pré-natal psicológico pode não ser muito conhecido – ainda, mas já tem proporcionado uma série de efeitos positivos naquelas mulheres que buscam esse apoio durante a gestação.

Isso porque o método consiste em desmistificar as questões que giram em torno da maternidade, visando uma gestação baseada na realidade, e não na romantização da vida da mulher.

Além disso, o trabalho do psicólogo perinatal, neste caso, pode ser preventivo. Ele busca analisar se há sinais e indícios de que a mulher possa vir a desenvolver a depressão pós-parto ou outras questões emocionais.

A partir dessa investigação, intervenções são postas em prática com o propósito de auxiliar no mantimento da saúde e do bem-estar dessa mulher. Para saber mais sobre o pré-natal psicológico, continue lendo este conteúdo até o fim!

Publicidade

Veja mais: Autoimagem na maternidade – Como cuidar da autoimagem?

O que é o pré-natal psicológico?

Pré-natal psicológico

Foco na gestante acariciando a barriga. Foto: Freepik

O pré-natal psicológico pode ser entendido como uma prática complementar ao pré-natal ginecológico e convencional, que já conhecemos.

O seu foco é mais voltado à humanização, ao acompanhamento emocional das gestantes e à prevenção de questões emocionais como ansiedade, estresse e depressão antes, durante e depois do parto.

Trata-se de um acompanhamento que previne uma série de reações adversas que podem decorrer do processo gestacional. Isso porque, segundo pesquisas, existem três fases na vida da mulher que ela pode ter mais riscos de desenvolver questões emocionais. Essas três fases são:

  • Adolescência;
  • Período perinatal;
  • Climatério.

Isso significa que, durante a gestação, a mulher está mais propensa ao desenvolvimento de questões emocionais. E isso se deve a uma série de fatores, que discutiremos nos próximos tópicos.

Publicidade

Veja mais: Ansiedade e estresse: Seu filho sofre? Veja dicas para lidar com isso!

Pré-natal psicológico – Quando ele é recomendado?

Pré-natal psicológico

Mulher grávida conversando com o psicólogo. Foto: Freepik

Segundo pesquisas, a cada quatro mulheres no nosso país, mais de uma apresenta sintomas de depressão entre 6 e 18 meses após o parto. Esse número é bastante alarmante, tendo em vista que a DPP (depressão pós-parto) pode impactar no desenvolvimento dessa nova família, do bebê e, claro, na saúde e no bem-estar dessa mãe.

Por isso, quando pensamos sobre quando o pré-natal psicológico é recomendado, podemos dizer que ele não tem nenhuma contraindicação. Isso quer dizer que não são apenas as mulheres em alto risco ou já adoecidas que podem procurar um psicólogo perinatal.

No entanto, é claro que existem algumas situações nas quais o risco de desenvolvimento de questões emocionais é maior. Essas situações podem aparecer em casos como:

  • Gravidez indesejada ou não planejada;
  • Quando a mulher tem pavor da gestação ou do parto (tocofobia);
  • Mulheres com baixa autoestima;
  • Gestantes sem uma rede de apoio apropriada;
  • Casos de gravidez na adolescência ou gravidez tardia (após os 40 anos);
  • Casos em que a gestante ou o bebê correm risco de morte;
  • Situações nas quais a ansiedade, o estresse e a depressão já estão presentes;
  • Mulheres com questões biopsicossociais de forma geral – engravidaram do amante; engravidaram querendo separar; têm problemas emocionais já estabelecidos; consomem substâncias químicas e precisam interromper durante a gestação; e assim por diante.

Em resumo, mulheres que buscam atravessar o período perinatal com mais saúde mental e equilíbrio emocional podem usufruir das intervenções oferecidas no pré-natal psicológico.

Publicidade

Veja também: Como lidar com o estresse na maternidade?

Quais os benefícios do pré-natal psicológico?

Pré-natal psicológico

Mulher grávida conversando com a psicóloga. Foto: Freepik

Entendido o que é o pré-natal psicológico, novas dúvidas podem surgir, não é mesmo? Afinal, por que esse acompanhamento tem sido recomendado? Quais são os reais benefícios que o pré-natal psicológico pode promover? Veja algumas considerações e reflita conosco:

1. Desmistificação da maternidade e quebra da idealização

Infelizmente, sabemos que vivemos em uma sociedade na qual a maternidade é idealizada demais. Inclusive, sempre que estamos diante de uma gestante, nosso impulso é o de “parabenizá-la” por conta disso.

Porém, nos esquecemos de que nem todas as mulheres querem ser mães, e que nem todas têm as condições que gostariam de ter para esse tipo de responsabilidade.

Outros pontos envolvidos com essa romantização é o do que a mulher tem que dar conta de tudo e amar o seu filho a ponto de abrir mão da própria vida. Mas, a maternidade não precisa ser assim!

E por meio do pré-natal psicológico a mulher pode quebrar esses paradigmas e tabus, reconhecendo o que é a maternidade para ela e não se deixando levar por rótulos que adoecem.

Pré-natal psicológico – 2. Fortalecimento do grupo de apoio

Pré-natal psicológico

Foco na barriga da gestante com sapatinhos em cima. Foto: Freepik

A psicoterapia também ajuda no fortalecimento do grupo de apoio. Isso porque, muitas vezes, algumas mulheres podem ter vergonha ou culpa de solicitar ajuda e apoio. Consequentemente, se sobrecarregam crendo que é assim que deve ser.

Com o acompanhamento psicológico este á mais um paradigma que pode ser quebrado.

3. Equilíbrio emocional ao reconhecer o que se sente, entendendo

O equilíbrio emocional também pode ser atingido ao se dar voz e nomear o que se sente. Quando a mulher tem um espaço para a escuta qualificada, pode começar a “mergulhar” mais em si mesma, compreendendo seus limites, forças e fraquezas.

Veja mais: Perguntas de autoconhecimento: Toda mãe precisa fazer!

4. Prevenção de problemas relacionados ao vínculo mãe-bebê

O pré-natal psicológico também pode ajudar na prevenção de problemas relacionados com o vínculo entre mãe-bebê. A mãe aprende a amar o seu filho real, e não aquele que ela idealizou e imaginou. Assim, o vínculo pode se tornar mais saudável e natural.

Pré-natal psicológico – 5. Saúde para toda a família

O psicólogo perinatal pode auxiliar não só a mãe, como o parceiro ou parceira dessa mulher. Isso quer dizer que o acompanhamento pode auxiliar na promoção da saúde de toda a família, visando a construção de um lar sadio e equilibrado para essa nova família que nasce em conjunto.

6. Transição mais equilibrada para a maternidade

Pré-natal psicológico

Mulher grávida conversando com o psicólogo. Foto: Freepik

A maternidade exige muitas mudanças repentinas. Isso significa que a mulher passará por uma verdadeira transição. Às vezes, a transição tende a ser mais turbulenta, devido à história de vida da mulher.

Ter o acompanhamento psicológico para atravessar essa transição pode ser uma excelente maneira de ter mais saúde e bem-estar. Por isso, e por tantos outros motivos, que o pré-natal psicológico pode ser tão relevante.

Conclusão

O pré-natal psicológico pode ser muito interessante para toda e qualquer gestante que deseja atravessar o período perinatal com base em autoconhecimento, bem-estar e autocuidado.

O que você acha da ideia?

Veja agora: