Você provavelmente já ouviu falar na síndrome dos ovários policísticos, mas você sabe de fato o que é isso?

Vamos entender quais as causas e tratamentos para esse problema de saúde muito comum em algumas mulheres.

Para começar, vamos entender o que é essa condição!

ovários policísticos

Mulher loira no médico, segurando uma imagem do seu ovário. Crédito da foto: Freepik

Publicidade

Síndrome dos ovários policísticos: O que é?

A síndrome dos ovários policísticos, também conhecida como SOP, é uma condição comum e que pode acontecer em mulheres em todas as idades, apesar de ser mais frequente no início da adolescência.

Essa condição é caracterizada por alterações nos níveis de hormônios circulantes no sangue, o que acaba por favorecer a formação de diversos cistos no ovário.

Isso leva ao surgimento de sintomas como menstruação irregular e dificuldade para engravidar, por exemplo.

Além disso, é possível que surjam outros sintomas relacionados ao aumento dos níveis de hormônios, principalmente testosterona, como acne e aparecimento de pelo no rosto e no corpo.

O diagnóstico é feito pelo ginecologista a partir da análise dos sintomas apresentados pela mulher e resultado dos exames solicitados.

Dessa forma é possível iniciar o tratamento adequado, que normalmente é feito com remédios que têm como objetivo aliviar os sintomas e regular os níveis hormonais.

Publicidade

Veja abaixo quais são os sintomas.

Quais são os sintomas de ovários policísticos?

Os sinais e sintomas de ovário policístico pode variar entre mulheres e com a alteração hormonal.

No entanto, de forma geral, os sintomas mais comuns de ovário policístico são:

  • Menstruação irregular ou ausência de menstruação;
  • Queda de cabelos;
  • Dificuldade para engravidar;
  • Aparecimento de pelos no rosto e no corpo;
  • Aumento da oleosidade da pele;
  • Maior chance de desenvolver acne;
  • Ganho de peso de forma não intencional;
  • Atraso no desenvolvimento das mamas.

Caso a mulher identifique o aparecimento de pelo menos dois dos sintomas, é importante consultar o ginecologista para que seja feita uma avaliação e possam ser solicitados exames.

Os exames são necessários para que seja investigada a possibilidade de cistos no ovário.

Possíveis causas dos ovários policísticos

A SOP não possui uma causa bem definida.

Publicidade

No entanto, acredita-se que pode ser favorecida pela interação de diversos fatores, como: genética, metabolismo, resistência à insulina, alimentação inadequada e falta de prática de atividade física.

Além disso, o sobrepeso e a pré-diabetes pode também favorecer a SOP, pois essas situações levam a alterações hormonais, inclusive o aumento dos níveis de testosterona, que é o principal hormônio relacionado com o aparecimento dos cistos.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de ovário policístico é feito pelo ginecologista de acordo com a avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela mulher e resultado de exames solicitados.

O principal exame indicado é a ultrassonografia com o objetivo de verificar o tamanho dos ovários e a presença de cistos.

Além disso, pode ser recomendada a realização de exames de sangue para avaliar a quantidade de hormônios circulantes na corrente sanguínea, como LH, FSH, prolactina, T3, T4 e testosterona, que normalmente está elevado na síndrome dos ovários policísticos.

Ilustração do sistema reprodutor feminino.

Como deve ser o tratamento da síndrome dos ovários policísticos?

Em suma, o tratamento da síndrome do ovário policístico deve ser feito de acordo com a recomendação do médico.

Podem ser indicados remédios para aliviar os sintomas, como pílula anticoncepcional ou Flutamida.

Ou pode ser recomendado o uso de remédios para favorecer a gravidez, como o Clomifeno.

O uso de remédios para ovários policísticos pode ser indicado pelo ginecologista de acordo com os sintomas apresentados pela mulher.

Assim, pode ser recomendado pelo médico:

Tratamento para ciclo menstrual irregular e acne: feito somente com o uso da pílula anticoncepcional, pois ela irá diminuir a produção de testosterona e regular a menstruação e diminuir o surgimento de espinhas;

Tratamento para engravidar: pode ser feito com a ingestão de um medicamento que estimula a ovulação, como Clomifeno ou Metmorfina, aumentando as chances de a mulher engravidar. Confira algumas dicas para aumentar as chances de engravidar;

Tratamento para crescimento excessivo de pelos: são utilizados medicamentos, como Flutamida, ou pílulas anticoncepcionais, como Diane 35, para reduzir o número de hormônios masculinos no organismo e reduzir o crescimento de pelos.

Além disso, é muito importante completar o tratamento com exercício físico regular e uma alimentação equilibrada para manter o peso ideal, reduzindo os sintomas do ovário policístico.

Nos casos mais graves, quando há uma grande quantidade de cistos, aumentando o tamanho do ovário, pode ser ideal a realização de cirurgia para retirar os cistos ou o ovário.

O tratamento natural é normalmente uma forma de complementar o tratamento indicado pelo médico, ajudando a aliviar os sintomas e promover o bem-estar da mulher.

Para isso, o tratamento natural é feito com plantas que possuem propriedades anti-inflamatórias, como é o caso do chá de uxi amarelo e de feno grego, por exemplo.

Porém, os chás para ovário policístico não devem substituir o tratamento indicado pelo ginecologista e deve-se consumir de acordo com a orientação do médico.

Além disso, é importante que a mulher siga uma alimentação adequada, ou seja, que não favorece alterações hormonais e que promovam a sua saúde e bem-estar.

ovários policísticos

Mulher morena tomando chá. Crédito da foto: Freepik

1. Chá de uxi amarelo

O chá de uxi amarelo é um ótimo remédio caseiro para ovário policístico por causa das suas propriedades anti-inflamatórias e contraceptivas, aliviando os sintomas da síndrome dos ovários policísticos e estimulando a ovulação.

Ingredientes:

  • 1 colher (de sopa) de uxi amarelo;
  • 500 ml de água.

Modo de preparo:

  1. Colocar o uxi amarelo e a água numa panela e deixar ferver.
  2. Depois de fervido, tampar e deixar repousar durante 10 minutos.
  3. Coar e beber o chá de manhã.

2. Chá de feno-grego

Do mesmo modo, o feno-grego é uma planta medicinal que ajuda a regular os níveis hormonais.

Por isso, pode-se usar para tratar vários tipos de problemas relacionados com o sistema genital da mulher.

Além disso, também tem propriedades anti-inflamatórias que aliviam as dores provocadas pelo ovário policístico.

Ingredientes:

  • 250 ml de água fria;
  • 1 colher (de chá) de sementes de feno-grego.

Modo de preparo:

  1. Juntar os ingredientes em um recipiente e deixar repousar por, pelo menos, 3 horas.
  2. Depois virar em uma panela e deixar ferver por 5 a 10 minutos.
  3. Por fim, deve-se coar a mistura e deixar amornar.

Este chá pode tomar até 3 vezes por dia.

ovários policísticos

Mulher loira no médico, com uma ginecologista, que está mostrando um tablet para ela com imagem do seu ovário. Crédito da foto: Freepik

Síndrome dos ovários policísticos: Sinais de melhora e piora

Os sinais de melhora do ovário policístico surgem cerca de 3 a 4 semanas após o início do tratamento e incluem diminuição do crescimento de pelos, ciclo menstrual regulado e redução do acne, por exemplo.

Por outro lado, quando o tratamento não é feito de forma adequada, pode haver aumento da pressão arterial, aumento excessivo do peso corporal e dor abdominal.

É possível engravidar mesmo com ovários policísticos?

Sim, pois em geral as mulheres com este problema têm uma boa resposta a medicamentos que induzem a ovulação, como o Clomifeno.
Além disso, apesar de a menstruação ser irregular, em alguns meses a mulher pode ovular espontaneamente, conseguindo engravidar sem ajuda médica.
No entanto, o ideal é procurar o médico para aumentar as chances de gravidez, especialmente após 1 ano de tentativas de engravidar sem sucesso.

Ter ovários policísticos prejudica a gravidez?

Sim, vários estudos demonstraram que mulheres que têm ovários policísticos normalmente apresentam maior dificuldade para conseguir engravidar.
As complicações ocorrem principalmente em mulheres que estão acima do peso, sendo importante fazer o pré-natal adequado, se exercitar e ter uma alimentação saudável para diminuir os riscos de complicações.

Os sintomas continuam mesmo depois da menopausa?

Sim, pois na menopausa há diminuição dos hormônios femininos e, por isso, a mulher passa a sofrer ainda mais com o enfraquecimento e a queda de cabelo, e o crescimento de pelos em outras partes do corpo, como rosto e peito.
Além disso, o risco de problemas como ataque cardíaco, AVC e diabetes também aumentam depois da menopausa.

Os ovários policísticos também podem trazer mais problemas de saúde?

Sim, pois mulheres com esse problema têm maiores chances de desenvolver doenças graves como: diabetes, ataque cardíaco, pressão alta, colesterol elevado, câncer de endométrio (que é a parede interna do útero), ansiedade, depressão e apneia do sono.
Para diminuir o risco destas complicações, é importante ter uma vida saudável, praticando atividade física regularmente, tendo uma alimentação saudável, parando de fumar e de consumir álcool em excesso, além de fazer o tratamento adequado com o ginecologista.

Quem tem ovário policístico sempre tem menstruação irregular?

Não. Apesar de a menstruação irregular ser um dos principais sintomas dessa doença, mais da metade das mulheres que têm esse problema não apresenta nenhum sintoma, sendo a alteração nos ovários descoberta apenas durante a consulta de rotina ao ginecologista.

Por que aparecem mais pelos no corpo e a menstruação fica irregular?

O aparecimento de sintomas como pelos no rosto e menstruação irregular são por causa, principalmente, pelo aumento da testosterona.
Esse hormônio que deve estar presente no organismo da mulher, mas apenas em pequenas quantidades.
Esperamos que esse artigo tenha sido útil e te ajudado! Continue acompanhando o nosso Blog Mil Dicas de Mãe para não perder nenhum assunto sobre o universo feminino.
Agora que você já sabe quais as principais causas, sintomas e tratamentos para a SOP, síndrome dos ovários policísticos, leia também: