tentei colherinha, copinho e seringa. Mas não estava funcionando, pois era mais leite para fora do que para dentro. Então lendo muito na internet, mesmo antes dele nascer, descobri a técnica de relactação e fui tentar! Comprei um mama tutti e dava o complemento para ele enquanto amamentava no peito. Foi a solução dos meus problemas! Ele começou a ganhar peso, minha produção de leite foi se estabilizando e fomos muito felizes na nossa história de amamentação. Eu não dava o complemento em todas as mamadas, deixava mais para o final do dia e a noite. Aos 5 meses eu voltei a trabalhar e tive que introduzir a mamamdeira, porém ele tomava com o leite que eu tirava no trabalho no dia anterior! E a maior delicia era chegar em casa no final do dia (com os peitos cheios) e ele só querer mamar! Aquilo era bom demais! A noite após o banho ele mamava novamente mas ai eu já tinha pouco leite e ele se deliciava com uma mamadeira de complemento que eu dava com todo o meu amor. Desculpe o longo depoimento. Espero que ajude alguém. Bjs e parabéns pelo blog!
    PS: Para o segundinho, que deve chegar em Abril, já estou com tudo preparado. Tenho certeza que será muito mais fácil depois de ter passado por isso uma vez!

  7. Renata disse:

    Olá. Meu pequeno completa hoje 18 dias. Durante os 10 primeiros dias tentei de tudo, contratei um enfermeira consultora que trabalha no banco de leite da minha cidade… E ele não aceita meu peito de jeito nenhum… Tenho leite, pouco, cada vez menos, e desde os 10 dias de vida até hoje estou alimentando-o com Nan… Me sinto frustrada, triste e culpada. Estou tentando me habituar com a ideia de não amamentar. Ele perdeu 500 gr. nestes 10 primeiros dias. Tomei remédios para estimular a produção, que até aumentou, mas como ele não pega meu peito, o estímulo é ínfimo, então a produção esta cada vez menor… Ao mesmo tempo que sinto que fiz de tudo, sinto que não… Uma sensação de impotência feminina. Enfim, hoje penso que ainda bem que existe um alimento para que ele possa crescer forte e saudável… E se não,existisse nada não é? Precisava desabafar com mulheres que talvez entendam a dor de ter passado por tudo para amamentar… Meu bico rachou, ele mamou até meu sangue… Fui para o bico de silicone, tentei relactação… Nada o faz ficar grudadinho ao meu peito 🙁 … Para que ele e eu não sofrêssemos mais, decidi “desistir”.

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Renata, tudo bem?

      Espero que as coisas estejam mais calmas por aí. Entendo perfeitamente esse sentimento de impotência e só posso te dizer uma coisa: você está fazendo o melhor que pode, então não se culpe!

      Se você me permite, posso fazer uma sugestão? Seu bebê pode não pegar o bico, mas isso não quer dizer que não possa tomar leite materno. Você já tentou usar uma boa bomba extratora (mas tem que ser boa mesmo!) e colocar na mamadeira para ele tomar? Dessa forma ele continua recebendo os anticorpos do seu leite, que são tão importantes nesse comecinho de vida para não pegar nenhuma doença. Se você quiser, me escreva no e-mail contato@mildicasdemae.com.br que conversamos melhor!

      Independente de qualquer coisa, saiba que você tem um ombro amigo por aqui!

      Grande beijo para você e seu pequeno,

      Nívea

  8. PATRICIA disse:

    BOM QUANDO E DEPAREI COM ESSE TEXTO,POR ACASO, ME SENTI MUITO FELIZ. TENHO UM BEBE DE 3 MESES QUE TOMA MAMADEIRA DESDE O 3 DIA DE VIDA. SOFRI MUITO, FArei um breve relato, tive meu bebe de cesarea e a principio as coisas pareciam normais, na primeira hora de vida ele pegou o peito e sugava com toda força. ACHEI QUE ELE ESTAVA MAMANDO. ATE TER ALTA E NA MESMA NOITE MEU FILHO TEVE UMA FEBRE ALTISSIMA CORRI P O HOSPITAL, RESULTADO, ELE ESTAVA DESIDRATADO EM ULTIMO GRAU PQ EU NÃO TINHA LEITE, NAQUELE MOMENTO O MEDICO O ENTERNOU A PARTIR DAI TEVE QUE TOMAR FORMULA. MEU LEITE QUE JÁ NÃO ERA GRANDES COISAS SECOU EM 15 DIAS. MINHA FAMILIA ME COBRAVA E ME SENTIA MUITO MAL. MAS EU BEBE TOMA APENAS MAMADEIRA esta lindo e forte e eu estou aprendendo a lidar c a frustacao de não ter amamentado.

  9. No meu caso são gêmeos, mas como dizem que quanto mais mamam, mais leite produz… acreditei que poderia amamentar os dois exclusivamente. Mesmo comendo canjica, tomando chá da mamãe, ocitocina nasal, tintura de algodoeiro, não consigo deixar de lado o complemento. Sempre ofereço o seio e depois a mamadeira e como vocês não posso descrever o prazer das primeiras mamadas do dia, com a mama bem cheia… só sendo mãe para saber. Na o sintam culpa de tet que complementar com fórmula, mas não deixem de amamentar!

  10. Perfeito seu comentário, Viviane, obrigada!

  11. Perfeito seu comentário, Viviane, obrigada!

  12. Fernanda disse:

    Oi Nívea!

    Também passei por algumas situações no início da amamentação, mas conseguir amamentar exclusivamente sem complemento até 6 meses, do sétimo mês em diante tive que entrar com complemento pq ele não queria mais o peito só a mamadeira e a produção de leite foi embora… Mas o que me fez deixar esse comentário foi te prestar um agradecimento. Também sou a favor da amamentação e tenho certeza que vc também é, mas as pessoas falam tanto sobre isso q quando não conseguimos por qualquer motivo que seja somos terrivelmente julgadas. Hoje meu bebê tem 9 meses, se alimenta super bem e mama quando acorda e quando vai dormir (LA). Não adianta insistir com a mamadeira pq ele prefere a comida, fruta e suco. Cai na besteira de comentar isso num blog e fui crucificada pq o mais importante é o leite e que a comida é secundária. O que devo fazer deixá-lo passar fome pra querer aceitar o leite ao invés da comida?! Isso pra mim é muito pior do que oferecer coisas saudáveis e naturais pra ele durante o dia. O que quero dizer é q o q funciona pra uma mãe/bebê pode não funcionar pra outra e os blogs/pessoas deveriam informar sim, mas também apoiar pois é um momento muito complicado para nós mães e tudo que não precisamos é de julgamentos. Parabéns por ser uma pessoa tão consciente e humana, e q está realmente ajudando as mães! Continue assim pois sei blog é muito importante para nós “mães normais”… Rs

  13. Helen disse:

    Passei por uma situação difícil no início. Meu bebê foi pra UTI e por estar no oxigênio não me deixaram amamentar. Só após 3 dias comecei a tentar.Meu leite desceu no 2o dia e empedrou. Depois que comecei a tentar, o bebê não pegava de jeito nenhum. Só consegui 2x depois de muito tempo. Mas quando tivemos alta, 5 dias depois de nascer, ele não pegou. Minha mãe descobriu que a língua dele era totalmente presa e assim que pudemos levamos no otorrino que cortou a pelinha da língua. Depois disso ele passou a mamar, porém ele mamava durante horas e chorava muito. A pediatra mandou complementar porque ele nasceu bem magrinho de 37 semanas e não tinha ganhado nem o peso de nascimento apos 3 semanas.
    Foi muito difícil pra mim. Eu fiz. Procurei outras opiniões, nutricionista, consultora em amamentação (cara), outro pediatra. Todos disseram que no caso dele era necessário.
    Tentei relactação, mas acho que nem eu produzo leite suficiente e nem ele tem uma pega eficiente, por mais que eu corrija. Então continuo contra a vontade complementando. Ele está com 2 meses… A médica mandou aumentar o complemento, por causa do baixo ganho de peso.
    Fico triste, mas sei que fiz todo o possível… E por outro lado, ele está lindo e risonho…beijos e boa sorte pra vocês.
    Helen

  14. Lindo. To passando por isso aqui. Apesar da minha pequena ter ganho peso legal, 900 gramas no primeiro mês. A tarde p noite meus seios não estão tão cheios. Já pegou 2x complemento em 10 dias. Me sinto mal. Meu marido esta me
    Dando maior apoio, mas cabeça de mãe e outra coisa ne. Bjs

  15. Passei por isso com a Carol, sofri mas eu pegava ela no colo a cada mamadeira para continuar sendo um momento nosso.

  16. Minha bebe mama de uma em uma Harã meu leite não e suficiente ela tem tem um mes

  17. Fran eu nunca pude amamentar!!! Meu leite secou antes de Maria Antônia sair da UTI NEO. Não se sinta mal! Vc, com certeza, faz o q pode. Bj

  18. Fran eu nunca pude amamentar!!! Meu leite secou antes de Maria Antônia sair da UTI NEO. Não se sinta mal! Vc, com certeza, faz o q pode. Bj

  19. Francine, com vc sabe, eu estou indo para o segundo filho e quando se está no segundo, muitas culpas, medos e inseguranças já ficaram para trás. A Amamentação é um destes traumas que não carrego mais!!! Meu primeiro filho ficou 23 dias na UTI e eu passava 12 horas lá para que ele pudesse ter o tão sagrado leite materno, mas por diversas vezes meu filho tinha fome antes de ser liberada a entrada na UTI ou acontecia alguma intercorrência com outra criança que não era permitido a entada, logo, meu filho era alimentado com "complemento". Isso me incomodava muito, pois as pessoas diziam que meu filho iria ter problemas de imunidade, não criaria laços afetivos com a mãe, etc, etc, etc. Ficava com uma culpa imensa, mas hoje percebo que só ter amamentado 3 meses não me fez mais mãe ou menos mãe e que problemas de imunidade, meu filho não tem nenhum, pelo contrário, ele tem saúde de sobra!! Faça o que seu coração mandar, crie sua filha sem medos, sem traumas, sem remorsos, pois destes sentimentos ela não precisa! Crie sua filha com todo o amor deste mundo e se não for possível amamentá-la no peito, amamente-a na mamadeira e faça deste momento um evento único só seu e dela, o momento mais especial da vida de vocês!!! Beijos

  20. Bianca Felicio Obrigado… Vc nem imagina como fico aliviada em ler isso. Tenho muito medo, ou melhor tinha né. Meu marido está falando isso direto. Eu ainda preciso voltar a trabalhar essa semana, Patrão nao tem direito a nada ne.. perdi funcionários importantes e de uma hora p outra. Tenho 2 lojas hoje sem vendedor. Só com pessoas quebrando galho. Preciso voltar p escritorio e deixar meu pai e meu irmao mais soltos nas lojas. A juju vai comigo. Será ainda mais cansativo p mim ne… Grande beijo e obrigado pelo carinho. Vem visitar a Juju… estaremos na loja…. e a tardinha em casa….te mando endereço p inbox. bjs

  21. Flávia Girardi obrigado amiga… mil beijos.. ficarei bem. Deus é pai e ele sabe de todas as coisas. Já me deu o mais importante que é minha filha ne…

  22. Tatiana Martins da Silva obrigado. Tudo ficará bem. Deus sabe de tudo. Estou fazendo tudo que posso, mas vc sabe que vida de patrão não é facil ne. Só funcionarios tem alguns direitos. Preciso voltar p escritorio e a Juju vai comigo. Ficará ainda mais cansativo… beijos

  23. Ayla Santos disse:

    Nunca li um texto que descrevesse tão bem o que tenho passado!! Meu bebê tem 3 meses e já passei por várias coisas na luta pela amamentação, porque sou formada em Nutrição e sei da importância que amamentar tem! Também fiquei arrasada quando tivemos que inserir complemento na dieta do bebê, quando ele tinha apenas 3 semanas, porque ainda não tinha recuperado o peso de nascido. Ao contrário, estava perdendo peso a cada consulta. Tentei a translactação, mas não dava certo, pois meu seio estava muito machucado. Após muitas idas aos bancos de leite de Brasília, fiz tudo que me recomendaram e ontem, na consulta com a pediatra, verificamos que mais uma vez, ele não ganhou peso adequadamente. Aff!! Estou me conformando em amamentar até os 6 meses com translactação, que ao menos está dando certo com sonda de menor calibre!

  24. Helena Maria de Chechi disse:

    Ola!!! Vc complementou todas as mamadas no inicio? Quantos ml dava? Meu bebê possui 20 dias e percebo que só o peito nao o satisfaz, estou com pouco leite tomando motilium e syntocinon. A mamadeira nao atrapalha a mamada no peito? A pediatra queria que eu desse o complemento no copinho…

  25. Jaqueline disse:

    Meu problema foi alergia do meu bb, fiz uma dieta rigorosa mas não deu. Consegui até qse cinco meses, mas tive q parar de amamentar. Ainda sifro mto com isso…

  26. Erika Sadats disse:

    Querida Nívea, que tal um post referente a relactação? Assim as mamães não se sentirão menos mães oferecendo um complemento e ao mesmo tempo estimulando a lactação. Bjos

  27. E não é que falei de relactação em um dos primeiros posts do blog? Obrigada por me lembrar! Vou resgatá-lo, porque certamente pode ajudar muitas mães! Grande bj!

  28. Achei um pouco desrrespeito seu post. Amo suas dicas,e ajudam muito!
    Mas essa questão de amamentar não é tentar e fazer o impossível..,, as vezes não tem como mesmo, eu tive muitas complicações no parto, tentei e não consegui, dei mamadeira mesmo. E ela não roubou vínculo nenhum…

  29. Oi, Cássia,
    Então achamos a mesma coisa! Porque eu também não acho que amamentar seja se culpar por não fazer o impossível. Como disse no texto, acho que ninguém deve se deixar julgar por sua história – que é única e merece todo o respeito. E também não acho que mamadeira rouba o vínculo – disse exatamente o contrário!
    Se não havia ficado claro, espero tê-lo feito agora 🙂
    Grande bj,
    Nívea

  30. Marcela Gouveia disse:

    Francine, o peito não estar cheio n quer dizer q vc não tem leite. Calma que nós somos as fábricas! O leite é produzido no mome nto em q estamos amamentando, de acordo com a necessidade do bb. Não se desespere. Tenha

  31. Vivi Tessaro disse:

    Me desculpa mas o bico de plástico não rouba o amor de ninguém, como diz seu texto: E eu olhava o plástico do bico da mamadeira e sentia uma raiva enorme, como se ele estivesse roubando minha oportunidade de ser amada por minha filha.

    • Nívea Salgado disse:

      Vivi,

      Essa raiva da mamadeira foi meu sentimento inicial, sim. Mas eu nunca disse que o bico rouba o amor de ninguém! Aliás, se você ler o texto até o final, verá que eu também falo que mamadeira alguma é capaz de impedir o vínculo entre mãe e filho.

      Bjs,

      Nívea

  32. Vivi,

    Essa raiva da mamadeira foi meu sentimento inicial, sim. Mas eu nunca disse que o bico rouba o amor de ninguém! Aliás, se você ler o texto até o final, verá que eu também falo que mamadeira alguma é capaz de impedir o vínculo entre mãe e filho.

    Bjs,

    Nívea

  33. Bethânia Mauch disse:

    Olá Nívea! Primeiramente gostaria de parabeniza-la pelo blog. Quanto ao assunto abordado, também me incomoda um pouco, minha bebê está com 5 meses e meio, voltei a trabalhar quando faltava 10 dias pra ela completar 5 meses. Tive que introduzir o complemento,(com aval da pediatra) já que talvez devido ao stress do retorno ao trabalho, minha produção de leite diminuiu. Eu não poderia deixar minha pequena com fome e sem ganhar peso, mas isso me consumiu muito, a primeira vez que ela pegou a mamadeira, chorei compulsivamente me sentindo a pior mãe do mundo. Nesse período descobri que ela tem APLV (alergia a proteína do leite de vaca) assim ela toma a fórmula infantil de soja, ainda continuo amamentando,(excluindo totalmente o leite da minha dieta) porém ela não está querendo aceitar muito o peito, talvez ao fato da mamadeira ter a pega mais fácil, não sei. Estou chateada, mas tenho que me convencer que o amor dela por mim não irá diminuir se ela largar o peito, mas faço de tudo pra ela mamar nem que seja um pouco. Confesso que me sinto um pouco frustrada, mas tento não ficar neurótica, afinal amor de mãe e filho é algo que mamadeira alguma vai interferir. Beijos

  34. Cássia Raquel acho bom vc voltar e ler o post mais umas 3 vezes pra ver se vc entende o q esta escrito querida

  35. Enfim alguém que passou pelo mesmo que eu tenho passado. Já chorei muito pq só encontro blog e grupos que nós fazem sentir pior do que ja estamos. A sua experiência é exatamente o q tenho vivido. Obrigado por compartilhar. Me senti menos culpada por não conseguir amamentar sem complemento. Mas como vc disse o que realmente importa eh ver nosso filhote saudável e crescendo. Mais uma vez obrigado.

  36. Mariana Rezende Spadotto Pavão disse:

    Estou passando pela mesma situação…o problema é que a pequena está querendo começar a largar, agora com três meses…estou fazendo de tudo, até comprar a bomba elétrica já comprei pra ver se aumenta a produção…vou parar de dar o complemento na mamadeira e tentar o copo valvulado pra evitar que ela largue…como vc conseguiu manter até os nove meses????

  37. Mariana Rezende Spadotto Pavão disse:

    Estou passando pela mesma situação…o problema é que a pequena está querendo começar a largar, agora com três meses…estou fazendo de tudo, até comprar a bomba elétrica já comprei pra ver se aumenta a produção…vou parar de dar o complemento na mamadeira e tentar o copo valvulado pra evitar que ela largue…como vc conseguiu manter até os nove meses????

  38. Paula Marconi disse:

    Acho que muitas vezes o complemento é indicado precocemente e de maneira errada. Se o bebe não ganha peso o que se precisa é investigar a causa é não simplesmente oferecer complemento. Ainda mais na mamadeira que pode acabar causando confusão de bicos. A principal causa do não ganho de peso muitas vezes é o manejo da amamentacao que está errado. A mãe pode não estar fazendo a livre demanda, pode estar usando bicos artificiais, a pega pode não estar boa, pode haver hiperlactacao…. Enfim, várias são as causas. Doenças maternas ou no bebe tb podem atrapalhar o ganho de peso. Sinto que muitas vezes o complemento acaba sendo uma saída fácil, uma maneira rápida de resolver o problema do ganho de peso.

  39. Tive o mesmo sentimento qdo tive que começar a complementar, mas hoje estou feliz pq meu BB já está cheio de dobrinhas e ainda estou conseguindo amamentá-lo. Dou os 2 peitos primeiro e a mamadeira por último (uso a mamadeira da MAM de baixo fluxo que não dá cólicas e o BB tem que se esforçar para sugar por isso será mais difícil estranhar)

  40. Isabela disse:

    Quando meu filho nasceu sofri para amamentar, eu não tinha bico. Fiz vários exercícios na gravidez para puxar o bico mas nada adiantou, a pediatra disse que conforme ele fosse mamando o bico sairia e me ensinou a pega correta, mas ela não disse que eu sentiria uma dor quase insuportável!!! No primeiro mês foi um sofrimento em todos os dias, eu colocava ele no peito e vira o rosto para o outro lado para que as lágrimas não molhassem ele. Meu marido me deu muita força e chorou junto comigo! Desenvolvi uma inflamação no seio direito que sangrava muito e meu medico me aconselhou a não dar essa mama ate ela sarar. Mesmo com muita dor eu dava o peito para meu filho porque sempre achei importante o aleitamento materno e a minha intenção era dar até aos seis meses, mas infelizmente não deu!!! Com a mama muito machucada ele não conseguia mamar e não queria mas pegar o peito, aconselhada por pessoas que certamente queriam me ajudar, insistir para ele mamar, passei um dia e uma noite tentando fazer ele pegar o peito mas não adiantou, e quando você vê seu filho berrando de fome toda a culpa de dar complemento vai pelo ralo!! Liguei para pediatra e comecei a dar 120 ml de aptamil. Hoje ele é super saudável, com um bom peso e se desenvolvendo a cada dia. Eu fiz o que achava melhor para o meu filho e não me arrependo!

  41. Ana Carolina Raupp disse:

    Olá! Adorei este post pois vi que por diversos motivos, nós mães via de regra sentimos alguma culpa quando temos de dar a mamadeira. Hoje a sociedade cobra muito das mães: tenha uma gravidez saudável, tenha um parto perfeito e lindo com fotos de fotógrafo. E depois que a criança nasce, amamente exclusivamente até os seis meses de idade. O fato é que minha filha toma complemento desde a primeira noite que passamos juntas no hospital, quando resolvi aceitar a sugestão do pediatra depois que ela chorou por 3 horas sem parar. Nesses primeiros dias, mesmo depois que vim para casa, aceitei bem os complementos pois realmente o meu leite não tinha descido ainda e achei que seriam poucos dias. Não demorou para o leite descer, pois tive parto normal, e então foi aquela abundância, achei uma maravilha. Só que aí tive uma mastite, com muita febre, e fazia muito calor. Assim, estressada, com meu corpo combatendo uma infecção, e desidratada, meu leite simplesmente sumiu. E minha filha passou 3 dias chorando sem parar. Quando liguei para o pediatra achando que ela estava doente, ele perguntou “não é fome?”. Então resolvi dar uma mamadeira e ela dormiu 4 horas seguidas! Desde então ela mama no peito e logo após ofereço uma mamadeira de complemento. Tem vezes que ela mama bastante, noutras, pouco, e noutras ainda só o peito a satisfaz. Quando me dei conta que isso seria assim, que enquanto eu amamentasse eu teria que oferecer o complemento, foi um pouco triste, frustrante. Uma sensação de “que mãe sou eu que não respeito a natureza? Eu não deveria produzir leite suficiente para suprir a alimentação da minha filha?”.
    Mas apesar disso nunca desisti de amamentar, sempre tive na cabeça que o melhor alimento para ela é o meu leite, e que se ela mamar ao menos um pouquinho dele já é perfeito, pra mim e pra ela. E quando passei a encarar por esse lado, a frustração passou!
    Beijos pra todas

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Ana,

      Muito obrigada por compartilhar sua história conosco. Tenho certeza de que muitas mães se identificarão com ela, e terão seus corações acalmados em saber que você conseguiu superar as dificuldades e que sua filha está feliz e saudável 🙂

      Grande beijo,

      Nívea

  42. Pérsia disse:

    Super me identifiquei com o texto ! Minha experiência foi a mesma com meu filho.

  43. Ana Carolina disse:

    Adoro suas publicação! Super acompanho. Parabéns pelo apoio e dicas as mães!!

  44. Patricia disse:

    Nossa vc disse exatamente o que eu estou sentindo…. muitas vezes me sinto impotente por ter q complementar a amamentação vendo as mães ao meu lado com os peitos jorrando leite igual chuveiro… suas palavras me aliviaram por saber que não sou só eu a passar por este sentimento de culpa e me ajudaram a ver isto por um outro lado.. obrigada…

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Patricia,

      Que bom, fico muito feliz que o texto tenha te feito enxergar sua experiência de forma mais tranquila 🙂

      Mil beijos,

      Nívea

  45. Laila disse:

    Que texto bacana! Traz um conforto a mais pra gente, obrigada!
    Mas eu infelizmente ainda não consegui superar o sentimento de “culpa”, sempre que penso a respeito acho q poderia ter me esforçado mais sabe.
    Tenho uma filha de 10 anos que mamou exclusivamente no peito até os 6 meses, nem água ela bebia, só peito mesmo, o dia todo. Nunca precisou de mamadeira, estava sempre gordinha (apesar de me secar ao ponto de 41kg), eu tinha sempre bastante leite, a partir de 6 meses introduzi os alimentos, papinha, sopinha, vitamina, etc. Mas leite não, continuou sendo somente o meu até completar 1 ano e 1 mês, quando me mordia cheia de dentes, e então tive q parar.
    Bom, não sei se por causa da amamentação, mas hoje ela é uma menina forte, saudável, sem alergias, e raramente tem problemas de saúde, só viroses e bem raras.
    Mas então tive outro bebê, hoje ele tem 7 meses. Não tive problemas com produção de leite, sempre muito, e ele mamava sem o menor esforço, de ruim apenas meu tempo, que tinha q ser a disposição dele, pois mamava constantemente. Estava tudo indo bem até que um dia precisei ir em outra cidade, ele tinha 1 mês e meio, e então tiveram que dar a ele mamadeira na minha ausência (nunca consegui utilizar as bombas), deram o aptamil. Bom, como seria uma coisa esporádica, não vi problema, passei o dia fora e a noite quando cheguei ela já havia dormido, só acordou para mamar no peito na manhã seguinte. E então percebi uma coisa, a mamadeira o saciava mais! Pois no peito ele acordava 2 vezes na madrugada com fome. Com essa ideia martelando em minha cabeça comecei a da-lo uma mamadeira todos os dias antes de dormir, para que ele pudesse dormir satisfeito a noite toda e para q eu pudesse descansar. Como meu plano era dar somente uma mamadeira por dia…não vi problema. Meu plano era ser peito durante todo o dia e pronto!
    Mas a mamadeira era uma tentação…. Cada vez q surgia um problema, puft! Dá uma mamadeira e posso resolver.
    Bom… E problemas e afazeres sempre aparecem. Então cada vez q eu tinha q fazer algo, lhe dava uma mamadeira para que eu pudesse ganhar algumas horas livres para resolver, trabalhar. O problema eh sou comerciante, então o dia todo surgem pepinos, e quando me dei conta… A mamadeira tinha tomado conta do pedaço, meu leite começou a secar, pois não tinha estímulo. Ele mamava pouco, então pouco era produzido, então ele ficava irritado e mamava menos ainda…e essa bola de neve levou meu leite a secar por completo quando ele tinha 3 meses e meio.
    Me sinto uma incompetente. Se eu tivesse me policiado, organizado meus horários ao invés de ceder a comodidade da mamadeira, eu não teria perdido esse dom. Hoje ele tem alergias, gripa fácil e sinto q a culpa eh minha. Vejo minha outra filha forte e me pergunto se terei privado meu bebê disso. Será q ele vai ser forte e saudável como ela?
    Enfim, penso que eu poderia ter me esforçado mais. Hoje me arrependo e muito. Sei que a cada adoecer dele essa dúvida irá me assombrar… De que talvez meu leite o tivesse imunizado.
    Enfim… Estou falando pra desabafar. Obrigada por me darem atenção.
    E se posso dar um conselho, se esforcem o máximo que puderem, a mamadeira é uma tentação, só recorram a ela em último caso mesmo ou por indicação médica.
    Beijoss

    • Nívea Salgado disse:

      Oi, Laila,

      Lindo seu depoimento! Muito obrigada por compartilhar sua experiência conosco, e principalmente tanto sentimento! Fiquei emocionada 🙂

      Espero que não se sinta mais culpada – muitas vezes, apenas depois de colher o resultado de uma experiência é que percebemos que outra saída teria sido a melhor. Que seu coração fique tranquilo, pois ao descobrir tudo isso que nos contou, certamente é uma mãe cada vez melhor.

      Grande beijo,

      Nívea

  46. Vivi_fonseca disse:

    Boa tarde,
    Gostei muito do texto, pois estou buscando na internet soluções, remédios e confortos sobre aleitamento materno. Pois meu 2º filho completa 23 dias e estou dando complemento, pq meu leite parece não saciá-lo. Assim como no do meu 1º filho. Estou revivendo toda história novamente. Até remédio controlado por orientação médica estou tomando e não adianta.

  47. Vivi_fonseca disse:

    Me sinto frustrada com a situação, onde muitas pessoas dizem ” ele está com fome, não tem muito leite nessa teta, vamos dar mamadeira,… etc”. Me sentindo muito incapaz. Achei que depois de 8 anos, estaria melhor preparada, e não.

  48. Janaina disse:

    Meu bebe esta com 1 mes e desde o comeco dei complemento, ele ja saiu do hospital com essa recomendacao. Nao entendi muito bem o motivo, mas com 15 dias ele ficou resfriadinho e chegou a perder peso, a pediatra orientou a intensificar o complemento, em todas as mamadas. Quando ele se recuperou, mantive o complemento somente na ultima mamada da noite e na primeira da manha, por recomendacao da pediatra. Porem durante o dia ele nao consegue dormir depois que mama no peito e chora tambem, creio que seja de fome, pois hoje testei e dei complemento a tarde, ele tomou quase tudo e depois dormiu, isso porque ficou 40 minutos em cada peito. Fiz algumas tentativas de extrair leite com bombinha, mas consigo no maximo 40 ml… geralmente nao passa de 20 ml nos dois peitos. Fiz mamoplastia ha 15 anos e acredito que minha producao eh baixa por isso, nao sinto meus peitos encherem e ficarem doloridos como dizem por ai… na verdade eles ficam ate flacidos. Tomo Plasil a cada 8h e nao adiantou muita coisa… Infelizmente acredito que terei que partir para o complemento em todas as mamadas…

  49. Mariana disse:

    Estou tendo muita dificuldade do meu filho aceitar a papinha de legumes, ele só quer saber de frutas, mingau de aveia coma fórmula e mamar no peito depois de todas as refeições, poderia me ajudar? Ele não está pegando também mamadeira e nunca pegou chupeta

  50. Andrea disse:

    Nossa Nivea, vc me descreveu. E vejo que é mais comum do que se imagina, visto que, foram muitos comentários no seu post.

  51. Viviane disse:

    Adorei o seu texto Nívea, a melhor sobre esse assunto que eu já encontrei na internet!

  52. Ely disse:

    Seu texto foi perfeito para me acalmar e ver que não sou a única a me sentir inferior com o fato de acrescentar fórmula as mamadas da minha filha.
    Minha pequena fez 3 meses e a pediatra decidiu acrescentar fórmula pq ela precisa ganhar mais peso e claro que concordei pq quero o melhor pra ela, mas sai do consultório arrasada, me sentindo uma péssima mãe, pois tenho tanto orgulho de estar disponível para amamentá-la 24h por dia e esse ser o único alimento dela… Contudo, vou me adaptando a essa nova situação.
    Mas, resumindo, vou continuar amamentando até o dia que ela quiser, pq isso faz tão bem para nós duas.
    Obrigada pelo texto.

  53. Cristina disse:

    Estou passando por isso nesse exato momento. É um misto de impotência e culpa.
    Obrigada por compartilhar a sua experiência.
    Espero vencer esse medo.
    Beijos

Deixe seu comentário

Receba nossas dicas por e-mail